Sábado, 03 Novembro 2012 14:29

Concílio Vaticano II: 50 anos

Escrito por

 

Realizado entre 11 de outubro de 1962 e 8 de dezembro de 1965, o Concílio Vaticano II foi o maior acontecimento da história da Igreja Católica no século XX.

 

Eleito em outubro de 1958, já em janeiro de 1959, João XXIII anuncia a convocação de um Concílio ecumênico. Muitos achavam que já não seriam mais necessários Concílios para a Igreja, mas o bom papa João queria ouvir o episcopado mundial. Assim, ele inicia a grande transição da Igreja para o mundo contemporâneo. O sopro do Espírito impulsionou a Igreja a se confrontar com a história para tornar mais eficaz a sua missão evangelizadora.

Duas expressões orientam o propósito de renovação conciliar. A primeira é a volta às fontes. A Igreja deve reencontrar seus fundamentos evangélicos na grande tradição que vem desde a comunidade apostólica. A segunda é aggiornamento, uma palavra italiana que significava que a Igreja devia “pôr-se em dia” com os tempos. Queria dizer ainda que a Igreja devia deixar para traz o ideal da cristandade medieval e partir para a grande aventura no mundo atual, secular e urbano, marcado pela cultura tecnocientífica e, hoje, midiática. Eis o grande objetivo: a renovação da vitalidade da Igreja em vista de sua presença profética no mundo. Em seu discurso inaugural, o papa João propôs três grandes linhas:

 

Quinta, 08 Novembro 2012 02:00

O mundo emana novas vibrações de fé

Escrito por

 

“‘Que havemos nós de fazer para realizar as obras de Deus?’ (Jo 6,28). Conhecemos a resposta de Jesus: ‘A obra de Deus é esta: crer n’Aquele que Ele enviou’ (Jo 6,29). Por isso, crer em Jesus Cristo é o caminho para se poder chegar definitivamente à salvação. À luz de tudo isto, decidi proclamar um Ano da Fé. Este terá início a 11 de outubro de 2012, no cinquentenário da abertura do Concílio Vaticano II, e terminará na Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo Rei do Universo, a 24 de novembro de 2013...” (papa Bento XVI, em 11 de outubro de 2011).

 

O mês de outubro, para a Igreja Católica e para seus fiéis, foi demarcado no calendário do Vaticano como um dos mais importantes do ano. O Sínodo dos Bispos, evento de grande relevância mundial, realizou-se entre os dias 7 e 28, e no dia 11, foi feito o lançamento do Ano da Fé. O primeiro teve o propósito de reunir os dirigentes da Igreja do mundo todo para refletir sobre como relançar o anúncio do Evangelho na atualidade. O segundo evento, anunciado no ano passado pelo papa Bento XVI, traz um apelo aos fiéis e uma missão aos religiosos, no sentido de resgatar o caminho da Evangelização.

 

Sínodo dos Bispos

A XIII Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos, no Vaticano, em Roma, foi realizada sob o tema “A nova evangelização para a transmissão da fé cristã”. Participaram da assembleia 262 padres sinodais – o maior número da história dos Sínodos –, entre os eleitos nas conferências episcopais de todo o mundo e na União dos Superiores Gerais, e os indicados pelo papa Bento XVI. Os Salesianos estiveram representados pelo reitor-mor, padre Pascual Chávez Villanueva, e outros 15 membros da Família Salesiana, com diversos encargos e competências. Participou também, como convidada, a madre-geral do Instituto das Filhas de Maria Auxiliadora (FMA), irmã Yvonne Reungoat.

Padre Pascual Chavez falou durante o Sínodo sobre a importância de se promoverem as vocações. “Evangelização e vocação são dois elementos indissociáveis. O critério que mede a autenticidade de uma boa evangelização é a sua capacidade de suscitar vocações, de amadurecer projetos de vida evangélica e de envolver integralmente o evangelizado até torná-lo discípulo, testemunha e apóstolo”. Para o reitor-mor, a vocação cristã é um encontro, uma relação pessoal de amizade que preenche o coração e transforma a vida: “Este Sínodo para a Nova Evangelização deve ajudar todos os pastores a serem verdadeiros guias espirituais para os jovens”.

O padre salesiano Luiz Alves de Lima, da Inspetoria Salesiana de São Paulo, participou da Assembleia como assessor e, durante todo o período de realização do Sínodo, enviou notícias diárias à comunidade salesiana, nas quais relata o andamento dos trabalhos, compartilha suas observações e explica os principais pontos de reflexão e debate. Os relatos podem ser lidos na íntegra no site da Inspetoria de São Paulo: <www.salesianos.com.br> ou no portal do Boletim Salesiano: <www.boletimsalesiano.org.br>.

