Queridos irmãos e irmãs,

 

Uma saudação cordial e afetuosa de Roma, ao término do Capítulo Geral 27 dos Salesianos de Dom Bosco. Esta é a primeira mensagem que lhes dirijo como reitor-mor e quero, em primeiro lugar, expressar meus agradecimentos por tantas mostras de apoio e amizade que fizeram chegar a mim nestas primeiras semanas de serviço. Me sinto muito feliz por poder contar com vocês e estou certo de que, com a ajuda do Senhor viveremos uma etapa de grande comunhão com toda a Família Salesiana para continuar respondendo juntos aos desafios dos jovens mais pobres nestes tempos tão carregados de expectativas e possibilidades.

Quarta, 02 Abril 2014 13:16

Maria, a mãe de todos os dias

Escrito por

Todos os meses, o reitor-mor escreve aos leitores do Boletim Salesiano. No último artigo escrito por padre Pascual Chávez como superior dos Salesianos, ele escreve como se fosse o próprio Dom Bosco, retomando a figura de Maria durante toda a sua vida:

 

Há uma belíssima recordação da minha infância, aos nove ou 10 anos. Foi um sonho que deixou um sinal indelével na minha vida. Tinha visto um grupo de jovens atentos à brincadeira; de repente, porém, o passatempo degenerara em uma luta furiosa, com  socos, pontapés, palavrões e, infelizmente, blasfêmias. Eu partira para o ataque. Em seguida, um senhormajestoso interrompeu-me, indicando uma maneira bem diferente de fazer com que melhorassem. E apareceu uma maravilhosa senhora, afetuosa e bela: fez um sinal para que me aproximasse dela. Como eu estivesse confuso com a rápida sequência de cenas, tomou-me pela mão. O gesto de delicada bondade materna conquistou-me para sempre. Com muita simplicidade, posso dizer-te que jamais me separei dessa mão; ou melhor, sempre a tive bem apertada, até o fim.

Quarta, 02 Abril 2014 13:16

Maria, a mãe de todos os dias

Escrito por

Todos os meses, o reitor-mor escreve aos leitores do Boletim Salesiano. No último artigo escrito por padre Pascual Chávez como superior dos Salesianos, ele escreve como se fosse o próprio Dom Bosco, retomando a figura de Maria durante toda a sua vida:

 

Há uma belíssima recordação da minha infância, aos nove ou 10 anos. Foi um sonho que deixou um sinal indelével na minha vida. Tinha visto um grupo de jovens atentos à brincadeira; de repente, porém, o passatempo degenerara em uma luta furiosa, com  socos, pontapés, palavrões e, infelizmente, blasfêmias. Eu partira para o ataque. Em seguida, um senhormajestoso interrompeu-me, indicando uma maneira bem diferente de fazer com que melhorassem. E apareceu uma maravilhosa senhora, afetuosa e bela: fez um sinal para que me aproximasse dela. Como eu estivesse confuso com a rápida sequência de cenas, tomou-me pela mão. O gesto de delicada bondade materna conquistou-me para sempre. Com muita simplicidade, posso dizer-te que jamais me separei dessa mão; ou melhor, sempre a tive bem apertada, até o fim.

Sábado, 01 Março 2014 13:00

Santidade ao alcance de todos

Escrito por

Todos os meses, o reitor-mor escreve aos leitores do Boletim Salesiano. Neste artigo para o mês de março, ele toma as palavras do Santo dos Jovens e escreve em primeira pessoa, como se fosse o próprio Dom Bosco, ressaltando que a santidade está ao alcance de todos:

Terça, 04 Fevereiro 2014 23:36

Jesus, o amigo

Escrito por

Todos os meses, o reitor-mor escreve aos leitores do Boletim Salesiano um artigo para leitura e reflexão. Neste terceiro ano em preparação ao bicentenário de nascimento de Dom Bosco, ele toma as palavras do Santo dos Jovens e escreve em primeira pessoa, como se fosse o próprio Dom Bosco:

 

Sempre vivi entre amigos. Recordo-me dos anos de minha infância: “Era muito querido e respeitado pelos da minha idade… De minha parte, fazia o bem a quem podia, e o mal a ninguém. Os companheiros me queriam com eles… Porque, embora pequeno de estatura, possuía força e coragem para incutir medo nos companheiros de idade bem maior”. Era aconselhado por minha mãe, que me sugeria: “Na amizade, a experiência e não o coração deve ensinar-nos”. Essa lição de vida me levaria depois a orientar os meus jovens, recomendando-lhes: “Escolhei sempre os amigos entre os bons mais conhecidos e, entre estes, os melhores e também; entre os melhores, imitai aquele que for bom e evitai os defeitos, porque todos os temos”.

Pagina 5 de 8