O padre salesiano Piero Gavioli, diretor do Centro Dom Bosco Ngangi, enviou informações sobre a atual situação no Norte Kivu, província localizada ao leste da República Democrática do Congo e em Goma. A região mais uma vez é atingida por uma onda de confrontos e violências e o padre salesiano é o atual porta-voz da população. Leia abaixo a íntegra da mensagem enviada por ele sobre a situação no local.   Trata-se, infelizmente, do enésimo episódio de uma triste história que já dura 20 anos. Faz pouco mais de um ano, amotinou-se um grupo de militares rebeldes, que se chamou “M23”. Referia-se de fato aos acordos de 23 de março de 2009 – dali o nome – entre o governo de Kinshasa e a rebelião de Kunda, que durou vários meses. A nova rebelião, guiada por Bosco Ntaganda – procurado pelo tribunal penal de Haia, onde se encontra agora – e apoiada por Ruanda e Uganda, nasceu para reclamar a aplicação – não ocorrida segundo eles – dos acordos de 2009.   Depois de variada série de ataques e retiradas, no fim de novembro de 2012, o M23 ocupou Goma por 10 dias; depois retirou-se a poucos quilômetros mais ao norte e continuou a ocupar militarmente e a explorar economicamente grande parte do Norte Kivu.   Sob pressão internacional, governo e rebeldes se reuniram em Kampala, sem chegar a um acordo. Os países da região dos Grandes Lagos decidiram enviar a Goma uma força de intervenção africana que, operativa provavelmente dentro de três meses, deveria reduzir todos os grupos armados. (Ultimamente foram apontados 27; mas nascem novos todos os dias...).   Segunda-feira, 20 de maio, para impedir ou retardar a missão – hipótese nossa – o M23 desferiu um ataque contra as forças armadas governantes em Kibati, a 12 quilometros ao norte de Goma. Iniciou também o enésimo êxodo de refugiados, sobretudo de mulheres e crianças, buscando um pouco de segurança e chegando também ao Centro Dom Bosco Ngangi.   A noite seguinte foi tranquila. Terça-feira, 21 de maio, repetiram-se os mesmos fatos, mas em Kibati (12 km ao norte) ouvem-se os disparos. Evidentemente não há notícias precisas: cada campo acusa o outro de ser a causa dos tiros do dia precedente e não existem negociações em curso.   No Centro Dom Bosco estamos todos bem e continuamos o nosso trabalho. Perguntaram-nos se podemos acolher refugiados, como fizemos há seis meses. Respondi que em caso de urgência extrema,  podemos fazê-lo. Por ora, estamos a poucas semanas do fim do ano escolar e gostaríamos que os alunos das nossas escolas pudessem terminá-lo de modo normal. Aguardamos a evolução dos acontecimentos. Ajudai-nos com a vossa oração. Se tiverdes contatos com ministros ou parlamentares, dizei-lhes que não se esqueçam desta população que padece uma guerra sem dela saber o porquê. (…) Apoiai a nossa coragem com vossa oração, e dizei a todos que em Goma está em curso mais uma inútil carnificina.   Padre Pascual Chávez, reitor-mor da Congregação Salesiana, respondeu a mensagem de padre Gavioli dizendo que confiou a população de Goma e de todas as áreas de guerra à proteção da Virgem Maria. O reitor-mor assegurou igualmente contatar ministros e parlamentares, a fim de que a população de Goma não seja esquecida, e prometendo que Goma estaria igualmente no centro das suas orações nas celebrações do dia 24 de maio, em Valdocco, por ocasião da Festa de Nossa Senhora Auxiliadora.   InfoANS
Publicado em Internacionais
A Rede Salesiana de Ação Social (RESAS) realizou, no dia 22 de março, no Liceu Coração de Jesus, em São Paulo, um seminário sobre educação infantil, reunindo mais de 100 colaboradores que atuam na área de diversas obras sociais da Inspetoria de Nossa Senhora Auxiliadora. O seminário contou com uma palestra sobre o tema “A mística na infância: educar e cuidar, direitos e deveres na prática do educador social”, ministrada pela professora doutora Maria Stela Santos Graciani, especialista na área de educação. Além da palestra, os educadores também participaram de oficinas temáticas sobre assuntos correlatos.   Inspetoria Salesiana de São Paulo   Leia também: Novos colaboradores  da RESAS estudam a pedagogia salesiana
Publicado em Ação Social
