Dom Bosco conta: Muitas vezes fui instado...

Monday, 02 September 2013 15:55 Written by 
Todos os meses, o reitor-mor escreve aos leitores do Boletim Salesiano um artigo para leitura e reflexão. No artigo de setembro, ele escreve como se fosse Dom Bosco, em primeira pessoa, e conta: “Fui instado muitas vezes a expressar o meu pensamento sobre o chamado Sistema Preventivo, que se costuma praticar em nossas casas”.   Nossa Congregação, aprovada pela Igreja há poucos anos, estava se desenvolvendo como a semente de mostarda de que fala Jesus. Já se dera a primeira expedição missionária em 1875, e se estavam preparando outras. Em novembro de 1875, dois padres iniciaram em Nice uma atividade educativa com o oratório e um internato para aprendizes e estudantes: o Patronato de São Pedro. Os franceses exigiam uma reflexão orgânica sobre as linhas mestras do meu sistema educativo. Saíram nove pequenas páginas de um “esboço”, um canto de amor e de confiança nos jovens. Era a minha profissão de fé no valor da educação. Era o que eu aprendera de minha mãe e bebera no contato com o ambiente agrícola dos Becchi. Valores que trazia em meu coração há mais de 30 anos e que eram o específico do meu apostolado.  

Nasce o “Pequeno Tratado sobre o Sistema Preventivo”

O texto agradou porque aproximava-me do universo juvenil, como costumava fazer entre os jovens trabalhadores de Porta Palácio, nas prisões de Turim ou nos pátios empoeirados de Valdocco. Sentia-me solidário com os jovens e com os olhos postos no futuro. Queria-os felizes “no tempo e na eternidade”. Recomendava aos meus salesianos: “É preciso procurar conhecer os novos tempos e nos adaptar a eles”. Maleabilidade pedagógica e fidelidade granítica ao mesmo tempo! Quando insistia nisso, certamente não pretendia exigir que me copiassem. Não copiar, mas reviver! A fidelidade à nossa missão sobre a qual tanto insistia significava ir além do que eu tinha realizado como fundador, significava traduzi-la no presente sem nada atraiçoar.

 

Três colunas de sustentação

Ponto de partida e de referência certa era a razão. Dialogava com os jovens. Escutava-os de boa vontade e com interesse sincero. Meu método educativo era o da verdadeira liberdade. Estava convencido de que só pode existir educação onde houver liberdade e respeito à pessoa. E sugeria: “Dê-se ampla liberdade de pular, correr, gritar. A ginástica, a música, o teatrinho, as excursões são meios eficacíssimos para obter a disciplina”. Voluntariamente deixava escapar-me uma confidência de valor incalculável: “Há cerca de 40 anos trato com a juventude e não me recordo de ter usado qualquer castigo”.

O Sistema Preventivo oferecia a visão de um humanismo integral no qual o jovem era compreendido em sua totalidade. A religião era a segunda coluna do meu sistema educativo. Minha relação com Deus era a de um filho. Era um padre enamorado pela Eucaristia e paterno na escuta das confissões dos meus jovens. Em meus contatos com eles procurava formar “bons cristãos e honestos cidadãos”.

Com a palavra ‘religião’ não entendia um exercício de piedade desligado da vida, mas a expressão de uma fé encarnada no cotidiano. Religião era fazer de cada jovem “uma bela roupa para o Senhor”, como acontecera com Domingos Sávio. E assim o Sistema Preventivo se transformava na pedagogia da santidade juvenil.

Não fui eu a inventar este método educativo. Vários santos e santas e muitos sábios educadores contribuíram para ele. Fora enriquecido por muitos sem que ninguém pudesse vangloriar-se da sua paternidade. Dito isto, por amor da verdade, ainda devo acrescentar que também eu deixei a minha marca específica.

