Estreia 2021: “Eis que faço novas todas as coisas” Featured

Wednesday, 13 January 2021 00:50 Written by  Camila Santos
“Movidos pela esperança: ‘Eis que faço novas todas as coisas’ (Ap 21,5)” é o tema que o Reitor-mor, padre Ángel Fernández Artime, escolheu para a mensagem de sua Estreia para 2021.  

 

Com o tema “Movidos pela esperança: ‘Eis que faço novas todas as coisas’ (Ap 21,5)”, tão pertinente para a atual realidade que vivemos, diante da pandemia do novo coronavírus, o Reitor-mor da Família Salesiana, padre Ángel Fernández Artime, quer transmitir a mensagem de que somos, sem dúvida, movidos pela esperança, e também que sozinhos não conseguiremos superar esta crise. “A nossa mensagem evidencia e enfatiza que, diante da dura e dolorosa realidade com as suas pesadas consequências, continuamos a exprimir a certeza de sermos movidos pela esperança: porque Deus no seu Espírito continua a fazer ‘novas todas as coisas’”, esclarece o Reitor-mor.

 

O modelo de Dom Bosco

No século XIX, o mundo foi assolado pela pandemia do cólera, assim como na atualidade, sofremos a pandemia da Covid-19. É com esse resgate histórico que o Reitor-mor quer nos lembrar que Dom Bosco também foi acometido por uma série de adversidades ao longo de sua vida – inclusive pelo cólera, que chegou à cidade de Turim, na Itália, em 1854, atingindo toda a região em torno do oratório de Valdocco –, mas sempre se pautou pela fé e esperança para superar cada uma delas. “Ele é um mestre ao mostrar-nos que o caminho de fé e esperança não só ilumina, mas dá a força necessária para mudar as condições desfavoráveis ou adversas, ou ao menos limitá-las até onde possível...”, diz o Reitor-mor.

 

Diante da situação do cólera, Dom Bosco pediu a intercessão e proteção de Nossa Senhora e começou, junto com seus alunos, a oferecer assistência aos doentes. “Enquanto havia quem se preocupasse apenas consigo mesmo e com as próprias necessidades, Dom Bosco e os seus jovens, como muitos outros, ‘arregaçaram as mangas’ para ajudar a superar a tragédia”, pontua padre Ángel.

 

As epidemias silenciosas

Padre Angel também afirma que o momento atual que vivemos será útil para refletir sobre outras mazelas que atingem a tantos, como a fome, as guerras e os estilos de vida que enriquecem alguns e empobrecem outros; bem como para nos conscientizarmos da importância da união em prol de um desenvolvimento integral e sustentável. Além disso, ele nos lembra que Deus, mediante o seu Espírito, acompanha a história da humanidade, mesmo nas condições mais adversas e desfavoráveis. “Deus jamais abandona o seu povo; permanece sempre unido a ele, de modo particular quando a dor se faz muito forte: ‘Eis que estou fazendo coisas novas, estão surgindo agora e vós não percebeis’ (Is 43,19)”.

 

Solidariedade, comunhão e esperança

Que contribuição podemos oferecer como Família Salesiana? Que valores evangélicos, lidos em perspectiva salesiana, sentimos que podemos oferecer? De que maneira podemos, como educadores, oferecer a alternativa de uma “educação à esperança”? Esses são alguns questionamentos lançados pelo Reitor-mor diante da atual crise humanitária. A resposta, também apresentada por ele, é uma mudança de visão e a adoção de valores que, na contramão da cultura dominante, estejam baseados na solidariedade, na comunhão e na esperança.

 

Deus nos fala através de muitas pessoas que souberam viver com esperança. Esta é mais uma das afirmações apresentadas pelo Reitor-mor na Estreia 2021. “Em situações-limite Deus continua a nos falar através do coração de pessoas que veem e respondem de modo original e diferente; a santidade salesiana da nossa Família é rica em modelos que souberam viver movidos pela esperança”, afirma padre Ángel, citando em especial os beatos Estêvão Sándor e Madalena Morano.

