Mãos que tecem solidariedade

Tuesday, 22 March 2016 18:23 Written by 
Mãos que tecem solidariedade Camila Santos
Projeto animado pelas Filhas de Maria Auxiliadora, em comunidade carente de Diadema, na Grande São Paulo, promove a inserção social com base nos princípios da Economia Popular Solidária.

O grupo Solidariedade & Arte, formado por mulheres de comunidades carentes de Diadema, SP, desde 24 de novembro de 2015, está apresentando uma feira de artesanato no São Bernardo Plaza Shopping, na região do ABC paulista. É uma mostra de uma iniciativa ampla, que visa fomentar a geração de trabalho e renda em áreas de vulnerabilidade social. A iniciativa tem nas Irmãs Iracema Schoeps e Manoracy Vitar Medeiros, Filhas de Maria Auxiliadora (FMA) da Comunidade Maria de Nazaré, uma importante fonte de inspiração e suporte.

O Projeto Solidariedade & Arte nasceu em 2007, após o Governo Federal criar a Secretaria Nacional de Economia Solidária (SENAES). Instituída em 2003, no âmbito do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), a Secretaria tem entre os seus objetivos viabilizar e coordenar atividades de apoio à economia solidária, com foco na geração de trabalho e renda e na inclusão social. Em meio a esse contexto, o grupo foi contemplado com uma pequena verba mensal que possibilitou a compra do material necessário para iniciar as oficinas de artesanato no bairro onde moram as Irmãs: Vila Lídia, em Diadema - região marcada pela alta vulnerabilidade de jovens e mulheres, pela baixa renda familiar e pela pouca escolaridade.

Depois, as integrantes se uniram a outro grupo de mulheres que na época participavam do programa estadual “Leve Leite”. Dessa parceria nasceu a oportunidade de participar, por três anos, na Feira de Artesanato no Parque da Água Branca, na Capital paulista. Com a presença nessa feira de grande movimento, o grupo conseguiu um fundo e ainda dividir o lucro entre as participantes. Mais à frente, o Solidariedade & Arte foi ampliado e dois novos grupos de artesãs se formaram nos bairros Jardim Gazuza e Vila Popular, também em Diadema. Em 2014 a Conferência das Inspetoras do Brasil (CIB) colaborou com o grupo na aquisição de materiais, o que deu mais um impulso ao trabalho.

Atualmente, o Projeto conta com a participação de cerca de 20 mulheres, que conciliam os cuidados com a família, as oficinas de aprendizagem, a participação nas Comunidades Cristãs e outras atividades. As oficinas de artesanato são realizadas uma vez por semana nas dependências das Comunidades Cristãs, também, com o apoio de artesãs experientes. São ensinadas técnicas de decupagem, pintura e aplique em tecido e gesso, bordado, costura, velas, entre outras.O dinheiro arrecadado com a venda dos produtos é utilizado na aquisição de novas matérias-primas, além de ser dividido em partes iguais entre as participantes, cumprindo seu papel de geração de renda.

 

Além do artesanato

No caso do Projeto Solidariedade & Arte, não só os critérios da Economia Solidária são colocados em prática, como também, a formação ética, cristã e cidadã das pessoas. “Durante as oficinas nós conversamos sobre vários assuntos: filhos, casamento, trabalho... são conversas educativas nas quais aproveitamos para trocar experiências a respeito de valores importantes para a vida de todas”, conta Irmã Iracema. Ainda segundo a salesiana, uma das primeiras a participar das Comunidades Salesianas Inseridas nos Meios Populares, o educacional perpassa todo o trabalho que se faz nessas comunidades. “No caso das Comunidades Religiosas Inseridas, o trabalho educativo parte do estar juntas e contribuir para que as pessoas desenvolvam habilidades e talentos. As diferentes habilidades socializadas geram um processo e o bom resultado”, afirma ela.

