Memórias Biográficas: Curas em Roma com cardeais

Quarta, 28 Julho 2021 00:29 Escrito por  Pe. Osmar A. Bezutte, SDB
Pela intercessão de Maria Auxiliadora, as curas realizadas por Dom Bosco, segundo as Memórias Biográficas de São João Bosco, vol 9, cap. XXXIX.    

Dom Bosco, em 1869, estava em Roma, na Itália, para acompanhar a aprovação da sua Pia Sociedade de São Francisco de Sales. O clima entre os Cardeais da Sagrada Congregação não era dos melhores. Estavam influenciados por cartas de muitos bispos que criticavam a nova congregação que surgia em Valdocco, Turim.

 

Dois fatos aconteceram com os cardeais da tal Congregação. Um foi com o Cardeal Berardi. Ele tinha um sobrinho com febre tifoide, já desenganado pelos médicos. Dom Bosco, já famoso taumaturgo, foi chamado pelo cardeal.

 

– Eminência, disse Dom Bosco, vim para que o senhor me ajude junto ao Papa a fim de obter a aprovação da nossa Sociedade.

 

– O senhor me consiga a cura deste sobrinho, e, depois, falarei com o Santo Padre...

 

Dom Bosco, junto do enfermo, disse aos parentes:

 

– Tenham fé, rezem a Maria Auxiliadora, comecem uma novena. E o senhor, eminência, se ocupe com a Sociedade de São Francisco de Sales. E disse com seus botões: “Deixemos a Nossa Senhora. Que ela comece”!

 

Recitando algumas orações, Dom Bosco abençoou o doente. A febre o deixou na hora. O cardeal repetiu a promessa de fazer tudo o que lhe fosse possível em favor da Pia Sociedade, se o sobrinho ficasse curado.

 

Começaram a novena; após três dias Dom Bosco voltou a visitar o doente. O menino tinha melhorado muito, estando fora de perigo. Restabeleceu-se logo totalmente. A graça de Maria Auxiliadora fora evidente. O Cardeal Berardi, fora de si de alegria, visitou Dom Bosco e prometeu-lhe ir logo até o Santo Padre…

 

Na audiência com o Papa, contou-lhe o fato acontecido, recomendou-lhe com muita insistência a Pia Sociedade de São Francisco de Sales. Aquele santo Pontífice ficou surpreso e quis ver imediatamente a Dom Bosco.

 

Outro fato aconteceu com o Cardeal Antonelli. Dom Bosco foi visitá-lo. Sua eminência estava atormentado pela gota. E Dom Bosco: “Como está, eminência?” “Oh, veja como estou: preso na poltrona há alguns dias. A gota voltou. Ela tinha me deixado depois de sua última visita. Agora, de novo, me faz ter dores atrozes”, respondeu o cardeal. Os dois dialogam:

 

– Eminência, ajude-me em meus assuntos e lhe garanto que se sentirá melhor.

 

– O que deseja de mim?

 

­ Vim aqui parar encomendar-me ao senhor, a fim de que se ocupe da Sociedade de São Francisco de Sales.

 

– Ih, isso me parece um tanto difícil; porém, prometo recomendá-la ao Santo Padre, assim que puder ter uma audiência com ele.

 

– Teria necessidade que fosse já.

 

– Mas o senhor vê em que estado estou; não posso me mexer…

 

– Tenha confiança em Maria Auxiliadora e vá logo. Somente prometa se empenhar pela aprovação da nossa Sociedade…

 

– Quando...?! – exclamou o cardeal, surpreso, fixando-lhe nos olhos.

 

– Amanhã!

 

– Quer dizer que poderei ir mesmo?

 

– Sim, amanhã!

 

– Mas, como poderá ser?

 

– Tenha fé, fé forte em Maria Auxiliadora, pois do contrário não fazemos nada.

 

– Está bem, irei amanhã. Mas... e se depois ficar pior?

 

– Fico responsável eu: amanhã estará melhor. Deixe a coisa com Maria: Ela saberá como fazer.

 

– Está bem. Irei amanhã. E se acontecer o que me diz, farei tudo o que puder para promover sua Congregação.

 

No dia seguinte de manhã, o Cardeal Antonelli estava claramente melhor. Foi à audiência com o Santo Padre e lhe narrou seu diálogo com Dom Bosco e a cura.

 

“Nos perigos, nas angústias, nas incertezas, pensa em Maria, invoca Maria. Que ela nunca abandone os teus lábios, nem o teu coração; e para obteres a ajuda de sua oração, nunca esqueças o exemplo de sua vida. Se a segues, não te podes desviar; se lhe rezas, não te podes desesperar; se pensas nela não podes errar. Se ela te ampara, não cais; se ela te protege, nada temes; se ela te guia, não te cansas; se ela te é propícia, alcançarás a meta…” (S. Bernardo de Claraval, PL 183, 70-71).

 

Padre Osmar A. Bezutte, SDB, é revisor da nova tradução das Memórias Biográficas de São João Bosco (Editora Edebê).

Avalie este item
(0 votos)

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.