O padre salesiano Piero Gavioli, diretor do Centro Dom Bosco Ngangi, enviou informações sobre a atual situação no Norte Kivu, província localizada ao leste da República Democrática do Congo e em Goma. A região mais uma vez é atingida por uma onda de confrontos e violências e o padre salesiano é o atual porta-voz da população. Leia abaixo a íntegra da mensagem enviada por ele sobre a situação no local.   Trata-se, infelizmente, do enésimo episódio de uma triste história que já dura 20 anos. Faz pouco mais de um ano, amotinou-se um grupo de militares rebeldes, que se chamou “M23”. Referia-se de fato aos acordos de 23 de março de 2009 – dali o nome – entre o governo de Kinshasa e a rebelião de Kunda, que durou vários meses. A nova rebelião, guiada por Bosco Ntaganda – procurado pelo tribunal penal de Haia, onde se encontra agora – e apoiada por Ruanda e Uganda, nasceu para reclamar a aplicação – não ocorrida segundo eles – dos acordos de 2009.   Depois de variada série de ataques e retiradas, no fim de novembro de 2012, o M23 ocupou Goma por 10 dias; depois retirou-se a poucos quilômetros mais ao norte e continuou a ocupar militarmente e a explorar economicamente grande parte do Norte Kivu.   Sob pressão internacional, governo e rebeldes se reuniram em Kampala, sem chegar a um acordo. Os países da região dos Grandes Lagos decidiram enviar a Goma uma força de intervenção africana que, operativa provavelmente dentro de três meses, deveria reduzir todos os grupos armados. (Ultimamente foram apontados 27; mas nascem novos todos os dias...).   Segunda-feira, 20 de maio, para impedir ou retardar a missão – hipótese nossa – o M23 desferiu um ataque contra as forças armadas governantes em Kibati, a 12 quilometros ao norte de Goma. Iniciou também o enésimo êxodo de refugiados, sobretudo de mulheres e crianças, buscando um pouco de segurança e chegando também ao Centro Dom Bosco Ngangi.   A noite seguinte foi tranquila. Terça-feira, 21 de maio, repetiram-se os mesmos fatos, mas em Kibati (12 km ao norte) ouvem-se os disparos. Evidentemente não há notícias precisas: cada campo acusa o outro de ser a causa dos tiros do dia precedente e não existem negociações em curso.   No Centro Dom Bosco estamos todos bem e continuamos o nosso trabalho. Perguntaram-nos se podemos acolher refugiados, como fizemos há seis meses. Respondi que em caso de urgência extrema,  podemos fazê-lo. Por ora, estamos a poucas semanas do fim do ano escolar e gostaríamos que os alunos das nossas escolas pudessem terminá-lo de modo normal. Aguardamos a evolução dos acontecimentos. Ajudai-nos com a vossa oração. Se tiverdes contatos com ministros ou parlamentares, dizei-lhes que não se esqueçam desta população que padece uma guerra sem dela saber o porquê. (…) Apoiai a nossa coragem com vossa oração, e dizei a todos que em Goma está em curso mais uma inútil carnificina.   Padre Pascual Chávez, reitor-mor da Congregação Salesiana, respondeu a mensagem de padre Gavioli dizendo que confiou a população de Goma e de todas as áreas de guerra à proteção da Virgem Maria. O reitor-mor assegurou igualmente contatar ministros e parlamentares, a fim de que a população de Goma não seja esquecida, e prometendo que Goma estaria igualmente no centro das suas orações nas celebrações do dia 24 de maio, em Valdocco, por ocasião da Festa de Nossa Senhora Auxiliadora.   InfoANS
Publicado em Internacionais
A Rede Salesiana de Ação Social (RESAS) realizou, no dia 22 de março, no Liceu Coração de Jesus, em São Paulo, um seminário sobre educação infantil, reunindo mais de 100 colaboradores que atuam na área de diversas obras sociais da Inspetoria de Nossa Senhora Auxiliadora. O seminário contou com uma palestra sobre o tema “A mística na infância: educar e cuidar, direitos e deveres na prática do educador social”, ministrada pela professora doutora Maria Stela Santos Graciani, especialista na área de educação. Além da palestra, os educadores também participaram de oficinas temáticas sobre assuntos correlatos.   Inspetoria Salesiana de São Paulo   Leia também: Novos colaboradores  da RESAS estudam a pedagogia salesiana
Publicado em Ação Social