Residindo em Diadema desde fevereiro de 2003, as FMA Iracema e Manoracy acreditam que o fato de estarem em contato direto com as pessoas que vivem nesta região carente vai ao encontro do apelo do Papa Francisco: “Desejo uma Igreja em saída, indo ao encontro das periferias geográficas e existenciais”. Conviver com as juventudes, com as mulheres e com o povo pobre, participar de suas alegrias e dores, buscar coletivamente a solução dos problemas como presença educativa da vida e da fé é responder ao carisma de Dom Bosco e de Madre Mazzarello, é responder aos apelos do Papa Francisco, afirmam.

 

Tecendo a autoestima

As mulheres que participam do grupo Solidariedade & Arte parecem tímidas no primeiro contato. Mas, assim que começam a falar de suas experiências nas oficinas de artesanato, logo se mostram bem articuladas e animadas. A maioria começou a frequentar o grupo por acaso, sem grandes expectativas, mas hoje já se sente parte de uma grandiosa proposta que interfere positivamente na autoestima de cada uma.

Para a artesã Moralinda Mathias, que concilia a participação na exposição com o seu trabalho como auxiliar administrativa, as oficinas e a presença no Shopping são relevantes por experienciar um novo jeito de trabalhar. “Nós estamos dentro do ‘coração capitalista’ com uma proposta diferente de trabalho. Aqui nós somos atendentes de nossas próprias lojas, somos artesãs, tomamos conta de tudo. Realizamos todas as atividades em parceria e em consenso”.

Devido à grande aceitação do público, o grupo Solidariedade & Arte permanecerá no São Bernardo Plaza Shopping por tempo indeterminado. E, desde 2013, já participa do “Balcão da Cidadania” no Shopping Metrópole, também na cidade de São Bernardo do Campo.

 

O que é Economia Popular Solidária

A Economia Popular Solidária (EPS) é um jeito diferente de produzir, vender, comprar e trocar o que é preciso para viver. Enquanto na economia convencional existe a separação entre os donos do negócio e os empregados, na Economia Solidária os próprios trabalhadores também são donos. São eles que tomam as decisões de como tocar o negócio, dividir o trabalho e repartir os resultados.

A Economia Solidária visa, entre outras metas: propiciar qualificação profissional aos participantes, estimular a criação de cooperativas e auxiliar na geração de trabalho e renda. Além disso, busca valorizar as experiências comunitárias e potencializar o sentido de justiça, solidariedade e fraternidade.

 

Comunidades Salesianas Inseridas

As Filhas de Maria Auxiliadora iniciaram o trabalho em Comunidades Inseridas em 1972, quando o Instituto das FMA completou 100 anos. Animadas pelo lema “Aos 100 anos é preciso nascer de novo”, as Inspetorias foram incentivadas a fortalecer a ação social junto aos meios populares.

A proposta de inserção se espalhou por todas as Inspetorias FMA do Brasil, guardando como traço comum o fato de que é sempre realizada por uma Comunidade de Irmãs. Ou seja: não é uma missão individual, mas sim a inserção de um grupo de FMA que assume diversas funções junto à Igreja local, de acordo com as necessidades apresentadas. Há uma grande diversidade também no tipo de atividades realizadas em cada Inspetoria.

O trabalho das FMA em Comunidades Inseridas em regiões carentes nos Estados de São Paulo e Rio de Janeiro foi tema do documentário La forza della vita, produzido em 2014, realização italiana “Misione Don Bosco”. Com um pouco mais de 30 minutos, o curta-metragem exibe os depoimentos das jovens Aloà, Monique e Viviane, que graças à proximidade e ajuda concreta das FMA conseguem superar as dificuldades e construir um futuro melhor. O filme (em italiano) pode ser visto no canal Youtube CGFMANET.

Rate this item
(0 votes)
Last modified on Wednesday, 23 March 2016 00:32

Leave a comment

Make sure you enter all the required information, indicated by an asterisk (*). HTML code is not allowed.


