Papa envia mensagem pelo 57º Dia Mundial de Oração pelas Vocações

Wednesday, 25 March 2020 11:39 Written by  Canção Nova com Boletim da Santa Sé
No dia 3 de maio deste ano, quarto domingo de Páscoa, será comemorado o 57º Dia Mundial de Oração pelas Vocações, com o tema: As palavras da vocação.  

 

O boletim da Santa Sé publicou, nesta terça-feira, 24, a mensagem do Papa Francisco para a ocasião, voltada aos bispos, sacerdotes, pessoas consagradas e fiéis de todo o mundo.

 

O Papa iniciou sua mensagem lembrando que em 2019, no 160º aniversário da morte de São Cura d’Ars, dedicou uma carta aos sacerdotes, que todos os dias, obedecendo ao chamado de Deus, gastam a vida no serviço ao povo. Na ocasião, o Papa levantou quatro palavras-chave, que considera importante também agora: tribulação, gratidão, coragem e louvor.

 

A mensagem tem como pano de fundo o texto evangélico da Tempestade acalmada (cf. Mt 14, 22-33).

 

O Papa lembrou que a vida do cristão é como um barco que está sempre em busca de um lugar para atracar, pronto a desafiar os perigos do mar, mas desejoso de receber do timoneiro a orientação para estar na rota certa.

 

“Às vezes, porém, é possível perder-se, deixar-se cegar pelas ilusões em vez de seguir o farol luminoso que o conduz ao porto seguro, ou ser desafiado pelos ventos contrários das dificuldades, dúvidas e medos. Assim acontece também no coração dos discípulos, que, chamados a seguir o Mestre de Nazaré, têm de se decidir a passar à outra margem, optando corajosamente por abandonar as próprias seguranças e seguir os passos do Senhor. Esta aventura não é tranquila: cai a noite, sopra o vento contrário, o barco é sacudido pelas ondas, e há o risco de sobrepor-se o medo de falhar e não estar à altura da vocação”, diz o Papa.

 

O Pontífice lembrou que, na aventura desta travessia, não se está sozinho:

 

“Navegar pela rota certa não é uma tarefa confiada só aos nossos esforços, nem depende apenas dos percursos que escolhemos fazer. A realização de nós mesmos e dos nossos projetos de vida não é o resultado matemático do que decidimos dentro do nosso «eu» isolado; pelo contrário, trata-se, antes de mais nada, da resposta a uma chamada que nos chega do Alto. É o Senhor que nos indica a margem para onde ir e, ainda antes disso, dá-nos a coragem de subir para o barco; e Ele, ao mesmo tempo que nos chama, faz-Se também nosso timoneiro para nos acompanhar, mostrar a direção, impedir de encalhar nas rochas da indecisão e tornar-nos capazes até de caminhar sobre as águas tumultuosas.”

 

Francisco lembrou o medo que os discípulos sentiram ao ver Jesus se aproximar, e as palavras do Mestre que diziam: Coragem! O medo e tudo o que impede o cristão de caminhar na vontade de Deus paralisam.

 

“O Senhor sabe que uma opção fundamental de vida – como casar-se ou consagrar-se de forma especial ao seu serviço – exige coragem. Ele conhece os interrogativos, as dúvidas e as dificuldades que agitam o barco do nosso coração e, por isso, nos tranquiliza: ‘Não tenhas medo! Eu estou contigo’. A fé na presença d’Ele que vem ao nosso encontro e nos acompanha mesmo quando o mar está revolto.”

 

Perseverança

 

O Papa também falou da tribulação na vocação, e recordou a questão da fadiga:

 

“Toda a vocação requer empenho. O Senhor chama-nos, porque nos quer tornar, como Pedro, capazes de ‘caminhar sobre as águas’, isto é, pegar a nossa vida para a colocar ao serviço do Evangelho, nas formas concretas que Ele nos indica cada dia e, de modo especial, nas diferentes formas de vocação laical, presbiteral e de vida consagrada”.

 

À semelhança do Apóstolo, o cristão sente desejo e ardor e, ao mesmo tempo, fragilidades e temores.

 

“Se nos deixarmos arrastar pelo pensamento das responsabilidades que nos esperam – na vida matrimonial ou no ministério sacerdotal – ou das adversidades que surgirão, bem depressa desviaremos o olhar de Jesus e, como Pedro, arriscamo-nos a afundar. Pelo contrário, a fé permite-nos, apesar das nossas fragilidades e limitações, caminhar ao encontro do Senhor Ressuscitado e vencer as próprias tempestades.”

 

O Papa finalizou sua mensagem lembrando que, quando Jesus sobe para o barco, o vento cessa e as ondas se acalmam.

 

“Coragem, não tenhais medo! Jesus está ao nosso lado e, se O reconhecermos como único Senhor da nossa vida, Ele estende-nos a mão e agarra-nos para nos salvar. E então a nossa vida, mesmo no meio das ondas, abre-se ao louvor.”

 

Fonte: Canção Nova com Boletim da Santa Sé

 

Rate this item
(0 votes)
Last modified on Wednesday, 25 March 2020 11:46

Leave a comment

Make sure you enter all the required information, indicated by an asterisk (*). HTML code is not allowed.


