Missões (354)

 

O “Centro de Capacitação” salesiano de Cáli, na Colômbia, está empenhado em devolver a esperança a crianças e adolescentes que por anos viveram os horrores da guerra como soldados-mirins. Recentemente, a “National Public Radio” (NPR), dedicou um artigo à história desses jovenzinhos.

 

Luis e Jasmine, hoje com 20 anos, foram formados para serem válidos soldados-mirins; mas hoje no centro de Cáli recebem uma formação totalmente diferente, baseada no acompanhamento e na educação.

 

“Luis Bedoya tem rosto magro, com traços de criança – conta o cronista da NPR, Juan Forero –. E parece ainda uma criança quando enverga o enorme avental, as luvas espessas e o capacete metalizado – instrumentos de um aprendiz de soldagem no ‘Centro de Capacitação’, nesta cidade ao sul da Colômbia. (…) Jasmine empenha-se em cursos de culinária e pensa em estudos superiores – um dia, quem sabe, poderá montar um restaurante todo seu”.

 

Resgatados pelo exército, foram enviados ao Centro de Capacitação de Cáli, um dos centros estabelecidos para a recuperação dos ex-soldados-mirins. É um daqueles lugares em que cotidianamente se podem encontrar dezenas de crianças e adolescentes em um grande pátio, enquanto outros jogam pingue-pongue ou ouvem música. A maior parte dos ex-soldados frequenta um curso de formação profissional.

 

O ambiente é amplo, dotado de salas de aulas, de campos de basquete, de dormitório, de oficinas. Hoje é a casa de muitos meninos e meninas, como também de muitos jovens adultos, que desertaram os rebeldes das FARC (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) ou foram recuperados de outro modo.

 

São meninos e meninas que no passado foram recrutados pelos guerrilheiros, por vezes, até raptados, e obrigados a fazer “o trabalho sujo” da guerra, isto é, aquele mais perigoso. Muitos deles na vida só conheceram a guerra: muitos foram levados, adestrados na vida militar, privados da infância. Quem conseguiu escapar do pesadelo, dispunha realmente de  poucos lugares onde pedir ajuda.

 

As lutas na Colômbia já duram mais de 40 anos: são conflitos brutais entre vários grupos armados que lutam pelo poder e pelo controle do território. Todos os grupos cometeram abusos contra civis inocentes. Segundo o Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância), cerca de 5000 pessoas são mortas todos os anos, e a maior parte dentre a população civil. Desde 1985 mais de dois milhões de pessoas – isto é, quase um colombiano sobre 20 – foram obrigadas pela guerra a abandonar a própria terra e casa.

 

Atualmente governo e rebeldes estão realizando tratativas de paz, mas o recrutamento de crianças pelas FARC parece não se deter. Atualmente cerca de 500 crianças em todo o país estão inseridas nos programas de reabilitação, semelhantes àqueles desenvolvidos pelo Instituto Salesiano de Cáli; e se, como se espera, chegar a paz, o número de crianças necessitadas de tais programas será ainda muito maior.

 

“Rezemos para que chegue a paz” – diz o padre Mark Hyde, diretor da Procuradoria Missionária Salesiana, de Nova Rochelle, em Nova York, EUA, que sustenta, entre as numerosas obras, também o Centro de Cáli –. E quando a paz exigir mais programas semelhantes a esse, os salesianos ali estarão para ir ao encontro dessa imperiosa exigência”.

 

InfoANS

Atendendo ao pedido do governo eleitoapós a chamada Revolução Democrática, que reconheceu o alto valor das escolas e instituições sociais católicas, chegaram à Mongólia em 1992 três sacerdotes (Wenceslao Padilla, Gilbert e Robert) e cinco religiosos da Congregação do Imaculado Coração de Maria.