 

Ninguém se salva sozinho

O X sucessor de Dom Bosco também ressalta que ninguém se salva sozinho, recordando uma citação do Papa Francisco: “Se há uma coisa que podemos aprender em todo este tempo, é que ninguém se salva sozinho. As fronteiras caem, os muros se despedaçam e todos os discursos fundamentalistas se dissolvem diante de uma presença quase imperceptível que manifesta a fragilidade de que somos feitos... É o sopro do Espírito que abre os horizontes, desperta a criatividade e renova-nos na fraternidade para estar presentes (ou para fazer-nos dizer: ‘Eis-me aqui’) diante da enorme e intransferível tarefa que nos espera. É urgente discernir e sentir a moção do Espírito para dar impulso, com outros, às dinâmicas que podem testemunhar e canalizar a vida nova que o Senhor quer gerar neste momento concreto da história”.

 

Por fim, padre Artime pede que nós, Família Salesiana, ofereçamos respostas nestes tempos difíceis – marcados pela pandemia da Covid-19 -, como “sinal de caridade e de esperança”. Entre essas repostas estão: acompanhar os jovens, ao longo de sua caminhada, oferecendo-lhes novas perspectivas a eles; ajudar jovens e adultos a descobrirem a “normalidade da vida” na simplicidade, autenticidade, sobriedade e profundidade; e deixar-se atingir pelas numerosas vozes de esperança dos jovens em tempos difíceis, como o movimento ecológico e a solidariedade pelos necessitados.

 

Exercitando a esperança

Fé, esperança, oração, ação e empenho na vida cotidiana. Estes são alguns tópicos que o Reitor-mor apresenta em sua Estreia como “lugares de aprendizagem e de exercício da esperança”. Ele também nos fala, em sua mensagem, sobre o sofrimento e a dor, presentes em toda a vida humana, como “porta necessária para abrir-se à esperança”. “Em muitas culturas busca-se de todas as formas esconder ou fazer calar o sofrimento e a morte. Contudo, o que permite ao ser humano curar-se não é evitar ou esconder o sofrimento e a dor, mas amadurecer neles e encontrar um sentido na vida quando ele não é imediato nem facilmente visível”. Nesse sentido, padre Artime nos lembra dos pobres e excluídos, que estão no centro da atenção de Deus, e devem ser os destinatários privilegiados da Família Salesiana.

 

Maria, Mãe da esperança

Maria, a Mãe, bem sabe o que significa ter esperança, confiando no nome de Deus. É com esta reflexão sobre Maria que o Reitor-mor encerra a sua mensagem para 2021, lembrando que o sim de Maria a Deus despertou todas as esperanças para a humanidade. “Ela experimentou a impotência e a solidão no nascimento do Filho; conservou no seu coração o anúncio de uma dor que haveria de lhe transpassar o coração (cf. Lc 2,35)” [...] “Conheceu a hostilidade e a rejeição em relação ao Filho até que, aos pés da sua cruz no Gólgota, compreendeu que a Esperança não seria morta. Por isso, permaneceu com os discípulos como mãe – ‘Mulher, eis o teu filho’ (Jo 19,26) – como Mãe da Esperança”, conclui o Reitor-mor.

 

O que é a Estreia

A Estreia é uma mensagem que o Reitor-mor divulga a cada ano para motivar e nortear as ações e o trabalho pastoral de toda a Família Salesiana. Esse conteúdo é publicado em vários idiomas para alcançar todos aqueles ligados ao carisma salesiano. Trata-se de uma tradição iniciada por Dom Bosco, que se mantém viva ainda hoje através de seus sucessores.

 

Segundo consta nas Memórias Biográficas de São João Bosco, as primeiras mensagens, como forma de Estreia, surgiram ainda na década de 1850. Naquela época, Dom Bosco costumava, no final de cada ano, entregar aos jovens do Oratório em Valdocco, na Itália, algumas diretrizes para o ano que estava para começar.

 

Seguindo esta tradição, no final de cada ano o Reitor-mor – o sucessor de Dom Bosco – apresenta um lema para guiar a Família Salesiana. O Reitor-mor sempre entrega o primeiro texto da Estreia à Madre-geral das Filhas de Maria Auxiliadora (FMA). Depois, a mensagem é propagada para todas as casas dos Salesianos, das FMA e de outros ramos da Família Salesiana.

 

Leia também:

Editorial: Esperanças

Publicado o comentário oficial do Reitor-mor à Estreia 2021

Jornada de Espiritualidade da Família Salesiana 2021

 

Rate this item
(0 votes)
Last modified on Wednesday, 13 January 2021 00:59

Leave a comment

Make sure you enter all the required information, indicated by an asterisk (*). HTML code is not allowed.


