Todos os meses, o reitor-mor escreve aos leitores do Boletim Salesiano um artigo para leitura e reflexão. No artigo de novembro, ele escreve como se fosse Dom Bosco, em primeira pessoa, e conta: “Põe-te imediatamente a instruí-los sobre a fealdade do pecado e a preciosidade da virtude”.

 

Falar de Jesus Cristo nestes dias é difícil, mas não impossível. Os jovens parecem distraídos e quase inacessíveis sobre temas religiosos. No meu tempo, assim como hoje, o problema não era tanto falar de Jesus, mas o tom e a abordagem. Alguns dos meus contatos com os jovens não se deram na sacristia ou à sombra do campanário. Começaram nas praças de Turim ou em alguma dos muitos becos de seu centro histórico.

No início do meu apostolado sacerdotal, meu amigo padre Cafasso, que eu escolhera como diretor espiritual, tinha-me dado um conselho de ouro: “Caminha pela cidade, olha ao teu redor”. Eu devia encontrar os jovens no seu ambiente, aonde eles se reuniam. Se os tivesse esperado na igreja, teria perdido um tempo precioso e mil ocasiões.

Todos os meses, o reitor-mor escreve aos leitores do Boletim Salesiano um artigo para leitura e reflexão. No artigo de outubro, ele escreve como se fosse Dom Bosco, em primeira pessoa, e conta:

 

Eu caminhava por Turim na companhia do fidelíssimo padre Rua e de outro salesiano, quando  meus olhos fixaram-se em uma cena que me encheu o coração de profunda tristeza. Um garotinho talvez de 12 anos, estava tentando empurrar um carrinho cheio de tijolos pelas pedras irregulares da rua. Era um servente de pedreiro, franzino e pequeno, que, incapaz de mover o peso superior às suas forças, chorava de desespero. Afastei-me dos dois salesianos e corri até o pobre garoto, um dos muitos que, na Turim de então, que se enriquecia de tantos belos palácios, cresciam debaixo de patrões desumanos ao som de tabefes e imprecações. Impressionaram-me aquelas lágrimas que regavam o seu rosto. Aproximei-me, sorri para ele com um leve aceno de amizade e ajudei-o a empurrar aquele peso até o canteiro de obras. Todos se admiraram ao ver um padre chegar àquele local; o garotinho, ao contrário, logo entendera que eu me pusera ao seu lado para um gesto solidário de ajuda concreta.

Gosto de recordar esse fato, um entre muitos, porque o considero como símbolo do meu grande amor pelos jovens. Amor não feito de palavras, amor que falava direto ao coração.

Quarta, 04 Setembro 2013 22:39

Mensagem à Família Salesiana sobre a paz

Escrito por

Acolhendo e relançando o convite à oração e ao jejum pela paz, lançado pelo Papa Francisco, o Reitor-Mor, P. Pascual Chávez, publicou ontem uma Carta com que exorta a participar da iniciativa todos os Membros da Família Salesiana (FS).
 

Todos os meses, o reitor-mor escreve aos leitores do Boletim Salesiano um artigo para leitura e reflexão. No artigo de setembro, ele escreve como se fosse Dom Bosco, em primeira pessoa, e conta: “Fui instado muitas vezes a expressar o meu pensamento sobre o chamado Sistema Preventivo, que se costuma praticar em nossas casas”.

 

Nossa Congregação, aprovada pela Igreja há poucos anos, estava se desenvolvendo como a semente de mostarda de que fala Jesus. Já se dera a primeira expedição missionária em 1875, e se estavam preparando outras. Em novembro de 1875, dois padres iniciaram em Nice uma atividade educativa com o oratório e um internato para aprendizes e estudantes: o Patronato de São Pedro. Os franceses exigiam uma reflexão orgânica sobre as linhas mestras do meu sistema educativo. Saíram nove pequenas páginas de um “esboço”, um canto de amor e de confiança nos jovens. Era a minha profissão de fé no valor da educação. Era o que eu aprendera de minha mãe e bebera no contato com o ambiente agrícola dos Becchi. Valores que trazia em meu coração há mais de 30 anos e que eram o específico do meu apostolado.

 

Todos os meses, o reitor-mor escreve aos leitores do Boletim Salesiano um artigo para leitura e reflexão. Na preparação para o bicentenário de Dom Bosco, a proposta é debruçar-se sobre a pedagogia do Santo dos Jovens, a partir de reflexões escritas em primeira pessoa. Veja o artigo de agosto.

 

Eu chegara a Grenoble, França, na noite de 12 de maio de 1886, cansado, depois de uma longa viagem que, em três meses me levara de Turim à França e Espanha. Submetera-me a um autêntico tour de force porque, em Roma, paralisava a construção do templo em honra do Sagrado Coração pela falta crônica de dinheiro.

Fora amavelmente recebido pelo reitor do seminário que, preocupado com o estado de exaustão em que me encontrava, disse: “Reverendo padre, ninguém melhor do que o senhor sabe o quanto o sofrimento santifica”. Contudo, permiti-me corrigi-lo afirmando que “o que santifica não é o sofrimento, mas a paciência”. Não era apenas uma frase de efeito; era a síntese da minha existência, aos 71 anos que já pesavam às minhas costas e me tinham reduzido a “um homem morto pelo cansaço”, como, poucos dias antes, tinha-me definido o Dr. Combal.

 

Pagina 7 de 9