Educomunicação: Publicação de irmã salesiana destaca a “Cultura do Encontro”

Segunda, 28 Janeiro 2019 11:04 Escrito por  Marcia Fonseca e P. Magnus Petry
A editora Edebê lança neste mês a versão digital do livro “Navegando em um novo continente da Educação-Comunicação: Educação para uma cultura do encontro”, da Ir. Rosa Mollo Freytas, FMA. O tema é assunto de especialistas da área da educomunicação e presente em mensagens do Papa Francisco.  

Traduzida do espanhol para o português, a obra incentiva a formação de agentes educomunicantes na diversidade dos campos comunicacionais, educativos e evangelizadores. O termo “cultura do encontro” se faz presente nas pesquisas sobre Educomunicação. Esses estudos, segundo a Associação Brasileira de Pesquisadores e Profissionais em Educomunicação (ABPEducom), começaram a ser discutidos a partir dos anos 60 em ações do movimento social em toda a América Latina.

 

De acordo com Ir. Rosa, doutora em ciências da educação, o coração da educomunicação é o diálogo que garante a qualidade do encontro. Além disso, ela disse também que os processos comunicativos promovem uma melhor qualidade de vida. “A educomunicação valoriza os processos comunicativos que privilegiam o diálogo e a escuta para as tomadas de decisões. Buscam uma liderança cidadã com identidade que prioriza a pessoa”, disse Ir. Rosa.

 

Em uma de suas meditações sobre o Evangelho de Lucas 7, 11-17, publicado no site do Vaticano, Papa Francisco reflete sobre a cultura do encontro e ressalta que hoje as pessoas cruzam- -se, mas não se encontram. “Estamos acostumados com esta indiferença. O encontro é diferente se não olho, se não paro, se não toco, se não falo, não posso realizar um encontro, não posso ajudar a construir uma cultura do encontro”, disse o Papa.

 

Mais recentemente, no seu primeiro discurso na Jornada Mundial da Juventude no Panamá (24/01), o papa se dirigiu aos jovens elogiando o sacrifício que fizeram para estar ali, e chamou-os de verdadeiros mestres e artesãos da cultura do encontro.  “Viemos de culturas e povos distintos, falamos línguas diferentes, vestimos roupas diversas. Cada um dos nossos povos viveu histórias e circunstâncias distintas. Quantas coisas podem diferenciar-nos! Mas nada disso impediu que pudéssemos nos encontrar e sentir-se felizes por estarmos juntos”, completou o pontífice.

 

Para Ir. Helena Corazza, doutora e especialista em Educomunicação pela Universidade de São Paulo (USP), a cultura do encontro trabalha a comunicação pessoal e seus processos comunicacionais. Além disso, empodera a pessoa para que ela seja sujeito e saiba pensar, produzir e conviver. “O lado humano e cidadão que nós descobrimos no exercício da educomunicação é algo transformador”, falou Ir. Helena.

 

CELAM

 

O livro foi apresentado no Celam de Santo Domingo, República Dominicana, em 2015, segundo a autora, como uma proposta que ilumina a estrada a partir da perspectiva educomunicativa na missão que educa e comunica. No Brasil, a versão digital será disponibilizada na loja virtual por meio do site www.loja.edebe.com.br .

 

Texto originalmente publicado no Jornal Síntese, Boletim Informativo do Laboratório de Jornal do Sepac - Ano XIX - n° 72 - São Paulo/SP – Janeiro de 2019.

Avalie este item
(0 votos)
Última modificação em Sexta, 08 Março 2019 14:42

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.


Educomunicação: Publicação de irmã salesiana destaca a “Cultura do Encontro”

Segunda, 28 Janeiro 2019 11:04 Escrito por  Marcia Fonseca e P. Magnus Petry
A editora Edebê lança neste mês a versão digital do livro “Navegando em um novo continente da Educação-Comunicação: Educação para uma cultura do encontro”, da Ir. Rosa Mollo Freytas, FMA. O tema é assunto de especialistas da área da educomunicação e presente em mensagens do Papa Francisco.  

Traduzida do espanhol para o português, a obra incentiva a formação de agentes educomunicantes na diversidade dos campos comunicacionais, educativos e evangelizadores. O termo “cultura do encontro” se faz presente nas pesquisas sobre Educomunicação. Esses estudos, segundo a Associação Brasileira de Pesquisadores e Profissionais em Educomunicação (ABPEducom), começaram a ser discutidos a partir dos anos 60 em ações do movimento social em toda a América Latina.

 

De acordo com Ir. Rosa, doutora em ciências da educação, o coração da educomunicação é o diálogo que garante a qualidade do encontro. Além disso, ela disse também que os processos comunicativos promovem uma melhor qualidade de vida. “A educomunicação valoriza os processos comunicativos que privilegiam o diálogo e a escuta para as tomadas de decisões. Buscam uma liderança cidadã com identidade que prioriza a pessoa”, disse Ir. Rosa.

 

Em uma de suas meditações sobre o Evangelho de Lucas 7, 11-17, publicado no site do Vaticano, Papa Francisco reflete sobre a cultura do encontro e ressalta que hoje as pessoas cruzam- -se, mas não se encontram. “Estamos acostumados com esta indiferença. O encontro é diferente se não olho, se não paro, se não toco, se não falo, não posso realizar um encontro, não posso ajudar a construir uma cultura do encontro”, disse o Papa.

 

Mais recentemente, no seu primeiro discurso na Jornada Mundial da Juventude no Panamá (24/01), o papa se dirigiu aos jovens elogiando o sacrifício que fizeram para estar ali, e chamou-os de verdadeiros mestres e artesãos da cultura do encontro.  “Viemos de culturas e povos distintos, falamos línguas diferentes, vestimos roupas diversas. Cada um dos nossos povos viveu histórias e circunstâncias distintas. Quantas coisas podem diferenciar-nos! Mas nada disso impediu que pudéssemos nos encontrar e sentir-se felizes por estarmos juntos”, completou o pontífice.

 

Para Ir. Helena Corazza, doutora e especialista em Educomunicação pela Universidade de São Paulo (USP), a cultura do encontro trabalha a comunicação pessoal e seus processos comunicacionais. Além disso, empodera a pessoa para que ela seja sujeito e saiba pensar, produzir e conviver. “O lado humano e cidadão que nós descobrimos no exercício da educomunicação é algo transformador”, falou Ir. Helena.

 

CELAM

 

O livro foi apresentado no Celam de Santo Domingo, República Dominicana, em 2015, segundo a autora, como uma proposta que ilumina a estrada a partir da perspectiva educomunicativa na missão que educa e comunica. No Brasil, a versão digital será disponibilizada na loja virtual por meio do site www.loja.edebe.com.br .

 

Texto originalmente publicado no Jornal Síntese, Boletim Informativo do Laboratório de Jornal do Sepac - Ano XIX - n° 72 - São Paulo/SP – Janeiro de 2019.

Avalie este item
(0 votos)
Última modificação em Sexta, 08 Março 2019 14:42

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.