Papa envia mensagem pelo 57º Dia Mundial de Oração pelas Vocações

Wednesday, 25 March 2020 11:39 Written by  Canção Nova com Boletim da Santa Sé
No dia 3 de maio deste ano, quarto domingo de Páscoa, será comemorado o 57º Dia Mundial de Oração pelas Vocações, com o tema: As palavras da vocação.  

 

O boletim da Santa Sé publicou, nesta terça-feira, 24, a mensagem do Papa Francisco para a ocasião, voltada aos bispos, sacerdotes, pessoas consagradas e fiéis de todo o mundo.

 

O Papa iniciou sua mensagem lembrando que em 2019, no 160º aniversário da morte de São Cura d’Ars, dedicou uma carta aos sacerdotes, que todos os dias, obedecendo ao chamado de Deus, gastam a vida no serviço ao povo. Na ocasião, o Papa levantou quatro palavras-chave, que considera importante também agora: tribulação, gratidão, coragem e louvor.

 

A mensagem tem como pano de fundo o texto evangélico da Tempestade acalmada (cf. Mt 14, 22-33).

 

O Papa lembrou que a vida do cristão é como um barco que está sempre em busca de um lugar para atracar, pronto a desafiar os perigos do mar, mas desejoso de receber do timoneiro a orientação para estar na rota certa.

 

“Às vezes, porém, é possível perder-se, deixar-se cegar pelas ilusões em vez de seguir o farol luminoso que o conduz ao porto seguro, ou ser desafiado pelos ventos contrários das dificuldades, dúvidas e medos. Assim acontece também no coração dos discípulos, que, chamados a seguir o Mestre de Nazaré, têm de se decidir a passar à outra margem, optando corajosamente por abandonar as próprias seguranças e seguir os passos do Senhor. Esta aventura não é tranquila: cai a noite, sopra o vento contrário, o barco é sacudido pelas ondas, e há o risco de sobrepor-se o medo de falhar e não estar à altura da vocação”, diz o Papa.

 

O Pontífice lembrou que, na aventura desta travessia, não se está sozinho:

 

“Navegar pela rota certa não é uma tarefa confiada só aos nossos esforços, nem depende apenas dos percursos que escolhemos fazer. A realização de nós mesmos e dos nossos projetos de vida não é o resultado matemático do que decidimos dentro do nosso «eu» isolado; pelo contrário, trata-se, antes de mais nada, da resposta a uma chamada que nos chega do Alto. É o Senhor que nos indica a margem para onde ir e, ainda antes disso, dá-nos a coragem de subir para o barco; e Ele, ao mesmo tempo que nos chama, faz-Se também nosso timoneiro para nos acompanhar, mostrar a direção, impedir de encalhar nas rochas da indecisão e tornar-nos capazes até de caminhar sobre as águas tumultuosas.”

 

Francisco lembrou o medo que os discípulos sentiram ao ver Jesus se aproximar, e as palavras do Mestre que diziam: Coragem! O medo e tudo o que impede o cristão de caminhar na vontade de Deus paralisam.

 

“O Senhor sabe que uma opção fundamental de vida – como casar-se ou consagrar-se de forma especial ao seu serviço – exige coragem. Ele conhece os interrogativos, as dúvidas e as dificuldades que agitam o barco do nosso coração e, por isso, nos tranquiliza: ‘Não tenhas medo! Eu estou contigo’. A fé na presença d’Ele que vem ao nosso encontro e nos acompanha mesmo quando o mar está revolto.”

 

Perseverança

 

O Papa também falou da tribulação na vocação, e recordou a questão da fadiga:

 

“Toda a vocação requer empenho. O Senhor chama-nos, porque nos quer tornar, como Pedro, capazes de ‘caminhar sobre as águas’, isto é, pegar a nossa vida para a colocar ao serviço do Evangelho, nas formas concretas que Ele nos indica cada dia e, de modo especial, nas diferentes formas de vocação laical, presbiteral e de vida consagrada”.

 

À semelhança do Apóstolo, o cristão sente desejo e ardor e, ao mesmo tempo, fragilidades e temores.

 

“Se nos deixarmos arrastar pelo pensamento das responsabilidades que nos esperam – na vida matrimonial ou no ministério sacerdotal – ou das adversidades que surgirão, bem depressa desviaremos o olhar de Jesus e, como Pedro, arriscamo-nos a afundar. Pelo contrário, a fé permite-nos, apesar das nossas fragilidades e limitações, caminhar ao encontro do Senhor Ressuscitado e vencer as próprias tempestades.”

 

O Papa finalizou sua mensagem lembrando que, quando Jesus sobe para o barco, o vento cessa e as ondas se acalmam.

 

“Coragem, não tenhais medo! Jesus está ao nosso lado e, se O reconhecermos como único Senhor da nossa vida, Ele estende-nos a mão e agarra-nos para nos salvar. E então a nossa vida, mesmo no meio das ondas, abre-se ao louvor.”

 

Fonte: Canção Nova com Boletim da Santa Sé

 

Rate this item
(0 votes)
Last modified on Wednesday, 25 March 2020 11:46

Leave a comment

Make sure you enter all the required information, indicated by an asterisk (*). HTML code is not allowed.