 

Ano da Fé

Na manhã de 11 de outubro, realizou-se a missa de lançamento do Ano da Fé, na Praça São Pedro. Bento XVI presidiu a missa com um total de 400 concelebrantes: 80 cardeais, 14 padres conciliares, oito patriarcas de Igrejas orientais, 191 arcebispos e bispos sinodais e 104 presidentes de Conferências Episcopais de todo o mundo. O dia 11 de outubro, sabiamente escolhido pelo papa Bento XVI, é permeado de grande significado histórico, pois comemoram-se os 50 anos da abertura do Concílio Vaticano II e o 20º aniversário do Catecismo da Igreja Católica. “Se a Igreja hoje propõe um novo Ano da Fé e a nova evangelização, não é para prestar honras, mas porque é necessário, mais ainda do que há 50 anos!”, exclamou o papa.

Bento XVI afirmou que nas últimas décadas observa-se o avanço de uma “desertificação” espiritual, mas que é precisamente a partir da experiência deste vazio que podemos redescobrir a alegria de crer. “O modo como podemos representar este Ano da Fé é uma peregrinação nos desertos do mundo contemporâneo, em que se deve levar apenas o que é essencial, o Evangelho e a fé da Igreja, dos quais os documentos do Concílio Vaticano II são uma expressão luminosa, assim como o Catecismo da Igreja Católica”, ressaltou o sumo pontífice. O encerramento do Ano da Fé, em 24 de novembro de 2013, será na mesma data da solenidade de Cristo Rei.

 

Concílio Vaticano II

Foi em 25 de janeiro de 1959, que o papa João XXIII, aos 78 anos, convocou o clero para uma missão que revolucionaria a estrutura da Igreja Católica: o Concílio Vaticano II. Tal como um restaurador de uma obra de arte, ele primou para que a estrutura fosse preservada, mas que a modernidade e seus benefícios fossem harmoniosamente instalados. O caminho percorrido foi árduo, iniciado em 11 de outubro de 1962, e concluído pouco mais de três anos depois, em dezembro de 1965. O encerramento e as considerações finais dessa fina obra de restauro foram feitos por seu sucessor, o papa Paulo VI, já que João XXIII faleceu em junho de 1963.

Se considerarmos que a sociedade ocidental passava por profundas mudanças, derivadas dos avanços tecnológicos e de reestruturações político geográficas do pós-guerra, as escolhas de João XXIII anteviram os reflexos destas sobre uma Igreja estática. Ao convocar o Concílio, o papa dava início ao projeto de rever toda a estrutura organizacional da Igreja, tornando-a alinhada às mudanças que vinham ocorrendo no mundo.

As crônicas enviadas durante as três semanas do Sínodo focalizavam um determinado momento de sua realização, como é próprio de uma crônica. Sem pretender fazer uma síntese, o que seria impossível dada a extensão e complexidade dos temas tratados, pretendo agora relatar aquilo que me pareceu mais importante no conjunto desse grande evento.

 

A experiência vivida nesses 22 dias é única e incomparável. Foi uma participação intensa de comunhão eclesial em escala mundial, de uma Igreja viva e pujante. Estavam presentes representantes de todos os extratos eclesiais em nível da totalidade do Povo de Deus, tanto hierarquia, como fiéis leigos. Obviamente os Bispos conduziram, trabalharam, tomaram decisões como responsáveis primeiros da Igreja. Entretanto, estavam presentes também sacerdotes, religiosas e religiosos, leigas e leigos comprometidos com a evangelização. A Igreja Católica não é apenas os de rito latino; os católicos ortodoxos orientais estavam presentes em peso. Havia igualmente os "delegados fraternos", de outras igrejas cristãs, preocupadas também com os desafios da evangelização. Chamou a atenção, não tanto a profundidade da reflexão e de decisões, mas, sobretudo o testemunho de experiências realizadas em todas as partes do mundo na busca de novas formas e modos de evangelizar.

 

 

O modelo de estudo e meditação é tão antigo quanto o cristianismo e, tal como a mística da fé, vem tocando os corações de seus adeptos desde então. A leitura orante aplicada na educação e evangelização dos jovens lhes desperta encantamento no contato com Deus.

Estima-se que haja mais de 2,5 bilhões de exemplares da Bíblia Sagrada em todo mundo, e mais de 2.500 traduções de suas páginas nos dias de hoje. No mês de setembro, quando se comemora o Mês da Bíblia, o Boletim Salesiano destaca a Lectio Divina, a leitura orante, uma metodologia de leitura deste livro que remonta há mais de 1.000 anos e que continua atual, no desafio de propagar o conhecimento da palavra de Deus.

Padre Edmilson Tadeu Canavarros dos Santos, vice-inspetor da Inspetoria de Campo Grande, MS, observa que os tempos de hoje são mais favoráveis à leitura da Bíblia. “Hoje temos mais pessoas alfabetizadas, além de uma vasta literatura que subsidia a Lectio Divina, quando a metodologia é aplicada. Certamente hoje temos mais pessoas com acesso à Palavra de Deus e com mais capacidade de entendê-la”, analisa.

 

O Sistema Salesiano Cooperador de Comunicação (SSCCOM) entrevistou dom Antonio Carlos Altieri, recém-nomeado arcebispo de Passo Fundo, RS.

Pagina 18 de 18