Quarta, 21 Março 2018 15:58

Entrevista: María Eugenia Sehara, representante do MJS-AJS na Reunião Pré-sinodal

Escrito por  ANS
Classifique este artigo
(0 votos)
María Eugenia, ao lado do conselheiro geral salesiano para a Pastoral Juvenil, padre Fábio Attard María Eugenia, ao lado do conselheiro geral salesiano para a Pastoral Juvenil, padre Fábio Attard Foto: ANS

Em 4 de outubro de 2017, o Papa Francisco anunciava uma Reunião Pré-sinodal, de 19 a 24 de março de 2018. Esse encontro está em andamento na sede do Pontifício Conselho Internacional Maria Mater Ecclesiae, em Roma, Itália, e será concluído no próximo 24 de março. María Eugenia Sehara, do Movimento Juvenil Salesiano (MJS, que no Brasil recebe o nome de Articulação da Juventude Salesiana - AJS), formada pelas Filhas de Maria Auxiliadora (FMA) do Uruguai, participa do evento.

 

Como se sente participando da Reunião Pré-sinodal?

Muito feliz. Pertenço ao MJS-AJS do Uruguai. Aproximei-me dele quando estava na escola das FMA e, aos poucos, passei a fazer parte dele.

 

Como avalia a relação entre os jovens do Uruguai e a Igreja?

O Uruguai é um país laico, a relação entre a Igreja e o Uruguai, em geral, é muito fragmentada. Há muitos jovens... mas não há muita participação dos jovens na Igreja. Hoje vai-se buscando uma maior participação.

 

Qual foi a sua experiência no Movimento Juvenil Salesiano?

Quando comecei estava no grupo das Jovens Missionárias Salesianas, um grupo que se preparava para participar na missão. Agora, sou animadora, participo do oratório animando outros jovens e acompanho-os em diversas realidades juvenis.

 

Que esperança lhe dá participar de um encontro como este?

O encontro com jovens de diversos países é a maior riqueza. A expectativa é que esse encontro produza seus frutos e que possamos alcançar algum benefício, e que se realize realmente o que se espera de nós, isto é, que possamos fazer ouvir as nossas vozes.

 

Na Reunião Pré-sinodal estão presentes jovens crentes e não crentes. O que espera?

Os jovens não são só os que participam da Igreja. É uma riqueza poder escutar todos os jovens do mundo.

 

De que modo o MJS-AJS pode contribuir para esse encontro?

O MJS-AJS trabalha com os jovens; temos uma visão ampla da realidade. Do contato com os jovens, de uma perspectiva juvenil, podemos contribuir muito. Creio que a Igreja e que o Papa Francisco, estejam dispostos a escutar.

Fonte: ANS

Lido 1198 vezes

Deixe um comentário