Segunda, 06 Agosto 2012 18:03

Instituto das FMA completa 140 anos

Escrito por

O Instituto das Filhas de Maria Auxiliadora (FMA) completa 140 anos de existência. No dia 5 de agosto de 1872, em Mornese, Itália, 11 jovens disseram "sim" a Deus, iniciando aquele que se tornaria um Instituto internacional, presente em 94 Nações.

Nesse dia 5 de agosto de 1872, Dom Bosco está em Mornese. Chegara na véspera, dia 4, para falar com as jovens, explicar-lhes o sentido da função, ensinar-lhes a ler as respostas e a fórmula dos votos: “Vós agora pertenceis a uma Família religiosa – são algumas das suas palavras – que é toda de Nossa Senhora; sois poucas, desprovidas de meios, não amparadas pela aprovação humana. Nada vos perturbe. […] O Instituto terá um grande futuro se vos mantiverdes simples, pobres, recatadas. […] pensai com frequência que o vosso Instituto deverá ser o monumento vivo da gratidão de Dom Bosco à Grande Mãe de Deus, invocada sob o título de Auxílio dos Cristãos” (cf. Cronistoria I 305-306).

Dom Bosco queria um Instituto feminino que pudesse fazer pelas meninas a obra educativa que ele levava avante com os meninos. Em Maria Domingas Mazzarello, que seria a Confundadora, e no primeiro grupo de jovens que se encontra em Mornese, entrevê a possibilidade de que o seu sonho se possa realizar.

O Instituto das FMA, conta atualmente com 13.653 irmãs (dados de dezembro de 2011), distribuídas em 1.436 comunidades, em 94 nações, nos cinco continentes. Ao longo dos anos persistiu, mui viva, a paixão pela educação das jovens, declinada nas diferentes culturas, através da formação integral da pessoa, da solidariedade social, com a proposta e o desenvolvimento de atividades de evangelização, de formação, de prevenção.

Escolas, Centros de formação profissional, casas-lares, obras para meninas de rua, associações para o tempo livre, voluntariado, catequese, obras de primeira evangelização, trabalho com indígenas, obras de promoção da mulher, atividades de micro-crédito e micro-economia…: estas são apenas algumas das atividades com que as FMA buscam desempenhar a sua missão educativa e evangelizadora, junto com tantos colaboradores leigos, voluntários e jovens animadores.

 

 

Domingo, 05 Agosto 2012 16:39

Aspectos do amor educativo salesiano

Escrito por

Em preparação às comemorações pelo bicentenário de nascimento do fundador da Família Salesiana, São João Bosco, o reitor-mor dos Salesianos propôs um itinerário formativo. A proposta é que, a cada 16 de agosto (data de nascimento de Dom Bosco) e durante todo o ano subsequente, seja estudado um tema diferente. Para o período de 16 de agosto de 2012 a 15 de agosto de 2013, as reflexões devem ser feitas com a temática “Pedagogia de Dom Bosco”.
Com o objetivo de subsidiar essas discussões com os alunos das escolas e obras sociais salesianas, o Boletim Salesiano inicia uma nova série sobre o tema. Neste artigo de abertura, padre João Mendonça, SDB, destaca as características da prática pedagógica de Dom Bosco: a disponibilidade, a simpatia e o diálogo com os jovens.

Quinta, 02 Agosto 2012 00:20

A Nossa Senhora de Dom Bosco

Escrito por

Dom Bosco foi percebendo com lucidez sempre maior a iniciativa de Deus na sua vida de fundador, mas teve também a certeza de ser em tudo conduzido e guiado pela mão de Maria: “Maria Santíssima é a fundadora e será a sustentação da nossa obra”. “Maria é a mãe e o sustentáculo da Congregação”. E dizia no retiro de Lanzo de 1871: “Só no céu é que havemos de compreender, maravilhados, aquilo que Maria fez por nós ... e o havemos de agradecer por toda a eternidade” (MB X, 1078).

Ao falar dos sistemas de educação em uso na sociedade de seu tempo, diz Dom Bosco: são dois os sistemas usados na educação da juventude; o preventivo e o repressivo. O sistema repressivo consiste em fazer que os súditos conheçam a lei e depois vigiar para saber os seus transgressores e infligir-lhes, quando necessário, o merecido castigo. Diferente, e diria oposto, é o sistema preventivo. Consiste em tornar conhecidas as prescrições e as regras de uma instituição e depois vigiar de modo que os alunos estejam sempre sob os olhares atentos do diretor e dos assistentes. Estes, como pais carinhosos falem, sirvam de guia em todas as circunstâncias, dêem conselhos e corrijam com bondade. Consiste, pois, em colocar os jovens na impossibilidade de cometerem faltas.

 

Ordenado sacerdote, Dom Bosco vai estudar em Turim, na itália. Segundo o padre Cafasso, um sacerdote da têmpera de Dom Bosco não podia ser perdido pela diocese nem simplesmente integrado nas estruturas paroquiais, pois era talhado para uma missão interna, urgente e atual. Por outro lado, nem o seu campo de trabalho estava definido. Somente os desejos eram alimentados por uma abertura de alma ao plano de Deus, na nova etapa de sua vida que assim se iniciava.

 

Pagina 36 de 36