O terceiro eixo básico do Sistema Preventivo foi transmitido aos meus salesianos como um distintivo específico: a amorevolezza. Uma palavra que não inventei, mas que fiz minha. Nesta palavra eu encerrava um estilo de amor que identificava o educador com os jovens a ponto de amar as mesmas coisas que eles. Aí estava todo o amor que eu recebera de minha santa mãe, aí jorrava o espírito de família pelo qual as obras que surgiam eram chamadas de ‘casas’. Um amor que transformava os educadores em “pais amorosos”.

Quando me entretinha com meus garotos ou lhes escrevia, eu usava a expressão “meus queridos filhos”. No dialeto piemontês do qual me servia para fazer-me entender melhor, o termo ‘filhos’ não se referia apenas a um dado biológico e nem sequer traduzia apenas o sinônimo “jovens”, mas incluía um sentido de paternidade espiritual, aquela da qual podia vangloriar-se o apóstolo Paulo (Gl 4,19) e que eu traduzia praticamente em pão material, cuidados físicos, alimento intelectual, apoio moral e religioso. Quando falava de amor, referia-me a uma presença educativa. A autoridade tornava-se serviço, a experiência se transformava em lição de vida e o amor se transformava em dom.

A misteriosa frase dita pela senhora de aspecto majestoso: “A seu tempo, tudo compreenderás” começava a adquirir um sentido mais profundo. A prova estava sob os meus olhos: os meus filhos espirituais, aqueles garotos que um dia eu acolhera e amara em Valdocco estavam no campo de trabalho, à frente de prestigiosas tipografias, diretores de escolas renomadas, missionários intrépidos na Argentina. Podia afirmar com clareza: “A Congregação nada tem a temer”.

Com a graça de nosso Senhor e a assistência materna da Auxiliadora, triunfavam a pedagogia do amor, a fantasia da caridade, e a minha herança dilatava-se em todas as latitudes do mundo: Da mihi animas!

Rate this item
(0 votes)

Leave a comment

Make sure you enter all the required information, indicated by an asterisk (*). HTML code is not allowed.


Dom Bosco conta: Muitas vezes fui instado...

Monday, 02 September 2013 15:55 Written by 
Todos os meses, o reitor-mor escreve aos leitores do Boletim Salesiano um artigo para leitura e reflexão. No artigo de setembro, ele escreve como se fosse Dom Bosco, em primeira pessoa, e conta: “Fui instado muitas vezes a expressar o meu pensamento sobre o chamado Sistema Preventivo, que se costuma praticar em nossas casas”.   Nossa Congregação, aprovada pela Igreja há poucos anos, estava se desenvolvendo como a semente de mostarda de que fala Jesus. Já se dera a primeira expedição missionária em 1875, e se estavam preparando outras. Em novembro de 1875, dois padres iniciaram em Nice uma atividade educativa com o oratório e um internato para aprendizes e estudantes: o Patronato de São Pedro. Os franceses exigiam uma reflexão orgânica sobre as linhas mestras do meu sistema educativo. Saíram nove pequenas páginas de um “esboço”, um canto de amor e de confiança nos jovens. Era a minha profissão de fé no valor da educação. Era o que eu aprendera de minha mãe e bebera no contato com o ambiente agrícola dos Becchi. Valores que trazia em meu coração há mais de 30 anos e que eram o específico do meu apostolado.  

Nasce o “Pequeno Tratado sobre o Sistema Preventivo”

O texto agradou porque aproximava-me do universo juvenil, como costumava fazer entre os jovens trabalhadores de Porta Palácio, nas prisões de Turim ou nos pátios empoeirados de Valdocco. Sentia-me solidário com os jovens e com os olhos postos no futuro. Queria-os felizes “no tempo e na eternidade”. Recomendava aos meus salesianos: “É preciso procurar conhecer os novos tempos e nos adaptar a eles”. Maleabilidade pedagógica e fidelidade granítica ao mesmo tempo! Quando insistia nisso, certamente não pretendia exigir que me copiassem. Não copiar, mas reviver! A fidelidade à nossa missão sobre a qual tanto insistia significava ir além do que eu tinha realizado como fundador, significava traduzi-la no presente sem nada atraiçoar.

