Terça, 17 Março 2015 02:01

A janela alternativa

Escrito por  Wellington Gonçalves
Classifique este artigo
(0 votos)

Certo dia, na pastoral do colégio em que trabalhava, decidi acessar o Twitter e ver o que havia de novo, quando me deparei com uma postagem de um aluno que, em plena aula de história, dizia assim: “Aula chata”! Esse tipo de situação à primeira vista causa espanto e pode até parecer cômica, mas afirma uma realidade muito comum entre os jovens de hoje. A janela aberta do mundo digital ajuda a criar uma “vida alternativa”. Aquele jovem, de fato, estava mais presente no mundo virtual do que em sua aula de história.

A juventude dessa nova geração, da qual também eu faço parte, tem uma facilidade incrível de transitar rapidamente entre essas duas realidades: local e virtual. Os jovens possuem uma lista cheia de amigos nas redes sociais e promovem uma vida dentro da rede que nem sempre é compatível com a que é vivida fora dela, em casa, com a família, na escola, com os amigos. A partir daí começam os desafios para os educadores.

Enquanto pensava nisso, resolvi analisar minha lista de amizades nas redes sociais que frequento e, apesar de cheias, não representam a realidade das relações que vivo com aquele grande número de pessoas tanto dentro quanto fora da rede. Mas afinal, qual será essa necessidade de termos sempre as listas cheias?

Existem muitas pessoas que usam as redes sociais para se relacionar, trocar informações e debater questões importantes em grupos, já outras preferem utilizar tão somente como lazer e entretenimento. O risco está justamente em fazer mau uso dessas ferramentas cibernéticas, que por serem tão abrangentes, são igualmente muito perigosas.

Quanto risco pode correr um jovem ao deparar com pessoas mal intencionadas, que fazem uso da rede para fazer vítimas, ou quanto risco pode ele mesmo correr criando um personagem que vive apenas dentro da rede e extravasa tudo aquilo que fora ele não se sente capaz de fazer? O que fazer então? Defender o uso responsável da rede. Isso quer dizer, sim, que é preciso se educar para fazer uso dela, todos correm os mesmos riscos de cair em armadilhas.

Internet é sinônimo de muita coisa boa: relacionamentos expandidos, fonte de conhecimento, campo de debate de questões fundamentais e tantas outras coisas mais. Façamos bom uso dela e vamos descobrir que ela pode deixar de ser apenas uma janela alternativa, e que podemos ver através dela o mundo real.

 

Wellington Gonçalves é ex-aluno salesiano e atualmente cursa Filosofia na Faculdade Salesiana Dom Bosco e colabora como catequista na Paróquia Dom Bosco, no Centro de Manaus, AM

Lido 7000 vezes Modificado em Terça, 30 Junho 2015 17:58

Deixe um comentário