Dom Eduardo Pinheiro da Silva, SDB, bispo Auxiliar da Arquidiocese de Campo Grande e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) fala sobre a Campanha da Fraternidade 2013 e questões ligadas à juventude.

 

 

 

O Conselho Nacional da Articulação da Juventude Salesiana (AJS) realizou, entre os dias 14 e 17 de março, no Colégio Santa Rosa, em Niterói, RJ, a sua  a primeira reunião anual (presencial) com a presença de onze dos quinzes jovens conselheiros das diversas Inspetorias dos Salesianos e Salesianas do Brasil. 

 

Os principais objetivos do encontro foram: definir estratégias para o Encontro Continental América  do Movimento Juvenil Salesiano MJS/AJS  2013, que será realizado entre os dias 18 a 21 de Julho, e tem como tema: “Jovem evangelizando Jovem” e para Festa da AJS/ MJS que acontecerá no dia 24 de Julho, ambos  no colégio Santa Rosa, em Niterói, e que contarão com a presença do reitor- mor dos salesianos, padre Pascual Chávez e da madre geral  do Instituto das Filhas de Maria Auxiliadora (FMA), Ivone Reungoat, além de definir a continuidade do processo de consolidação do rosto da AJS do Brasil, por meio do Estatuto da AJS.

 

Superando os desafios de reunir jovens deste conselho, por serem de todos os cantos do Brasil, o encontro teve êxito nos trabalhos, importantes para as ações no mês de julho. Partilha das realidades a partir da ficha reflexiva para o encontro continental, celebração e convivência, foram alguns elementos presentes nestes dias.

 

Os jovens conselheiros também fizeram a entrega do Estatuto da AJS à irmã Rosa Idália Pesca, presidente da Conferência das Inspetorias das Filhas de Maria Auxiliadora no Brasil (CIB), que repassara aos demais inspetores, inspetoras, coordenadoras e delegados da Pastoral Juvenil Salesiana para apreciação e sugestões, como também do projeto financeiro elaborado pelo atual Conselho.

 

Ao termino das atividades, todos puderam conhecer alguns lugares que serão palco das atividades da Jornada Mundial da Juventude no Rio de Janeiro, momento esse que contribuirá para a logística e informação a serem repassadas aos demais grupos que estão se organizando para a JMJ.

 

Diante dos desafios exposto e toda atenção a movimentação salesiana para a Jornada, os próximos passos deste conselho será firmar a construção do Plano de Ação, bienal, da AJS e também do Plano Financeiro para o Conselho Nacional da AJS.

 

Certos que a maior motivação está no trabalho dedicado a cada jovem que faz parte da Articulação Juvenil Salesiana, o Conselho Nacional envia uma carta direcionada a toda a Juventude Salesiana do Brasil.

 

Clique aqui para ler a carta direcionada para toda a Juventude Salesiana do Brasil

 

Demmes Almeida.

 

A partir da pergunta: “O que temos oferecido aos nossos jovens, a que experiências são submetidos em suas famílias, instituições de ensino, comunidades eclesiais, agrupamentos sociais?”, extraída do Texto-base da Campanha da Fraternidade 2013, educadores e jovens de diversas presenças salesianas no País dão sua opinião sobre a CF 2013, os principais problemas enfrentados pelos jovens e o que a pedagogia salesiana pode oferecer em resposta aos anseios da juventude brasileira. Veja os comentários:

 

 

Parafraseando a música de Belchior dos anos 70, nossos jovens não são mais os mesmos nem vivem como seus pais. Nos últimos tempos, o mundo experimenta mudanças cada vez mais profundas e aceleradas e temos de nos perguntar sobre qual o lugar social dos jovens.

 

Em um ano em que o país recebe a Jornada Mundial da Juventude e a Igreja do Brasil traz na Campanha da Fraternidade a proposta de olhar a realidade dos jovens, espero com este espaço colocar literalmente a “juventude em pauta”, trazendo elementos que nos ajudem a refletir sobre esta importante parcela da sociedade.

 

Terça, 12 Fevereiro 2013 14:04

Zelar pelos jovens não custa nada

Escrito por

 

“...Mesmo com o bolso vazio, Dom Bosco no outono de 1853, sem demora, abre no Oratório as primeiras oficinas internas: sapateiros alfaiates, encadernadores, carpinteiros, tipógrafos, ferreiros e a frente dessas oficinas colocou salesianos leigos, os quais chamou de coadjutores. Estavam sós e abandonados. Dom Bosco disse aos seus jovens: ‘Meus caros, não vos recomendo penitência, mas trabalho, trabalho, trabalho...’" (Memórias do Oratório).

 

A cada ano, na Quaresma, quando o Brasil recebe as diretrizes da nova Campanha da Fraternidade, o tema escolhido por meio de um amplo processo colaborativo retorna à sociedade e reverbera em cada uma das casas católicas espalhadas pelo país.

Neste ano, o tema da campanha vem com ainda mais força, pois encontra eco em uma das mais relevantes ações da Igreja em âmbito mundial, a Jornada Mundial da Juventude. O tema central da CF 2013 é o jovem, o que não é pouco em um Brasil cujas desigualdades sociais expõem este segmento populacional às mais diversas mazelas, que vão da violência à exclusão digital.

O assunto "Juventude", para a Família Salesiana, é foco intrínseco e quem segue os caminhos traçados por Dom Bosco trafega com tranquilidade. A própria história do santo nos traz uma enormidade de ‘recursos’ que gravitam em torno de uma estrutura familiar zelosa, calcada em valores humanos e de fé, e no respeito à criança, mesmo que a falta de recursos financeiros seja uma premissa. Por esse caminho virtuoso de Dom Bosco segue também a história de muitos jovens, que no contexto salesiano encontram apoio para a construção de uma vida digna como “bons cristãos e honestos cidadãos”.

 

 

Em São Paulo, jovens católicos participam dos Conselhos Municipais de Juventude e são protagonistas na construção de propostas para uma sociedade mais justa e fraterna.

 

 

“A juventude é a porção mais delicada e preciosa da sociedade humana”. A frase de Dom Bosco exprime o pensamento salesiano sobre aqueles que passam por essa fase de profundas transformações. De modo geral, enquanto uma pequena parcela da sociedade vê os jovens como o futuro do país, outra os enxerga como alienados, problemas sociais ou a causa deles.

Ao mesmo tempo em que a vulnerabilidade social aponta para a juventude como as maiores fontes de preocupação (violência, desemprego, abandono, baixo desempenho escolar, DST´s, drogas, gravidez sem amparo, entre outras), vislumbra-se uma mudança tendo como atores os próprios jovens. Embora não sejam maioria, muitos desempenham papéis dignos de orgulho, que servem de sementes para um futuro melhor.

 

Pagina 26 de 28