Mãos que tecem solidariedade

Tuesday, 22 March 2016 18:23 Written by 
Mãos que tecem solidariedade Camila Santos
Projeto animado pelas Filhas de Maria Auxiliadora, em comunidade carente de Diadema, na Grande São Paulo, promove a inserção social com base nos princípios da Economia Popular Solidária.

O grupo Solidariedade & Arte, formado por mulheres de comunidades carentes de Diadema, SP, desde 24 de novembro de 2015, está apresentando uma feira de artesanato no São Bernardo Plaza Shopping, na região do ABC paulista. É uma mostra de uma iniciativa ampla, que visa fomentar a geração de trabalho e renda em áreas de vulnerabilidade social. A iniciativa tem nas Irmãs Iracema Schoeps e Manoracy Vitar Medeiros, Filhas de Maria Auxiliadora (FMA) da Comunidade Maria de Nazaré, uma importante fonte de inspiração e suporte.

O Projeto Solidariedade & Arte nasceu em 2007, após o Governo Federal criar a Secretaria Nacional de Economia Solidária (SENAES). Instituída em 2003, no âmbito do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), a Secretaria tem entre os seus objetivos viabilizar e coordenar atividades de apoio à economia solidária, com foco na geração de trabalho e renda e na inclusão social. Em meio a esse contexto, o grupo foi contemplado com uma pequena verba mensal que possibilitou a compra do material necessário para iniciar as oficinas de artesanato no bairro onde moram as Irmãs: Vila Lídia, em Diadema - região marcada pela alta vulnerabilidade de jovens e mulheres, pela baixa renda familiar e pela pouca escolaridade.

Depois, as integrantes se uniram a outro grupo de mulheres que na época participavam do programa estadual “Leve Leite”. Dessa parceria nasceu a oportunidade de participar, por três anos, na Feira de Artesanato no Parque da Água Branca, na Capital paulista. Com a presença nessa feira de grande movimento, o grupo conseguiu um fundo e ainda dividir o lucro entre as participantes. Mais à frente, o Solidariedade & Arte foi ampliado e dois novos grupos de artesãs se formaram nos bairros Jardim Gazuza e Vila Popular, também em Diadema. Em 2014 a Conferência das Inspetoras do Brasil (CIB) colaborou com o grupo na aquisição de materiais, o que deu mais um impulso ao trabalho.

Atualmente, o Projeto conta com a participação de cerca de 20 mulheres, que conciliam os cuidados com a família, as oficinas de aprendizagem, a participação nas Comunidades Cristãs e outras atividades. As oficinas de artesanato são realizadas uma vez por semana nas dependências das Comunidades Cristãs, também, com o apoio de artesãs experientes. São ensinadas técnicas de decupagem, pintura e aplique em tecido e gesso, bordado, costura, velas, entre outras.O dinheiro arrecadado com a venda dos produtos é utilizado na aquisição de novas matérias-primas, além de ser dividido em partes iguais entre as participantes, cumprindo seu papel de geração de renda.

 

Além do artesanato

No caso do Projeto Solidariedade & Arte, não só os critérios da Economia Solidária são colocados em prática, como também, a formação ética, cristã e cidadã das pessoas. “Durante as oficinas nós conversamos sobre vários assuntos: filhos, casamento, trabalho... são conversas educativas nas quais aproveitamos para trocar experiências a respeito de valores importantes para a vida de todas”, conta Irmã Iracema. Ainda segundo a salesiana, uma das primeiras a participar das Comunidades Salesianas Inseridas nos Meios Populares, o educacional perpassa todo o trabalho que se faz nessas comunidades. “No caso das Comunidades Religiosas Inseridas, o trabalho educativo parte do estar juntas e contribuir para que as pessoas desenvolvam habilidades e talentos. As diferentes habilidades socializadas geram um processo e o bom resultado”, afirma ela.