Estreia 2021: “Eis que faço novas todas as coisas” Featured

Wednesday, 13 January 2021 00:50 Written by  Camila Santos
“Movidos pela esperança: ‘Eis que faço novas todas as coisas’ (Ap 21,5)” é o tema que o Reitor-mor, padre Ángel Fernández Artime, escolheu para a mensagem de sua Estreia para 2021.  

 

Com o tema “Movidos pela esperança: ‘Eis que faço novas todas as coisas’ (Ap 21,5)”, tão pertinente para a atual realidade que vivemos, diante da pandemia do novo coronavírus, o Reitor-mor da Família Salesiana, padre Ángel Fernández Artime, quer transmitir a mensagem de que somos, sem dúvida, movidos pela esperança, e também que sozinhos não conseguiremos superar esta crise. “A nossa mensagem evidencia e enfatiza que, diante da dura e dolorosa realidade com as suas pesadas consequências, continuamos a exprimir a certeza de sermos movidos pela esperança: porque Deus no seu Espírito continua a fazer ‘novas todas as coisas’”, esclarece o Reitor-mor.

 

O modelo de Dom Bosco

No século XIX, o mundo foi assolado pela pandemia do cólera, assim como na atualidade, sofremos a pandemia da Covid-19. É com esse resgate histórico que o Reitor-mor quer nos lembrar que Dom Bosco também foi acometido por uma série de adversidades ao longo de sua vida – inclusive pelo cólera, que chegou à cidade de Turim, na Itália, em 1854, atingindo toda a região em torno do oratório de Valdocco –, mas sempre se pautou pela fé e esperança para superar cada uma delas. “Ele é um mestre ao mostrar-nos que o caminho de fé e esperança não só ilumina, mas dá a força necessária para mudar as condições desfavoráveis ou adversas, ou ao menos limitá-las até onde possível...”, diz o Reitor-mor.

 

Diante da situação do cólera, Dom Bosco pediu a intercessão e proteção de Nossa Senhora e começou, junto com seus alunos, a oferecer assistência aos doentes. “Enquanto havia quem se preocupasse apenas consigo mesmo e com as próprias necessidades, Dom Bosco e os seus jovens, como muitos outros, ‘arregaçaram as mangas’ para ajudar a superar a tragédia”, pontua padre Ángel.

 

As epidemias silenciosas

Padre Angel também afirma que o momento atual que vivemos será útil para refletir sobre outras mazelas que atingem a tantos, como a fome, as guerras e os estilos de vida que enriquecem alguns e empobrecem outros; bem como para nos conscientizarmos da importância da união em prol de um desenvolvimento integral e sustentável. Além disso, ele nos lembra que Deus, mediante o seu Espírito, acompanha a história da humanidade, mesmo nas condições mais adversas e desfavoráveis. “Deus jamais abandona o seu povo; permanece sempre unido a ele, de modo particular quando a dor se faz muito forte: ‘Eis que estou fazendo coisas novas, estão surgindo agora e vós não percebeis’ (Is 43,19)”.

 

Solidariedade, comunhão e esperança

Que contribuição podemos oferecer como Família Salesiana? Que valores evangélicos, lidos em perspectiva salesiana, sentimos que podemos oferecer? De que maneira podemos, como educadores, oferecer a alternativa de uma “educação à esperança”? Esses são alguns questionamentos lançados pelo Reitor-mor diante da atual crise humanitária. A resposta, também apresentada por ele, é uma mudança de visão e a adoção de valores que, na contramão da cultura dominante, estejam baseados na solidariedade, na comunhão e na esperança.

 

Deus nos fala através de muitas pessoas que souberam viver com esperança. Esta é mais uma das afirmações apresentadas pelo Reitor-mor na Estreia 2021. “Em situações-limite Deus continua a nos falar através do coração de pessoas que veem e respondem de modo original e diferente; a santidade salesiana da nossa Família é rica em modelos que souberam viver movidos pela esperança”, afirma padre Ángel, citando em especial os beatos Estêvão Sándor e Madalena Morano.