Em 2002,quando o Vaticano elevou a missão de Ulan Bator a prefeitura apostólica, os fiéis eram apenas 114. A comunidade católica tem crescido, “lenta mas constantemente”, e hoje os cerca de 800 católicos, em um total de 2,7 milhões de habitantes, têm quatro paróquias: três na capital e uma em Darkhan.

No iníciodo novo milênio, monsenhor Wenceslao Padilla chamou os salesianos para a Mongólia. Em 2000, seis salesianos partiram para a missão. Padre Andrew Nguyen Trung Tin, atual superior da Delegação da Mongólia, que era então diácono, explica: “Estávamos prontos para qualquer lugar do mundo. O superior nos confiou a missão de uma obra salesiana na Mongólia, então viemos”.

O salesiano irmão, Lothar Wagner, da obra salesiana “Dom Bosco Fambul”, enviou em 19 de abril o relatório anual do Centro de acolhida para meninas vítimas de violência, que há dois anos funciona na obra. Desde que foi aberto, os agentes do centro relacionaram 521 casos de meninas e jovens mulheres vitimadas pela violência, a partir da intervenção de crise e prosseguindo com o acompanhamento e apoio a longo prazo.

 

O centro de acolhida, aberto 24 horas, é gerido por agentes sociopastorais profissionais. No seu segundo relatório anual, irmão Lothar Wagner apresentou dados estarrecedores, pois consta que estão aumentando não só os casos de violência sobre as mulheres, mas também sobre crianças e meninas com menos de 14 anos.

 

“Algumas das jovens são mantidas como escravas pelos seus torturadores com frequência por anos” – disse Wagner aos jornalistas. Apresentando o perfil criminoso dos autores das violências, o salesiano ressaltou que com frequência se trata de professores, de chefes religiosos, assim como de desconhecidos mas ativos no tráfico de crianças e adolescentes.

 

Com dados em mão, o salesiano também criticou com veemência as autoridades investigadoras, porque parecem aceitar uma “cultura da impunidade”. E relatou o caso de uma menina de 13 anos que, após sofrer violência de grupo por parte de cinco rapazes, e ter sido submetida durante cinco dias a tratamentos intensivos, morreu. A polícia nunca indagou sobre o caso, apesar dos repetidos apelos apresentados pelo ‘Dom Bosco Fambul’.

 

Os processos de investigação de 37 episódios de violência, além disso, foram abertamente manipulados ou deliberadamente refreados pelas autoridades investigadoras. Os responsáveis foram soltos e desapareceram sem deixar traço, apesar das provas evidentes contra eles. Só uma pequena parte dos casos de violência chega até o tribunal para ser punida: apenas quatro dessas 37 vítimas de estupro estão procedendo em tribunal contra as manipulações das autoridades, a despeito de que um grande número dessas jovens tenha ficado gravemente traumatizada. “Obviamente, nós nos preocupamos também para que essas meninas não voltem a ser novamente vitimadas, e que o seu trauma não se repita” – explica Wagner.

 

O chefe do departamento da linha de crise para crianças e meninos do ‘Don Bosco Fambul’ apresentou estatísticas que confirmam plenamente a tese de Wagner. Segundo uma pesquisa sobre os temas “abuso sexual” e “estupro”, tais atos sofreram um aumento nos últimos anos: 745 meninas e 34 meninos afirmaram ter sofrido casos de violência sexual, e a maior parte deles não quer apresentar denúncia à polícia contra os responsáveis.

 

Nos próximos anos, prometeu Wagner, ‘Dom Bosco Fambul’ intensificará ainda mais os serviços do Centro de acolhida para meninas vítimas de violência e a sua ação de pressão sobre a opinião pública e as autoridades, a fim de que se conteste com veemência o problema.

 

InfoANS

A comunidade indígena Rouxinol, localizada no rio Caniço na Bacia do Tarumã-Açu recebeu, no dia 27 de abril, mais uma ação do projeto de preservação cultural organizado pela Faculdade Salesiana Dom Bosco (FSDB) de Manaus, AM, em parceria com o hotel de selva Amazon Ecopark e Fundação Floresta Viva.

