Segunda, 19 Março 2018 15:39

Centenário de nascimento do Bv. Alberto Marvelli, ex-aluno de oratório

Escrito por  P. Pierluigi Cameroni SDB - Postulador Geral das Causas dos Santos da FS
Classifique este artigo
(0 votos)

Aos 21 de março de 1918, nascia em Ferrara, na Itália, Alberto Marvelli. Cem anos já são passados desde aquele longínquo dia e são tantos no mundo que conhecem sua vida e seu empenho, tanto educativo quanto caritativo-sociopolítico.

 

Aluno do oratório salesiano de Rímini, a exemplo de Domingos Sávio amadureceu sua fé com uma opção decisiva: “O meu programa se compreende numa só palavra: santo”. Em apenas 28 anos concretizou uma vida “totalmente plena”, expendendo-a toda no amor a Deus e ao próximo.

 

Quando no dia 5 de outubro de 1946, sua vida foi tragicamente interrompida, muitos pensaram havê-lo perdido para sempre e que o seu empenho, o seu apoio e o seu exemplo haveriam de se esfumar. Não foi assim. Os santos dispõem de uma vida “póstuma”.

 

Hoje Alberto está realmente vivo e operante mais do que nunca: o bem que realizou na terra foi-se dilatando, quer no tempo, quer no espaço. A sua santidade exemplar tornou-se modelo para os leigos empenhados no mundo, em busca da identidade cristã e da coerência com a fé. Abriu um caminho novo, acessível a todos. A difusão do seu testemunho no mundo, os muitos jovens que o assumiram por modelo, são o sinal seguro da sua pessoa viva e ativa no meio de nós.

 

Celebrar o seu centenário, neste ano especial que a Igreja dedica aos jovens com o Sínodo, não só significa comemorar, mas também reconhecer esta presença, como indicou São João Paulo II no dia da sua beatificação, em 5 de setembro de 2004: “A vós, leigos, cabe testemunhar a fé mediante as virtudes que vos são específicas: a fidelidade e a ternura em família; a competência no trabalho, a tenacidade no serviço pelo bem comum, a solidariedade nas relações sociais, a criatividade no empreender obras úteis à evangelização e à promoção humana. A vós compete também mostrar – em estreita comunhão com os pastores – que o Evangelho é atual. E que a fé não retira o crente da História, mas antes o mergulha nela mais profundamente”.

 

Lido 721 vezes

Deixe um comentário