 

Ninguém se salva sozinho

O X sucessor de Dom Bosco também ressalta que ninguém se salva sozinho, recordando uma citação do Papa Francisco: “Se há uma coisa que podemos aprender em todo este tempo, é que ninguém se salva sozinho. As fronteiras caem, os muros se despedaçam e todos os discursos fundamentalistas se dissolvem diante de uma presença quase imperceptível que manifesta a fragilidade de que somos feitos... É o sopro do Espírito que abre os horizontes, desperta a criatividade e renova-nos na fraternidade para estar presentes (ou para fazer-nos dizer: ‘Eis-me aqui’) diante da enorme e intransferível tarefa que nos espera. É urgente discernir e sentir a moção do Espírito para dar impulso, com outros, às dinâmicas que podem testemunhar e canalizar a vida nova que o Senhor quer gerar neste momento concreto da história”.

 

Por fim, padre Artime pede que nós, Família Salesiana, ofereçamos respostas nestes tempos difíceis – marcados pela pandemia da Covid-19 -, como “sinal de caridade e de esperança”. Entre essas repostas estão: acompanhar os jovens, ao longo de sua caminhada, oferecendo-lhes novas perspectivas a eles; ajudar jovens e adultos a descobrirem a “normalidade da vida” na simplicidade, autenticidade, sobriedade e profundidade; e deixar-se atingir pelas numerosas vozes de esperança dos jovens em tempos difíceis, como o movimento ecológico e a solidariedade pelos necessitados.

 

Exercitando a esperança

Fé, esperança, oração, ação e empenho na vida cotidiana. Estes são alguns tópicos que o Reitor-mor apresenta em sua Estreia como “lugares de aprendizagem e de exercício da esperança”. Ele também nos fala, em sua mensagem, sobre o sofrimento e a dor, presentes em toda a vida humana, como “porta necessária para abrir-se à esperança”. “Em muitas culturas busca-se de todas as formas esconder ou fazer calar o sofrimento e a morte. Contudo, o que permite ao ser humano curar-se não é evitar ou esconder o sofrimento e a dor, mas amadurecer neles e encontrar um sentido na vida quando ele não é imediato nem facilmente visível”. Nesse sentido, padre Artime nos lembra dos pobres e excluídos, que estão no centro da atenção de Deus, e devem ser os destinatários privilegiados da Família Salesiana.

 

Maria, Mãe da esperança

Maria, a Mãe, bem sabe o que significa ter esperança, confiando no nome de Deus. É com esta reflexão sobre Maria que o Reitor-mor encerra a sua mensagem para 2021, lembrando que o sim de Maria a Deus despertou todas as esperanças para a humanidade. “Ela experimentou a impotência e a solidão no nascimento do Filho; conservou no seu coração o anúncio de uma dor que haveria de lhe transpassar o coração (cf. Lc 2,35)” [...] “Conheceu a hostilidade e a rejeição em relação ao Filho até que, aos pés da sua cruz no Gólgota, compreendeu que a Esperança não seria morta. Por isso, permaneceu com os discípulos como mãe – ‘Mulher, eis o teu filho’ (Jo 19,26) – como Mãe da Esperança”, conclui o Reitor-mor.

 

O que é a Estreia

A Estreia é uma mensagem que o Reitor-mor divulga a cada ano para motivar e nortear as ações e o trabalho pastoral de toda a Família Salesiana. Esse conteúdo é publicado em vários idiomas para alcançar todos aqueles ligados ao carisma salesiano. Trata-se de uma tradição iniciada por Dom Bosco, que se mantém viva ainda hoje através de seus sucessores.

 

Segundo consta nas Memórias Biográficas de São João Bosco, as primeiras mensagens, como forma de Estreia, surgiram ainda na década de 1850. Naquela época, Dom Bosco costumava, no final de cada ano, entregar aos jovens do Oratório em Valdocco, na Itália, algumas diretrizes para o ano que estava para começar.

 

Seguindo esta tradição, no final de cada ano o Reitor-mor – o sucessor de Dom Bosco – apresenta um lema para guiar a Família Salesiana. O Reitor-mor sempre entrega o primeiro texto da Estreia à Madre-geral das Filhas de Maria Auxiliadora (FMA). Depois, a mensagem é propagada para todas as casas dos Salesianos, das FMA e de outros ramos da Família Salesiana.

 

Leia também:

Editorial: Esperanças

Publicado o comentário oficial do Reitor-mor à Estreia 2021

Jornada de Espiritualidade da Família Salesiana 2021

 

Rate this item
(0 votes)
Last modified on Wednesday, 13 January 2021 00:59

Leave a comment

Make sure you enter all the required information, indicated by an asterisk (*). HTML code is not allowed.