 

O projeto é desenvolvido desde 2007 e envolve ações educativas voltadas para a preservação da língua nativa dos indígenas. O encontro contou com uma missa em tucano, celebrada pelos padres Justino Sarmento e Reginaldo Cordeiro; danças típicas e rituais indígenas; visita à Central de Artesanato e atividades lúdicas junto às crianças da comunidade.

 

Cerca de 60 acadêmicos e voluntários da Fundação Floresta Viva (FFV) estão envolvidos na ação. Para o diretor de ações comunitárias da FSDB, padre Cânio Grimaldi, o aprendizado neste tipo de atividade é constante. “Há muito a aprender com os indígenas, são tradições milenares, culturas, ritos e mitos que ensinam. Haverá sempre a troca de aprendizagem, pois o branco aprende com o índio e vice-versa”.

 

Por meio do projeto a FSDB fomenta emprego e renda para a comunidade, pois proporciona visitas e a compra de artesanatos produzidos pelos próprios indígenas. A parceria com o hotel de selva Amazon Ecopark garante o transporte dos acadêmicos e colaboradores que organizam a programação e as ações educativas. O diretor-presidente da Fundação Floresta, David Israel, destaca as ações desenvolvidas pelo projeto e os benefícios levados não apenas à comunidade, mas a todos envolvidos no projeto. “Os indígenas nos mostram como viver com alegria e em harmonia com a natureza. É gratificante fazer parte desta ação e eu só tenho a agradecer a oportunidade de aprender com esse povo. Nós sempre nos achamos superiores, mas devemos ser humildes, pois a bagagem cultural que os indígenas possuem é fascinante”, declarou o diretor.

 

Um pouco da história

 

A Faculdade Salesiana Dom Bosco tem tradição na formação indígena no alto Rio Negro. São mais de 90 anos na Amazônia preservando a língua, a cultura, os ritos e mitos das várias etnias existentes em São Gabriel da Cachoeira como Tucanos, Dessanas, Baniwas e Paricatas. Além das línguas nativas, há o predomínio da linguagem Tucana e do Nheengatu. Muitos indígenas migraram para Manaus criando algumas comunidades, sendo uma delas a Comunidade Rouxinol, local onde a FSDB e a FFV desenvolvem ações e atividades que demonstram a consciência da importância da preservação não somente da natureza, mas da cultura desses povos.

 

Assessoria de Comunicação da FSDB                  

 

A guerra civil na Síria continua destruindo casas, vidas humanas e agora também a esperança e a fé dos jovens  - e o que relata o padre Munir El Rai, inspetor salesiano para o Oriente Médio, que nas duas últimas semanas esteve na Síria. De acordo com o padre, os jovens estão sem esperança e perguntam “onde está Deus”.

Segunda-feira, 8 de abril - "Apenas cheguei a Damasco, Capital da Síria, partindo do Líbano, onde participara dos exercícios espirituais com 22 coirmãos, uma forte explosão sacudiu o centro da Capital. Mais uma vez o sangue de uma vintena de vítimas se acrescentou ao de tantas outras. O povo continua vivendo na total insegurança, por causa das frequentes explosões – de tiros ou de morteiros. Respira-se o ar de sofrimento, de tristeza, de dor. Vi o pranto de dois meninos que perderam o pai saíra  para o trabalho e que na dor, correram a nós como  parte de sua família.

 

A situação geral de Damasco, cidade cosmopolita, com perto de 5.000 000 habitantes, nunca fora tão dramática e preocupante como em outras cidades, embora os ruídos da guerra se ouvissem todos os dias e quase todas as horas. De fato, a primeira explosão em Damasco ocorreu em dezembro de 2011, e poucas outras seguiram, mas esporadicamente.