Memórias Biográficas: Curas em Roma com cardeais

Quarta, 28 Julho 2021 00:29 Escrito por  Pe. Osmar A. Bezutte, SDB
Pela intercessão de Maria Auxiliadora, as curas realizadas por Dom Bosco, segundo as Memórias Biográficas de São João Bosco, vol 9, cap. XXXIX.    

Dom Bosco, em 1869, estava em Roma, na Itália, para acompanhar a aprovação da sua Pia Sociedade de São Francisco de Sales. O clima entre os Cardeais da Sagrada Congregação não era dos melhores. Estavam influenciados por cartas de muitos bispos que criticavam a nova congregação que surgia em Valdocco, Turim.

 

Dois fatos aconteceram com os cardeais da tal Congregação. Um foi com o Cardeal Berardi. Ele tinha um sobrinho com febre tifoide, já desenganado pelos médicos. Dom Bosco, já famoso taumaturgo, foi chamado pelo cardeal.

 

– Eminência, disse Dom Bosco, vim para que o senhor me ajude junto ao Papa a fim de obter a aprovação da nossa Sociedade.

 

– O senhor me consiga a cura deste sobrinho, e, depois, falarei com o Santo Padre...

 

Dom Bosco, junto do enfermo, disse aos parentes:

 

– Tenham fé, rezem a Maria Auxiliadora, comecem uma novena. E o senhor, eminência, se ocupe com a Sociedade de São Francisco de Sales. E disse com seus botões: “Deixemos a Nossa Senhora. Que ela comece”!

 

Recitando algumas orações, Dom Bosco abençoou o doente. A febre o deixou na hora. O cardeal repetiu a promessa de fazer tudo o que lhe fosse possível em favor da Pia Sociedade, se o sobrinho ficasse curado.

 

Começaram a novena; após três dias Dom Bosco voltou a visitar o doente. O menino tinha melhorado muito, estando fora de perigo. Restabeleceu-se logo totalmente. A graça de Maria Auxiliadora fora evidente. O Cardeal Berardi, fora de si de alegria, visitou Dom Bosco e prometeu-lhe ir logo até o Santo Padre…

 

Na audiência com o Papa, contou-lhe o fato acontecido, recomendou-lhe com muita insistência a Pia Sociedade de São Francisco de Sales. Aquele santo Pontífice ficou surpreso e quis ver imediatamente a Dom Bosco.

 

Outro fato aconteceu com o Cardeal Antonelli. Dom Bosco foi visitá-lo. Sua eminência estava atormentado pela gota. E Dom Bosco: “Como está, eminência?” “Oh, veja como estou: preso na poltrona há alguns dias. A gota voltou. Ela tinha me deixado depois de sua última visita. Agora, de novo, me faz ter dores atrozes”, respondeu o cardeal. Os dois dialogam:

 

– Eminência, ajude-me em meus assuntos e lhe garanto que se sentirá melhor.

 

– O que deseja de mim?

 

­ Vim aqui parar encomendar-me ao senhor, a fim de que se ocupe da Sociedade de São Francisco de Sales.

 

– Ih, isso me parece um tanto difícil; porém, prometo recomendá-la ao Santo Padre, assim que puder ter uma audiência com ele.

 

– Teria necessidade que fosse já.

 

– Mas o senhor vê em que estado estou; não posso me mexer…

 

– Tenha confiança em Maria Auxiliadora e vá logo. Somente prometa se empenhar pela aprovação da nossa Sociedade…

 

– Quando...?! – exclamou o cardeal, surpreso, fixando-lhe nos olhos.

 

– Amanhã!

 

– Quer dizer que poderei ir mesmo?

 

– Sim, amanhã!

 

– Mas, como poderá ser?

 

– Tenha fé, fé forte em Maria Auxiliadora, pois do contrário não fazemos nada.

 

– Está bem, irei amanhã. Mas... e se depois ficar pior?

 

– Fico responsável eu: amanhã estará melhor. Deixe a coisa com Maria: Ela saberá como fazer.

 

– Está bem. Irei amanhã. E se acontecer o que me diz, farei tudo o que puder para promover sua Congregação.

 

No dia seguinte de manhã, o Cardeal Antonelli estava claramente melhor. Foi à audiência com o Santo Padre e lhe narrou seu diálogo com Dom Bosco e a cura.

 

“Nos perigos, nas angústias, nas incertezas, pensa em Maria, invoca Maria. Que ela nunca abandone os teus lábios, nem o teu coração; e para obteres a ajuda de sua oração, nunca esqueças o exemplo de sua vida. Se a segues, não te podes desviar; se lhe rezas, não te podes desesperar; se pensas nela não podes errar. Se ela te ampara, não cais; se ela te protege, nada temes; se ela te guia, não te cansas; se ela te é propícia, alcançarás a meta…” (S. Bernardo de Claraval, PL 183, 70-71).

 

Padre Osmar A. Bezutte, SDB, é revisor da nova tradução das Memórias Biográficas de São João Bosco (Editora Edebê).

Avalie este item
(0 votos)

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.