Li recentemente dois artigos que me chamaram a atenção. Um no Boletim Salesiano das Antilhas, de janeiro/fevereiro deste ano, escrito pelo padre Humberto Perdomo, com título provocador: “Tiene 14 años y bebe para divertirse”. O outro estava no portal G1, que falava de trabalhos acadêmicos que abordam a relação entre as letras do gênero musical “sertanejo” e o consumo de álcool no Brasil. Com a morte do Chorão, vocalista da banda Charlie Brown Jr. e ídolo de milhares de jovens e adolescentes do nosso país, a discussão sobre drogas veio novamente à tona. A partir daí, resolvi abordar a temática das drogas no seu sentido ‘não terapêutico’.

 

 

 

E aí, nós não vamos fazer nada?

“Deixemo-nos guiar pelo amor que Deus tem pela vida.”

 

A Inspetoria São João Bosco (ISJB) é uma instituição da Congregação Salesiana, fundada por São João Bosco (Dom Bosco), e que tem como missão a educação e evangelização dos jovens, principalmente os mais empobrecidos.

 

Norteada pelo princípio básico do valor à vida, a Inspetoria sempre esteve presente na defesa dos direitos da criança e do adolescente. Por isso lutou pela inclusão do art. 227 na Constituição Federal de 1988, pela instituição do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e pela implantação e desenvolvimento dos Conselhos de Direitos. Os salesianos permanecem engajados para que a criança e o adolescente sejam prioridade absoluta no orçamento público. Também defendem e participam de ações em parceria com o Estado na execução das medidas socioeducativas aplicadas ao adolescente em conflito com a lei.

 

Como entidade cristã, a Inspetoria defende o valor de cada vida humana, assumindo a responsabilidade de cuidar, amar e desenvolver todas as potencialidades, especialmente, as potencialidades da juventude. É guiada por esse princípio que a ISJB sempre se pautou pelo respeito e pela aplicação das regras estabelecidas no ECA e em outras legislações vigentes, como a Lei Orgânica da Assistência Social e suas normas operativas. Isso porque entende ser a infância e a adolescência a oportunidade primordial de crescimento e desenvolvimento da pessoa.

 

Cada vida humana é preciosa e digna de respeito. Não só a vida dos que têm poder aquisitivo é preciosa, mas também a vida dos pobres e dos abandonados.

 

Os recentes fatos violentos que ainda comovem a sociedade brasileira mobilizam a opinião pública na busca de justiça e de paz. Retoma-se, então, a proposta da redução da idade penal como solução para violência e impunidade que imperam no Brasil.

 

A Inspetoria São João Bosco é veementemente contrária à redução da idade penal por compreender que essa medida reducionista não garante a diminuição da violência e consequentemente a valorização da vida humana.

 

A nossa experiência de atuação junto ao adolescente autor de ato infracional nos possibilita apontar algumas reflexões a partir de fatos concretos:

 

“Quando criança, ele foi abusado sexualmente e sofreu muita violência doméstica. Quando entrou na adolescência, abusou de uma criança de quatro anos. Quando a população tomou conhecimento, foi linchado e preso, recebendo medida socioeducativa de internação...”

 

Essa história é verídica e retrata o quanto a infância é desprotegida e violentada no Brasil, mas essa agressão não é divulgada na mídia, cai em um lugar comum que faz parte de um cenário de pobreza, desigualdade e exclusão social.

 

Diante dessa realidade, não podemos ficar indiferentes. A complexidade da questão do adolescente infrator exige uma análise diferenciada e uma articulação mais ampla entre os diferentes campos do saber. É necessário investimento nas políticas de educação, saúde, lazer, esporte, cultura, convivência familiar e comunitária e profissionalização, e que o Poder Público e a sociedade cumpram o Estatuto da Criança e do Adolescente.

 

Por fim, é muito mais necessário e urgente defender o valor inviolável e sagrado de toda vida humana, promovendo entre nós e nos jovens uma atitude positiva em relação ela.

 

Belo Horizonte, abril de 2013.