 

A partir do mês de julho de 2012, a atmosfera mudou radicalmente, por causa de vários atentados. Desde então as atividades se fizeram somente pela manhã e com certa trepidação, pela insegurança no transporte dos jovens, cujo número diminuiu sensivelmente.

No início de outubro, cerca de 80 rapazes participavam do ano escolar e catequético, no ensino fundamental e médio. Em 21 de outubro, uma grande explosão no centro cidade provocou cerca de 15 mortes, em Bab Touma, zona prevalentemente cristã. As atividades do centro juvenil foram suspensas. Depois disso, as explosões voltaram a ocorrer de novo esporadicamente, em vários bairros da cidade. Os alunos das classes elementares e médias são raramente convocados. E a sua presença diminuiu consideravelmente.

 

Em 2013, a guerra e as explosões continuaram, causando muitas vítimas. Apesar dessa situação, procurou-se fazer alguma coisa. No mês de janeiro voltou a reflorir a vida no centro juvenil, com a presença de cerca de 140 meninos e meninas. Nos meses de fevereiro e março, o clima de guerra não permitiu a realização ordinária das atividades. Isso obrigou-nos a buscar outras formas de contato com os jovens e suas famílias: visita a uma centena de famílias, proposta de pequenas colônias de férias internas por grupos, retiro de dois dias para alguns ginasianos; a celebração da Festa de Dom Bosco, no dia 7 de fevereiro, com a presença de cerca de 80 crianças e jovens; um retiro de três dias para alguns universitários; confissões para uns 30 alunos das classes elementares e médias.

 

Depois da Páscoa, notou-se certa retomada na participação, mas antes de convocar os rapazes, pedem-se informações aos catequistas e colaboradores sobre a situação nos vários bairros. Dependendo das respostas e se as circunstâncias não mudarem, deveremos impostar as nossas atividades pastoral-educativas mediante visitas às famílias dos nossos meninos e jovens, e com frequentes convocações de pequenos grupos para um encontro de três dias de formação humana, espiritual e salesiana".

 

Clique aqui para novos relatos do padre Munir sobre a situação na Síria.

 

InfoANS

O Parlamento do Paraguai, reunido em sessão solene na sala bicameral do Congresso, entregou o diploma de reconhecimento ao padre salesiano José Zanardini, pelo trabalho realizado em prol da educação das populações indígenas da região do Chaco. A honorificência premia o trabalho desenvolvido pelos salesianos do Paraguai, que contribuiu para a promulgação de algumas leis em favor das comunidades indígenas.

 

Os Salesianos chegaram ao Paraguai em 1896 e fundaram sua primeira obra, formada por uma igreja, um oratório e oficinas de artes e ofícios – na capital Assunção, vizinha ao porto sobre o Rio Paraguai. A preocupação missionária os motivou, desde os primeiros anos, a atravessar o rio e seguir rumo ao norte, para fundar missões entre os indígenas. Em 1948 foi criado o Vicariato Apostólico do Chaco, confiado aos salesianos na pessoa de Dom Ángel Muzzolón, bispo salesiano.

 

No território do Vicariato existem nove etnias diferentes, com línguas e culturas também distintas. Inicialmente as missões começaram a trabalhar segundo os esquemas tradicionais. Mas depois do Concílio Vaticano II e graças à contribuição das ciências antropológicas, o trabalho pastoral e cultural com as populações indígenas se renovou, para adaptar-se às suas novas exigências. Foi um trabalho que, articulado em vários âmbitos, procurou garantir a sobrevivência das populações por longos séculos marginalizadas e humilhadas.

 

Há atualmente no Paraguai cerca de 25.000 alunos nas escolas indígenas e aproximadamente  1500 professores, em sua maioria, indígenas. As cerca de 500 escolas indígenas presentes no território nacional gozam todas de manutenção estatal.

