Todos os meses, o reitor-mor escreve aos leitores do Boletim Salesiano um artigo para leitura e reflexão. No artigo de dezembro, ele escreve como se fosse Dom Bosco, em primeira pessoa, e conta:

Nesta quarta-feira, 20 de novembro, é comemorado em todo o mundo o Dia Internacional dos Direitos da Criança, data que desde 2009, também foi associada com o Dia Mundial de Oração e Ação pelas Crianças. Para esta ocasião, o reitor-mor dos salesianos, padre Pascual Chávez, enviou uma mensagem na qual ele convida toda a Família Salesiana a “promover o direito à educação para todos os meninos e meninas em todo o mundo como uma ferramenta para combater e prevenir o casamento precoce”.

Todos os meses, o reitor-mor escreve aos leitores do Boletim Salesiano um artigo para leitura e reflexão. No artigo de novembro, ele escreve como se fosse Dom Bosco, em primeira pessoa, e conta: “Põe-te imediatamente a instruí-los sobre a fealdade do pecado e a preciosidade da virtude”.

 

Falar de Jesus Cristo nestes dias é difícil, mas não impossível. Os jovens parecem distraídos e quase inacessíveis sobre temas religiosos. No meu tempo, assim como hoje, o problema não era tanto falar de Jesus, mas o tom e a abordagem. Alguns dos meus contatos com os jovens não se deram na sacristia ou à sombra do campanário. Começaram nas praças de Turim ou em alguma dos muitos becos de seu centro histórico.

No início do meu apostolado sacerdotal, meu amigo padre Cafasso, que eu escolhera como diretor espiritual, tinha-me dado um conselho de ouro: “Caminha pela cidade, olha ao teu redor”. Eu devia encontrar os jovens no seu ambiente, aonde eles se reuniam. Se os tivesse esperado na igreja, teria perdido um tempo precioso e mil ocasiões.

Todos os meses, o reitor-mor escreve aos leitores do Boletim Salesiano um artigo para leitura e reflexão. No artigo de outubro, ele escreve como se fosse Dom Bosco, em primeira pessoa, e conta:

 

Eu caminhava por Turim na companhia do fidelíssimo padre Rua e de outro salesiano, quando  meus olhos fixaram-se em uma cena que me encheu o coração de profunda tristeza. Um garotinho talvez de 12 anos, estava tentando empurrar um carrinho cheio de tijolos pelas pedras irregulares da rua. Era um servente de pedreiro, franzino e pequeno, que, incapaz de mover o peso superior às suas forças, chorava de desespero. Afastei-me dos dois salesianos e corri até o pobre garoto, um dos muitos que, na Turim de então, que se enriquecia de tantos belos palácios, cresciam debaixo de patrões desumanos ao som de tabefes e imprecações. Impressionaram-me aquelas lágrimas que regavam o seu rosto. Aproximei-me, sorri para ele com um leve aceno de amizade e ajudei-o a empurrar aquele peso até o canteiro de obras. Todos se admiraram ao ver um padre chegar àquele local; o garotinho, ao contrário, logo entendera que eu me pusera ao seu lado para um gesto solidário de ajuda concreta.

Gosto de recordar esse fato, um entre muitos, porque o considero como símbolo do meu grande amor pelos jovens. Amor não feito de palavras, amor que falava direto ao coração.

Quarta, 04 Setembro 2013 22:39

Mensagem à Família Salesiana sobre a paz

Escrito por

Acolhendo e relançando o convite à oração e ao jejum pela paz, lançado pelo Papa Francisco, o Reitor-Mor, P. Pascual Chávez, publicou ontem uma Carta com que exorta a participar da iniciativa todos os Membros da Família Salesiana (FS).
 

Pagina 6 de 8