Segunda, 15 Janeiro 2018 17:30

Cultura vocacional em tempo de mudanças

Escrito por 
Classifique este artigo
(0 votos)
Cultura vocacional em tempo de mudanças Foto: Inspetoria Salesiana de São Paulo

É preciso rezar e trabalhar para conscientizar todos os cristãos de que a vida não é um acaso, mas um projeto a ser desenvolvido ao longo da existência. Isto requer uma nova mentalidade.

 

O Papa João Paulo II, em 1994, ao enviar a mensagem no Dia Mundial de Oração pelas Vocações, se referiu à urgente necessidade de uma cultura vocacional, quer dizer, passar de um trabalho artesanal de pastoral vocacional, para uma ação que penetrasse a vida de todos os cristãos, que favorecesse repensar a vida como serviço e que levasse as comunidades a desenvolver um processo educativo vocacional.

É preciso rezar e trabalhar para conscientizar todos os cristãos de que a vida não é um acaso, mas um projeto a ser desenvolvido ao longo da existência. Isto requer uma nova mentalidade que desperte não apenas para a vocação específica (presbiteral, religiosa), mas que abra horizontes de missão para compreender que o ato de fé não é uma lógica meramente racional e espontânea, mas insere a pessoa em uma realidade de serviço e generosidade à plena gratuidade de Deus.

 

Aparecida atual

Nesse sentido, o Documento de Aparecida, dez anos após sua publicação, nos desperta para a mudança de época que mexe com a vida de todos nós. Por conseguinte, é preciso rever a pastoral vocacional à luz da vida do discípulo missionário que se enfrenta com a complexidade do momento atual, de certa forma opaca, sem brilho, complexa e com uma enorme dificuldade de interagir com os valores referenciais (DAp, 44). Estamos, afirma o documento, como que sem forças, com dificuldade de transmitir a fé às novas gerações, com uma enorme ruptura entre fé e vida, num acelerado processo individualizante (DAp, 44-47).

Essa nova realidade gerou uma crise de sentido a tal ponto que levou muitas pessoas, sobretudo os jovens, a perderem a capacidade de sonhar, ousar e planejar o futuro, ficando reféns do presente. Estamos em um momento cultural que coloca em xeque todo o conjunto de valores e do agir humano. A base cultural mudou. É uma modernidade líquida, que enterrou a cristandade e supervaloriza a individualização e o imediatismo, por conseguinte, na contramão da vida como vocação.

Disto surgem duas constatações: o número cada vez mais reduzido de jovens que entram na vida religiosa consagrada, principalmente feminina, e a liquidez vocacional, com as muitas saídas na hora dos compromissos definitivos: profissão perpétua, ministérios ordenados. Há, sem dúvida, um aumento de vocações; no entanto, o matrimônio religioso, que também é uma resposta vocacional, está em diminuição.

 

Santa intuição

Sabiamente, e até de forma visionária, São João Paulo II entendeu esse momento e chamou a atenção para uma reação, para recomeçar a partir de Jesus, como muito bem nos afirma o Documento de Aparecida (12.41.549). Portanto, não podemos cair na tentação de considerar por descontado o encontro pessoal, comunitário e experiencial de Jesus. É preciso cuidar do tesouro escondido, da moeda perdida, da ovelha desgarrada e da pergunta por sentido: “O que devo fazer para ganhar a vida eterna?” Esta pergunta na boca do jovem rico e de Nicodemos ecoa ainda hoje na veloz mudança de época.

Nosso coração, bem dizia Santo Agostinho, não descansará enquanto não repousar nEle, o Senhor Jesus vivo e verdadeiro. Um significativo pensamento de Aparecida pode nos ajudar a reagir diante desta mudança de época à luz do chamado do Senhor: “Eles se sentiram atraídos pela sabedoria das palavras de Jesus, pela bondade de seu trato e pelo poder de seus milagres. E pelo assombro inusitado que a pessoa de Jesus despertava, acolheram o dom da fé e vieram a ser discípulos de Jesus”(DAp, 21).

Faz-se urgente, portanto, voltar ao poço, à fonte de água viva para reencontrar aquele que dá a água que sacia a sede, alimenta os famintos, cura os enfermos e perdoa os pecadores.

 

Reiniciar a partir de Jesus

Sobretudo o assombro que a pessoa de Jesus desperta precisa ser experimentado. É como aquela pérola preciosa ou o tesouro escondido que alguém encontra e deixa tudo mais para trás, pois neste fragmento encontra o todo. O assombro, como também São João diz (1 Jo 1,1s), é o que nos ajuda a compreender que não basta experimentar coisas e ter sensações; mas é preciso viver o valor que é Jesus, pessoa e não ideia, mestre e não guru, verdade e não especulação.

Neste sentido, São Paulo é radical quando diz: “Considerei tudo lixo para ganhar a Cristo”(Fl 3,8). Aqui está a chave para saber viver na era líquida do passado, do imediatismo do presente e do falimento do futuro. É saborear o assombro das palavras, do trato e da presença salvífica de Jesus que nos envolve, preenche nossos vazios e dá sentido à vida. A cultura vocacional é, sem sombra de dúvida, querigmática e se realiza no processo mistagógico.

Lido 3510 vezes
Pe. João Mendonça

Pe. João Mendonça, SDB, nasceu em Manaus, AM, em 1961. É Salesiano de Dom Bosco desde 1982. Mestre em Educação com especialização em metodologia para a formação religiosa e presbiteral pela Pontificia Universidade de Roma. Pós graduado em Comunicação pelo SEPAC – PUC/SP e Educação Sexual pela Unisal/SP. Durante 4 anos foi coordenador da pastoral da inspetoria São Domingos Sávio/Manaus, delegado inspetorial para a Família Salesiana, vice-diretor da comunidade Santo Tomás, Pio XI – Lapa, Diretor do pós-noviciado de Manaus e atualmente é pároco.

Deixe um comentário