Hospital Nossa Senhora Auxiliadora: Na linha de frente

Tuesday, 28 April 2020 15:47 Written by  Da redação
Em entrevista ao Boletim Salesiano, Daniela Mekaru, gerente de Qualidade e Captação de Recursos do Hospital Nossa Senhora Auxiliadora, fala sobre as ações para combater a pandemia da Covid-19.  


Em meio à pandemia do coronavírus, em abril, o Hospital Nossa Senhora Auxiliadora (HNSA) de Três Lagoas, MS, implantou uma série de ações para atender os pacientes infectados ou suspeitos de infecção pela COVID-19, além da capacitação para os profissionais que atuam no atendimento aos doentes. O Hospital, que completou 100 anos em 2019, está sob a gestão das Filhas de Maria Auxiliadora e realiza cerca de 90% de seu atendimento gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Entrevistamos Daniela Mekaru, gerente de Qualidade e Captação de Recursos do HNSA, para falar mais sobre as ações do hospital e as principais dificuldades enfrentadas.

 

Como está sendo o atendimento aos pacientes com COVID-19?

Daniela Mekaru – HNSA - Para o enfrentamento da pandemia COVID-19, o Hospital Auxiliadora adaptou a Ferramenta de Avaliação e Preparação Hospitalar elaborada pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA, como apoio para organização do HNSA nesta pandemia. O objetivo foi sistematizar os pilares do funcionamento para atender aos casos de COVID-19, desenvolvendo conhecimento junto às diversas áreas técnicas e estruturar fisicamente os locais para o atendimento dos casos desta nova doença. Nesse sentido, foi fundamental criar um ambiente colaborativo, desenvolvendo profissionais de saúde capacitados, criativos e engajados em salvar vidas.

 

Quantos profissionais atuam no atendimento aos pacientes?

Daniela Mekaru – HNSA - Todos os setores atuam com atividades relacionadas ao atendimento COVID-19, seja ela assistencial, de apoio ou administrativa. É uma doença que acomete todo o sistema hospitalar, desde a linha de frente até o recolhimento dos resíduos, por exemplo. Só na assistência são mais de 200 profissionais ligados diretamente aos pacientes.  

 

Como está sendo a capacitação desses profissionais?

Daniela Mekaru – HNSA - A capacitação é um dos pilares para o bom atendimento. Quanto maior o domínio do conhecimento e das melhores práticas, maior a segurança no lidar do dia a dia com uma doença em plena pandemia. A capacitação requer o envolvimento de pessoas determinadas em obter conhecimentos e inovações. Dentre médicos, enfermeiros e fisioterapeutas, temos profissionais fundamentais que não medem esforços nos treinamentos diários para que as melhores técnicas aplicadas salvem vidas no momento certo.

 

Quantos pacientes COVID-19 o hospital recebeu até o momento (16/04/2020)?

Daniela Mekaru – HNSA - Cabe ressaltar que todos os casos com sintomas gripais são tratados como suspeitos, recebendo a conduta de acordo com o estado clínico. Os pacientes “respiratórios” recebem local e procedimentos diferenciados desde a porta de entrada, devido à alta transmissibilidade da doença COVID-19. No período de 27 de março a 16 de abril, foram 1.740 atendimentos respiratórios no Pronto Socorro e Pronto Atendimento.

Em relação aos casos em que houve indicação de exames para a análise de detecção de SARS-CoV-2, vírus que provoca a doença COVID-19, dos 37 casos de pacientes suspeitos, sete foram confirmados para COVID-19 e dois evoluíram para óbitos. Quanto aos profissionais do HNSA, foram 15 casos suspeitos, dos quais quatro confirmados positivos para COVID-19 e seguem em isolamento domiciliar.

 

Quais são as principais dificuldades que vocês têm enfrentado em meio à pandemia?

Daniela Mekaru – HNSA - As dificuldades são várias: falta ou superfaturamento mundial de Equipamentos de Proteção Individual – EPI; déficit de equipamentos essenciais, comoventiladores mecânicos; recursos financeiros insuficientes para tantas demandasenecessidade de aplicação e aprendizado de novas práticas para prevenção e tratamento, mesmo que em fase experimental.

 

Para fazer doações para o Hospital Nossa Senhora Auxiliadora e ajudar a instituição no combate à Covid-19, entre em contato pelos números:

 

 (67) 2105-3572 e Whatsapp (67) 67 99206-2604.

Rate this item
(0 votes)
Last modified on Tuesday, 28 April 2020 23:19

Leave a comment

Make sure you enter all the required information, indicated by an asterisk (*). HTML code is not allowed.


