Terça, 09 Maio 2017 17:54

Maria cheia de mistério e de humanidade Destaque

Escrito por 
Classifique este artigo
(2 votos)

Na espiritualidade salesiana de Dom Bosco ocupa um lugar central Maria Auxiliadora, Mãe de Jesus. Desde cedo aprendemos que “de Maria nunca se fala demais”. O valor de Maria na vida cristã nós o aprendemos quando pequenos em nossas famílias e comunidades. Aprendemos, também, na história da Igreja. Aprendemos, sobretudo, na leitura e meditação da Sagrada Escritura, no Novo Testamento. Sendo livrinhos muito pequenos, os Evangelhos se reservaram colocar apenas o que era fundamental na vivência do seguimento de Jesus. Maria aparece pouco nos Evangelhos, mas quando aparece o faz de maneira significativa.

Ela é apresentada como um grande Mistério, mas também como uma pessoa de uma humanidade incrível. Nossa tarefa é fazer com que o Mistério não abafe sua humanidade e, também, que a humanidade não faça desaparecer o Mistério.

Gostaria de refletir sobre a humanidade de Maria a partir de três pequenos versículos bíblicos.

 

“Eles não compreenderam o que o menino acabava de dizer” (Lc 2,50)

São João Paulo II diz que “Maria caminha no tempo. Mas nesta caminhada, a Igreja precede seguindo as pegadas do itinerário percorrido pela Virgem Maria” (Redemptoris Mater, 2). Todos nós somos o que somos e o que podemos ser. Nós somos infinitas possibilidades. O Anjo Gabriel anunciou que ela seria a Mãe de Jesus. Propos-lhe um plano diferente do seu. Maria aceitou e aí começou seu caminho, seu itinerário de entendimento e de realização deste plano. Maria foi aprendendo aos poucos o que era ser Mãe de Jesus, também ele humano e divino. Os horizontes se ampliaram e aos poucos foi compreendendo o alcance de sua missão.

Maria e José não compreendem o que o menino acaba de dizer porque são humanos e têm que se esforçar muito para entender aos poucos e um pouco os caminhos de Deus e das pessoas. O menino adolescente começa a escapar de suas mãos. O que fazer? Voltar para Nazaré e, no escondimento, procurar entender o que se passa com o seu menino.

Assim é a vida... Todo pai e toda mãe sonham para seus filhos uma maneira de realizar a vida. No entanto, nem sempre acontece o que se programa. Certamente que na conversa com o Anjo, Maria não percebeu todo o alcance da proposta de Deus. Receber um filho é um mistério que se entende na oração, na contemplação, mas também na ação educativa amorosa.

 

“Eles não têm mais vinho” (Jo 2, 3)

O primeiro milagre (sinal) de Jesus foi feito em uma festa de casamento. O Evangelista diz que “este foi o primeiro sinal que Jesus fez”. Todo sinal aponta para outra realidade. Ele é sinal de outra coisa. Há um provérbio chinês que diz: “enquanto o sábio aponta a lua, o tolo olha o dedo”. O dedo é o sinal. A lua é a realidade. O milagre da multiplicação do vinho é sinal de uma realidade muito mais profunda: a beleza de viver na festa e na alegria.

Por intercessão de Maria, Jesus realiza o sinal. Santo Agostinho dividia os bens em duas categorias: os para serem usados e os para serem fruídos, saboreados. Na realidade todos os bens se realizam a partir destas duas categorias. “A gente não quer só comida”... O alimento é comida para saciar a fome do corpo, mas também do espírito. Há mesa cheia de pão e vazia de beleza. Há mesa de beleza esperando a partilha do pão.

É interessante que o primeiro milagre de Jesus aconteceu com vinho. Vinho não é necessário para viver. Pelo contrário, às vezes até atrapalha o viver quando conduz ao alcoolismo. Por que Jesus foi fazer seu primeiro sinal justamente com o vinho? Há coisas que não têm valor de utilidade, mas têm de fruição, de sabor de viver. Uma flor não se come, mas sem flor não se vive. A vida digna tem que ter beleza.

O vinho não é necessário para a subsistência, mas é sinal de que a vida é mais que subsistência. Vida é beleza, alegria, partilha, brinde. Um brinde à vida, dizemos nós... Talvez se vivêssemos mais os bens de fruição junto com os de uso a vida teria muito mais graça e mais encantamento. Quem não admira uma flor, uma mesa bem posta, quem não sabe escolher uma roupa para vestir, tem dificuldade de partilhar com os irmãos porque lhe falta sensibilidade.

O primeiro milagre de Jesus acentuou a sensibilidade. Primeiro, a de Maria, que foi capaz de olhar e ver o que faltava. Depois, a de Jesus que, apesar de duro na resposta, foi pronto na solução do problema. E todos continuaram a festa de casamento.

 

“Quem é minha mãe e quem são meus irmãos?” (Mc 3,33)

Filho é para o mundo, escutamos todos os dias. Para muitos pais e mães essa afirmação pode machucar porque significa rompimento, partida. Talvez hoje mais que na época de Jesus, a escolha feita pelo filho de Maria é chocante. Na antiguidade dificilmente um filho deixava seus pais para trás e partia para outras missões. As migrações eram muito pequenas. Hoje é muito mais forte. Dificilmente uma pessoa mora na mesma casa e até no mesmo lugar a vida inteira.

O que, no entanto, queremos acentuar aqui é a migração espiritual. Fazer opções espirituais diferentes das dos pais é contundente. Tal aconteceu com Jesus. Que mãe desejaria para seu filho viver no provisório buscando a cada dia uma pedra para reclinar sua cabeça? Que mãe desejaria para seu filho ser pregado na cruz? No entanto, esta é consequência da escolha de Jesus e, de pergunta em pergunta, também foi a escolha de Maria.

Embora o destino de Jesus não estivesse nos planos da família de Maria, aos poucos foi sendo assumido por ela em uma demonstração concreta de fazer a vontade do Pai. Nossa sociedade, que tem o valor econômico, o valor do prestígio e o valor do prazer a qualquer custo como prioridades, certamente não entende as opções de Jesus e de seus seguidores fiéis.

Chegará o dia em que, para tornar o mundo melhor, as pessoas vão se convencer de que é preciso levar o caminho proposto e vivido por Jesus mais a sério. As Marias, a exemplo da Virgem Maria, também vão entender que sem o desprendimento e o despojamento, o mundo será uma caixa de maldade, de violência e de morte.

 

Concluindo

Maria fez seu caminho, seu itinerário. Ela tinha um projeto de vida assumido na Anunciação do Anjo. Para isso foi, aos poucos, meditando essas coisas em seu coração. O relacionamento educativo de Maria e Jesus é paradigmático. Muito do que disse e fez Jesus brotou da cabeça, do coração e das mãos de sua Mãe. Muito do que disse e fez Maria também brotou da cabeça, do coração e das mãos de seu Filho. Isto é educação... Um crescimento mútuo para a generosidade e para o despojamento. O caminho de Maria é o nosso caminho.

Lido 709 vezes Modificado em Quarta, 10 Maio 2017 12:05
Marcos Sandrini

Diretor da Faculdade Dom Bosco de Porto Alegre, RS.  

Deixe um comentário