Padre Nilson Faria dos Santos

Inspetor

 

Inspetoria São João Bosco

Quarta, 17 Abril 2013 16:14

Senado aprova Estatuto da Juventude

Escrito por

O Estatuto da Juventude (PLC 98/2011), que estabelece direitos para pessoas de 15 a 29 anos, foi aprovado na noite desta terça-feira, 16 de abril, pelo Plenário do Senado. Com 48 artigos, a proposta assegura à população dessa faixa etária – cerca de 52 milhões de brasileiros – acesso à educação, profissionalização, trabalho e renda, além de determinar a obrigatoriedade de o estado manter programas de expansão do ensino superior, com oferta de bolsas estudos em instituições privadas e financiamento estudantil. A matéria agora retorna à Câmara dos Deputados.

 

Com a presença nas galerias da Casa, de lideranças juvenis de quase todos os partidos e artistas como a atriz Beatriz Segall, os senadores definiram no voto os pontos que ainda se mantinham polêmicos na proposta: a exclusão da meia-entrada nos jogos da Copa das Confederações, Copa do Mundo de 2014 e das Olimpíadas de 2016; a limitação de ingressos de meia-entrada em cada evento; e a oferta de assentos gratuitos aos jovens de baixa renda no transporte interestadual.

 

- Conversamos muito, dialogamos muito, buscamos uma construção que representasse a vontade da maioria. O que não foi possível ter consenso, decidimos no voto, de forma democrática – afirmou o senador Paulo Paim (PT-RS), autor do substitutivo levado à votação em Plenário.

 

Depois da votação, os estudantes se reuniram em torno da Mesa, levando o presidente do Senado, Renan Calheiros, a suspender a sessão para a confraternização. Ao encerrar a sessão, Renan classificou o dia como "histórico".

 

O texto aprovado pelos senadores cria duas estruturas institucionais responsáveis por políticas públicas voltadas aos jovens: a Rede Nacional de Juventude, para fortalecer a interação de organizações formais e não formais de juventude, e o Sistema Nacional de Juventude (Sinajuve) com seus respectivos subsistemas, cuja composição, financiamento e atividades serão regulamentados pelo Executivo.

 

Para o senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP), relator da proposta na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) e na Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE), o Estatuto representa um “marco legal” na consolidação das políticas públicas voltadas para a juventude, assegurando a visibilidade e a prioridade desse público “tão heterogêneo e dinâmico quanto fundamental para o desenvolvimento do país”.

 

Ônibus interestaduais

A proposta votada no Senado ainda assegura aos estudantes que comprovarem renda familiar de até dois salários mínimos a ocupação de dois assentos de forma gratuita em ônibus interestaduais. Depois de esgotadas essas duas vagas, o jovem de baixa renda terá direito a dois lugares com desconto de 50%.

 

O estatuto também remete à União, em articulação com estados, Distrito Federal e municípios, a promoção de oferta de transporte público urbano subsidiado para os jovens, com prioridade para aqueles em situação de pobreza e vulnerabilidade.

 

Apoio ao Estatuto

A aprovação da proposta foi comemorada pela maioria dos senadores presentes em Plenário nesta terça-feira. Para a senadora Ana Rita (PT-ES) o Estatuto foi fruto de “amplo diálogo, debate e exercício de cidadania”. A senadora disse que a proposta atende parte das demandas da juventude ao atuar como instrumento de proteção, defesa e promoção da juventude.

 

A senadora Lúcia Vânia (PSDB-GO) admitiu que o projeto pode não ter sido o ideal, mas foi “a alternativa para dar um basta à indiferença e à omissão do poder público em relação aos jovens”, opinião compartilhada por Sérgio Souza (PMDB-PR). O senador enfatizou que o estatuto vai contribuir para a melhoria da condição econômica e social dos jovens.

 

Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), por sua vez, destacou a importância da votação no Senado, uma vez que a proposta já tramitava há muitos anos no Congresso Nacional. Eduardo Lopes (PRB-RJ) e Aécio Neves (PSDB-MG) elogiaram o empenho dos movimentos jovens de seus partidos em prol da aprovação do estatuto, uma pauta “positiva” para a sociedade.

