Quinta, 02 Agosto 2018 14:54

Primeira Profissão Religiosa de Marcelo Augusto da Costa

Escrito por  Gabriel Silva, SDB
Classifique este artigo
(0 votos)

No último dia 24 de Julho, sob o olhar atencioso de Nossa Senhora Auxiliadora, o jovem Marcelo Augusto da Costa, natural de Encanto, RN, depois de um longo processo de discernimento vocacional acerca da vocação religiosa, deu seu SIM e professou, diante da comunidade inspetorial, na Basílica de Maria Auxiliadora em Jaboatão dos Guararapes, PE, os primeiros votos como religioso consagrado na congregação dos Salesianos de Dom Bosco.

 

A cerimônia foi presidida pelo inspetor Salesiano padre Nivaldo Pessinatti e contou com uma bela participação de boa parte dos Salesianos do Nordeste, como também, de colaboradores das nossas presenças que tiveram contato com o agora neo-professo Marcelo.

 

O texto bíblico escolhido pelo Marcelo para marcar este momento único de sua primeira profissão religiosa, e que deve caracterizar sua entrega diária e generosa ao Senhor, foi retirado do quarto evangelho, no seu capitulo 15, versículo 9: “Permanecei no meu amor” (Jo 15,9). Esta perícope joanina insere-se no contexto de despedida de Jesus e de sua subida a Jerusalém. É, portanto, um discurso de elevada importância, uma herança a ser deixada e que servirá de inspiração nos momentos difíceis de perseguição a que os discípulos serão submetidos. Este texto é, sem dúvida, um itinerário de fé a qual deve se propor todo discípulo que busca semear e ver frutificar as sementes que dispensou pelo caminho. Um trecho bíblico que se contrapõe àquelas passagens em que não poucas vezes viu-se desistir alguns daqueles que se propuseram a caminhar com Cristo, todavia, não nele. A razão do discípulo em permanecer unido ao tronco, que é Cristo, nasce da certeza de que sem ele nada podemos fazer. Sem a luz que é Cristo, tudo é escuridão, sem o mandato de Cristo, que tudo cria e a muitos envia, tudo é vazio e sem sentido, estéril e sem vida. Permanecer em

 

Cristo, constitui neste sentido, a razão de toda boa semeadura e o motivo de uma generosa colheita.

 

Desse modo, ao entregar sua vida em um ato público, jurídico e espiritual, aspectos próprios da profissão religiosa, o jovem Marcelo emitiu os votos de obediência, pobreza e castidade. Com isso, ele radicaliza a opção fundamental do próprio batismo em uma atitude de despojamento de si para se tornar sempre mais transparência do amor de Deus, e anunciador do Reino como portador do amor de Deus aos jovens, em especial aos mais abandonados e desvalidos.

Fonte: Nordeste Hoje

Lido 216 vezes

Deixe um comentário