 

Padre José Zanardini

 

Padre José Zanardini nasceu em 1942, em Bréscia, na Itália. Ordenado sacerdote em 28 de maio de 1975, em Chiari, Itália, chegou em 1978 ao Paraguai, onde desenvolveu todo o seu trabalho apostólico. Entre os anos de 1985 a 1991 foi encarregado da Missão Indígena de Puerto M. A., Chaco. Atualmente é professor de antropologia social na Universidade Católica, tendo sido convidado por muitas nações da América, Europa e Ásia, para falar sobre os indígenas, cultura, interculturalidade e revitalização das línguas como instrumento de reforço de identidade. Desde 2008, é assessor permanente do Ministério da Educação e Cultura do país, empenhado em preparar os novos programas das escolas indígenas pelo rumo das suas exigências.

 

Clique aqui para ler a matéria na íntegra

Segunda, 11 Março 2013 18:58

Salesianos inauguram centro para jovens em Camboja

Escrito por

Após meses de espera, foi inaugurado oficialmente nos dias 5 e 7 de março o “Dom Bosco Vocational Centre” (Centro Profissional Dom Bosco ), em Kep City, no Camboja. As celebrações pela inauguração do centro começaram no dia 05 de março e contaram com a presença de guias religiosos das comunidades locais muçulmanas e budistas, do vigário apostólico de Phnom Penh, Dom Oliviere Schimitthaeusler, além de alunos de várias escolas de toda a província de Kep. O Centro Dom Bosco será destinado para a qualificação profissional dos jovens da região.

 

Os principais benefícios que a obra salesiana oferecerá, tanto aos jovens da província de Kep como aos jovens de outras províncias rurais limítrofes, será a possibilidade deles continuarem em suas províncias de origem, mas com melhores condições de trabalho e de vida. Além disso, o centro salesiano contribuirá para que os jovens tenham a oportunidade de se qualificar para futuramente conseguirem boas ocupações profissionais nas grandes cidades, eliminando desse modo, o risco de acabarem marginalizados como tantos jovens que emigram dos campos para as áreas metropolitanas de Phnom Penh e Sihanoukville.

 

O centro de Kep oferece cursos nas áreas de Comunicação Social, Artes, Tecnologias da Informação, Ecoturismo, atividades de secretaria, Albergaria e Relações Públicas.

 

Histórico

 

O Centro Profissional Dom Bosco, de Kep, veio se transformando ao longo do tempo: no início era uma simples área de campo, onde os salesianos e os alunos faziam os retiros espirituais; posteriormente se transformou em uma pequena oficina de costura e agora integra um vasto leque de atividades e de serviços educativos, cujos primeiros beneficiários são os jovens que não possuem qualificações profissionais.

 

InfoANS

Terça, 05 Fevereiro 2013 15:49

Nasce uma congregação religiosa indígena na Guatemala

Escrito por

O último dia 31 de janeiro, festa de Dom Bosco, foi uma data  histórica para a missão salesiana, de Carchá, na Guatemala. Os “Missionários de Cristo Bom Pastor”, grupo religioso masculino, obteve o reconhecimento canônico como congregação religiosa diocesana sob a autoridade do bispo local. A nova congregação conta com quatro professos perpétuos, sete professos temporários, quatro noviços e 39 pré-noviços.

 

A celebração teve como ato central uma missa solene campal, presidida pelo bispo local, dom Rodolfo Valenzuela, acompanhado por diversos sacerdotes salesianos e diocesanos. Participaram da celebração 1.600 estudantes dos três centros.

 

A nova congregação teve como guia e impulsionador o padre salesiano Antônio De Groot. Nascido na Holanda, mas criado na Austrália, padre De Groot chegou à missão de Carchá no ano de 1975. Ali começou a estimular o crescimento humano e cristão dos jovens, através da educação. No princípio o projeto educativo contava apenas com um pequeno grupo de jovens, mas logo a iniciativa começou a dar frutos e a crescer resultando em três grandes institutos: em Carchá, em Raxruhá e em Chamelco, que hoje acolhem globalmente 1.600 jovens índios, em sua maioria de etnia qeqchí.