 

Três colunas de sustentação

Ponto de partida e de referência certa era a razão. Dialogava com os jovens. Escutava-os de boa vontade e com interesse sincero. Meu método educativo era o da verdadeira liberdade. Estava convencido de que só pode existir educação onde houver liberdade e respeito à pessoa. E sugeria: “Dê-se ampla liberdade de pular, correr, gritar. A ginástica, a música, o teatrinho, as excursões são meios eficacíssimos para obter a disciplina”. Voluntariamente deixava escapar-me uma confidência de valor incalculável: “Há cerca de 40 anos trato com a juventude e não me recordo de ter usado qualquer castigo”.

O Sistema Preventivo oferecia a visão de um humanismo integral no qual o jovem era compreendido em sua totalidade. A religião era a segunda coluna do meu sistema educativo. Minha relação com Deus era a de um filho. Era um padre enamorado pela Eucaristia e paterno na escuta das confissões dos meus jovens. Em meus contatos com eles procurava formar “bons cristãos e honestos cidadãos”.

Com a palavra ‘religião’ não entendia um exercício de piedade desligado da vida, mas a expressão de uma fé encarnada no cotidiano. Religião era fazer de cada jovem “uma bela roupa para o Senhor”, como acontecera com Domingos Sávio. E assim o Sistema Preventivo se transformava na pedagogia da santidade juvenil.

Não fui eu a inventar este método educativo. Vários santos e santas e muitos sábios educadores contribuíram para ele. Fora enriquecido por muitos sem que ninguém pudesse vangloriar-se da sua paternidade. Dito isto, por amor da verdade, ainda devo acrescentar que também eu deixei a minha marca específica.

O terceiro eixo básico do Sistema Preventivo foi transmitido aos meus salesianos como um distintivo específico: a amorevolezza. Uma palavra que não inventei, mas que fiz minha. Nesta palavra eu encerrava um estilo de amor que identificava o educador com os jovens a ponto de amar as mesmas coisas que eles. Aí estava todo o amor que eu recebera de minha santa mãe, aí jorrava o espírito de família pelo qual as obras que surgiam eram chamadas de ‘casas’. Um amor que transformava os educadores em “pais amorosos”.

Quando me entretinha com meus garotos ou lhes escrevia, eu usava a expressão “meus queridos filhos”. No dialeto piemontês do qual me servia para fazer-me entender melhor, o termo ‘filhos’ não se referia apenas a um dado biológico e nem sequer traduzia apenas o sinônimo “jovens”, mas incluía um sentido de paternidade espiritual, aquela da qual podia vangloriar-se o apóstolo Paulo (Gl 4,19) e que eu traduzia praticamente em pão material, cuidados físicos, alimento intelectual, apoio moral e religioso. Quando falava de amor, referia-me a uma presença educativa. A autoridade tornava-se serviço, a experiência se transformava em lição de vida e o amor se transformava em dom.

A misteriosa frase dita pela senhora de aspecto majestoso: “A seu tempo, tudo compreenderás” começava a adquirir um sentido mais profundo. A prova estava sob os meus olhos: os meus filhos espirituais, aqueles garotos que um dia eu acolhera e amara em Valdocco estavam no campo de trabalho, à frente de prestigiosas tipografias, diretores de escolas renomadas, missionários intrépidos na Argentina. Podia afirmar com clareza: “A Congregação nada tem a temer”.

Com a graça de nosso Senhor e a assistência materna da Auxiliadora, triunfavam a pedagogia do amor, a fantasia da caridade, e a minha herança dilatava-se em todas as latitudes do mundo: Da mihi animas!

Rate this item
(0 votes)

Leave a comment

Make sure you enter all the required information, indicated by an asterisk (*). HTML code is not allowed.