 

Já o senador José Agripino (DEM-RN) considerou como o mais importante do texto o trecho que propõe medidas para efetivar o direito do jovem à profissionalização, ao trabalho e à renda.

 

Voto contrário

Único a se pronunciar contra o projeto, o líder do PSDB, senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), afirmou que o Estatuto da Juventude reproduz, quase literalmente, o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), estendendo sua aplicação aos jovens até 29 anos. Aloysio Nunes ressaltou que, aos 29 anos, o cidadão brasileiro já votou, tem responsabilidade penal, pode ser eleito vereador, prefeito e deputado. Para ele, não existe a necessidade de o Estado estender seu “manto protetor” até essa parcela da população.

 

Agência Estado

Dom Eduardo Pinheiro da Silva, SDB, bispo Auxiliar da Arquidiocese de Campo Grande e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) fala sobre a Campanha da Fraternidade 2013 e questões ligadas à juventude.

 

 

 

O Conselho Nacional da Articulação da Juventude Salesiana (AJS) realizou, entre os dias 14 e 17 de março, no Colégio Santa Rosa, em Niterói, RJ, a sua  a primeira reunião anual (presencial) com a presença de onze dos quinzes jovens conselheiros das diversas Inspetorias dos Salesianos e Salesianas do Brasil. 

 

Os principais objetivos do encontro foram: definir estratégias para o Encontro Continental América  do Movimento Juvenil Salesiano MJS/AJS  2013, que será realizado entre os dias 18 a 21 de Julho, e tem como tema: “Jovem evangelizando Jovem” e para Festa da AJS/ MJS que acontecerá no dia 24 de Julho, ambos  no colégio Santa Rosa, em Niterói, e que contarão com a presença do reitor- mor dos salesianos, padre Pascual Chávez e da madre geral  do Instituto das Filhas de Maria Auxiliadora (FMA), Ivone Reungoat, além de definir a continuidade do processo de consolidação do rosto da AJS do Brasil, por meio do Estatuto da AJS.

 

Superando os desafios de reunir jovens deste conselho, por serem de todos os cantos do Brasil, o encontro teve êxito nos trabalhos, importantes para as ações no mês de julho. Partilha das realidades a partir da ficha reflexiva para o encontro continental, celebração e convivência, foram alguns elementos presentes nestes dias.

 

Os jovens conselheiros também fizeram a entrega do Estatuto da AJS à irmã Rosa Idália Pesca, presidente da Conferência das Inspetorias das Filhas de Maria Auxiliadora no Brasil (CIB), que repassara aos demais inspetores, inspetoras, coordenadoras e delegados da Pastoral Juvenil Salesiana para apreciação e sugestões, como também do projeto financeiro elaborado pelo atual Conselho.

 

Ao termino das atividades, todos puderam conhecer alguns lugares que serão palco das atividades da Jornada Mundial da Juventude no Rio de Janeiro, momento esse que contribuirá para a logística e informação a serem repassadas aos demais grupos que estão se organizando para a JMJ.

 

Diante dos desafios exposto e toda atenção a movimentação salesiana para a Jornada, os próximos passos deste conselho será firmar a construção do Plano de Ação, bienal, da AJS e também do Plano Financeiro para o Conselho Nacional da AJS.

 

Certos que a maior motivação está no trabalho dedicado a cada jovem que faz parte da Articulação Juvenil Salesiana, o Conselho Nacional envia uma carta direcionada a toda a Juventude Salesiana do Brasil.

 

Clique aqui para ler a carta direcionada para toda a Juventude Salesiana do Brasil

 

Demmes Almeida.

 

A partir da pergunta: “O que temos oferecido aos nossos jovens, a que experiências são submetidos em suas famílias, instituições de ensino, comunidades eclesiais, agrupamentos sociais?”, extraída do Texto-base da Campanha da Fraternidade 2013, educadores e jovens de diversas presenças salesianas no País dão sua opinião sobre a CF 2013, os principais problemas enfrentados pelos jovens e o que a pedagogia salesiana pode oferecer em resposta aos anseios da juventude brasileira. Veja os comentários:

 

Pagina 20 de 23