Hospital Nossa Senhora Auxiliadora: Na linha de frente

Tuesday, 28 April 2020 15:47 Written by  Da redação
Em entrevista ao Boletim Salesiano, Daniela Mekaru, gerente de Qualidade e Captação de Recursos do Hospital Nossa Senhora Auxiliadora, fala sobre as ações para combater a pandemia da Covid-19.  


Em meio à pandemia do coronavírus, em abril, o Hospital Nossa Senhora Auxiliadora (HNSA) de Três Lagoas, MS, implantou uma série de ações para atender os pacientes infectados ou suspeitos de infecção pela COVID-19, além da capacitação para os profissionais que atuam no atendimento aos doentes. O Hospital, que completou 100 anos em 2019, está sob a gestão das Filhas de Maria Auxiliadora e realiza cerca de 90% de seu atendimento gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Entrevistamos Daniela Mekaru, gerente de Qualidade e Captação de Recursos do HNSA, para falar mais sobre as ações do hospital e as principais dificuldades enfrentadas.

 

Como está sendo o atendimento aos pacientes com COVID-19?

Daniela Mekaru – HNSA - Para o enfrentamento da pandemia COVID-19, o Hospital Auxiliadora adaptou a Ferramenta de Avaliação e Preparação Hospitalar elaborada pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA, como apoio para organização do HNSA nesta pandemia. O objetivo foi sistematizar os pilares do funcionamento para atender aos casos de COVID-19, desenvolvendo conhecimento junto às diversas áreas técnicas e estruturar fisicamente os locais para o atendimento dos casos desta nova doença. Nesse sentido, foi fundamental criar um ambiente colaborativo, desenvolvendo profissionais de saúde capacitados, criativos e engajados em salvar vidas.

 

Quantos profissionais atuam no atendimento aos pacientes?

Daniela Mekaru – HNSA - Todos os setores atuam com atividades relacionadas ao atendimento COVID-19, seja ela assistencial, de apoio ou administrativa. É uma doença que acomete todo o sistema hospitalar, desde a linha de frente até o recolhimento dos resíduos, por exemplo. Só na assistência são mais de 200 profissionais ligados diretamente aos pacientes.  

 

Como está sendo a capacitação desses profissionais?

Daniela Mekaru – HNSA - A capacitação é um dos pilares para o bom atendimento. Quanto maior o domínio do conhecimento e das melhores práticas, maior a segurança no lidar do dia a dia com uma doença em plena pandemia. A capacitação requer o envolvimento de pessoas determinadas em obter conhecimentos e inovações. Dentre médicos, enfermeiros e fisioterapeutas, temos profissionais fundamentais que não medem esforços nos treinamentos diários para que as melhores técnicas aplicadas salvem vidas no momento certo.

 

Quantos pacientes COVID-19 o hospital recebeu até o momento (16/04/2020)?

Daniela Mekaru – HNSA - Cabe ressaltar que todos os casos com sintomas gripais são tratados como suspeitos, recebendo a conduta de acordo com o estado clínico. Os pacientes “respiratórios” recebem local e procedimentos diferenciados desde a porta de entrada, devido à alta transmissibilidade da doença COVID-19. No período de 27 de março a 16 de abril, foram 1.740 atendimentos respiratórios no Pronto Socorro e Pronto Atendimento.

Em relação aos casos em que houve indicação de exames para a análise de detecção de SARS-CoV-2, vírus que provoca a doença COVID-19, dos 37 casos de pacientes suspeitos, sete foram confirmados para COVID-19 e dois evoluíram para óbitos. Quanto aos profissionais do HNSA, foram 15 casos suspeitos, dos quais quatro confirmados positivos para COVID-19 e seguem em isolamento domiciliar.

 

Quais são as principais dificuldades que vocês têm enfrentado em meio à pandemia?

Daniela Mekaru – HNSA - As dificuldades são várias: falta ou superfaturamento mundial de Equipamentos de Proteção Individual – EPI; déficit de equipamentos essenciais, comoventiladores mecânicos; recursos financeiros insuficientes para tantas demandasenecessidade de aplicação e aprendizado de novas práticas para prevenção e tratamento, mesmo que em fase experimental.

 

Para fazer doações para o Hospital Nossa Senhora Auxiliadora e ajudar a instituição no combate à Covid-19, entre em contato pelos números:

 

 (67) 2105-3572 e Whatsapp (67) 67 99206-2604.

Rate this item
(0 votes)
Last modified on Tuesday, 28 April 2020 23:19

Leave a comment

Make sure you enter all the required information, indicated by an asterisk (*). HTML code is not allowed.