Residindo em Diadema desde fevereiro de 2003, as FMA Iracema e Manoracy acreditam que o fato de estarem em contato direto com as pessoas que vivem nesta região carente vai ao encontro do apelo do Papa Francisco: “Desejo uma Igreja em saída, indo ao encontro das periferias geográficas e existenciais”. Conviver com as juventudes, com as mulheres e com o povo pobre, participar de suas alegrias e dores, buscar coletivamente a solução dos problemas como presença educativa da vida e da fé é responder ao carisma de Dom Bosco e de Madre Mazzarello, é responder aos apelos do Papa Francisco, afirmam.

 

Tecendo a autoestima

As mulheres que participam do grupo Solidariedade & Arte parecem tímidas no primeiro contato. Mas, assim que começam a falar de suas experiências nas oficinas de artesanato, logo se mostram bem articuladas e animadas. A maioria começou a frequentar o grupo por acaso, sem grandes expectativas, mas hoje já se sente parte de uma grandiosa proposta que interfere positivamente na autoestima de cada uma.

Para a artesã Moralinda Mathias, que concilia a participação na exposição com o seu trabalho como auxiliar administrativa, as oficinas e a presença no Shopping são relevantes por experienciar um novo jeito de trabalhar. “Nós estamos dentro do ‘coração capitalista’ com uma proposta diferente de trabalho. Aqui nós somos atendentes de nossas próprias lojas, somos artesãs, tomamos conta de tudo. Realizamos todas as atividades em parceria e em consenso”.

Devido à grande aceitação do público, o grupo Solidariedade & Arte permanecerá no São Bernardo Plaza Shopping por tempo indeterminado. E, desde 2013, já participa do “Balcão da Cidadania” no Shopping Metrópole, também na cidade de São Bernardo do Campo.

 

O que é Economia Popular Solidária

A Economia Popular Solidária (EPS) é um jeito diferente de produzir, vender, comprar e trocar o que é preciso para viver. Enquanto na economia convencional existe a separação entre os donos do negócio e os empregados, na Economia Solidária os próprios trabalhadores também são donos. São eles que tomam as decisões de como tocar o negócio, dividir o trabalho e repartir os resultados.

A Economia Solidária visa, entre outras metas: propiciar qualificação profissional aos participantes, estimular a criação de cooperativas e auxiliar na geração de trabalho e renda. Além disso, busca valorizar as experiências comunitárias e potencializar o sentido de justiça, solidariedade e fraternidade.

 

Comunidades Salesianas Inseridas

As Filhas de Maria Auxiliadora iniciaram o trabalho em Comunidades Inseridas em 1972, quando o Instituto das FMA completou 100 anos. Animadas pelo lema “Aos 100 anos é preciso nascer de novo”, as Inspetorias foram incentivadas a fortalecer a ação social junto aos meios populares.

A proposta de inserção se espalhou por todas as Inspetorias FMA do Brasil, guardando como traço comum o fato de que é sempre realizada por uma Comunidade de Irmãs. Ou seja: não é uma missão individual, mas sim a inserção de um grupo de FMA que assume diversas funções junto à Igreja local, de acordo com as necessidades apresentadas. Há uma grande diversidade também no tipo de atividades realizadas em cada Inspetoria.

O trabalho das FMA em Comunidades Inseridas em regiões carentes nos Estados de São Paulo e Rio de Janeiro foi tema do documentário La forza della vita, produzido em 2014, realização italiana “Misione Don Bosco”. Com um pouco mais de 30 minutos, o curta-metragem exibe os depoimentos das jovens Aloà, Monique e Viviane, que graças à proximidade e ajuda concreta das FMA conseguem superar as dificuldades e construir um futuro melhor. O filme (em italiano) pode ser visto no canal Youtube CGFMANET.

Rate this item
(0 votes)
Last modified on Wednesday, 23 March 2016 00:32

Leave a comment

Make sure you enter all the required information, indicated by an asterisk (*). HTML code is not allowed.