 

Para garantir a eficácia e a continuidade do projeto, denominado Centro Dom Bosco,  padre De Groot convidou os jovens desses centros a unir-se num grupo religioso. Em seguida, à medida que o pequeno grupo de membros adquiria consistência numérica e identidade espiritual, começou a serem definidos os Estatutos, as Constituições e os Regulamentos. Desse modo ia se desenvolvendo os “Missionários de Cristo Bom Pastor”, que agora é uma congregação religiosa diocesana de espiritualidade salesiana.

 

A oferta formativa do projeto Centro Dom Bosco se concentra nos estudos escolares de base, com uma especial atenção à formação de habilitações técnicas, úteis no contexto local. O programa oferece um cuidado rigoroso ao trabalho e ao estudo. Os jovens estudantes internos, além disso, desenvolvem atividades pastorais em 42 vilas próximas para encorajar os seus coetâneos a crescerem humana e cristãmente.

 

O Centro Dom Bosco é a versão masculina de outro projeto educativo paralelo pensado para as jovens indígenas, chamado “Talita Kumi”, nascido por inspiração do missionário salesiano indiano, padre Jorge Puthenpura, e animado pela Congregação das Irmãs da Ressurreição.

 

Ambas as obras educativas são parte de um trabalho missionário maior desenvolvido pela comunidade salesiana, composta de nove missionários que trabalham em colaboração com vários grupos da Família Salesiana.

 

InfoANS

No último dia 11 de novembro, data do aniversário da primeira expedição missionária de 1875, o conselheiro para as Missões, padre Václav Klement, lançou, em Roma, um apelo para a 144ª Expedição Missionária Salesiana que sairá da Basílica de Maria Auxiliadora no dia 29 de setembro de 2013. No site www.sdb.org é possível conferir a lista dos locais que necessitam de missionários salesianos, educadores e evangelizadores.

 

O apelo, na verdade, é uma carta enviada aos superiores das inspetorias e visitadorias da Congregação em 11 de Novembro, em memória àquele dia de 1875 que marcou, com a entrega do crucifixo por Dom Bosco ao primeiro grupo de salesianos, o início da aventura missionária da Congregação.

 

O conselheiro para as Missões observa que "a motivação profunda da opção missionária não pode ser outra senão uma profunda fé em Jesus Cristo, que induz a segui-lo de uma forma mais radical, onde quer que o Senhor chame para servi-lo. É também a expressão da paixão de compartilhar a experiência da plenitude da vida em Cristo. Para nós, salesianos, a opção missionária é também uma expressão da alegria e entusiasmo em viver a nossa vocação salesiana. É assim que vos convido a responder generosamente ao chamado do Senhor para proclamar ad gentes - ad exteros – ad vitam: ‘Ide por todo o mundo’ (Mt 28:18-20)".

 

Para ajudar os superiores das circunscrições e os salesianos que desejam ser missionários, a escolher uma opção missionária ad gentes, padre Klement recorda a importância do discernimento correto de uma escolha que é, por sua natureza, uma vocação. Para isso, basta comunicar a disponibilidade por meio de uma carta endereçada ao conselheiro para as Missões ou ao reitor-mor, padre Pascual Chávez, possivelmente antes do próximo dia 31 de janeiro. "Cada candidato deve estar totalmente à disposição do reitor-mor de acordo com as necessidades da congregação. Ele pode, no entanto, expressar preferências ou maior predisposição por um território específico missionário".

 

No site sdb.org há também uma lista de vários lugares que precisam de novos missionários, um mapa com as solicitações de todos os continentes, incluindo a Europa e com os quais, desde 2009, a Congregação Salesiana se comprometeu por meio do Projeto Europa, após um processo de análise e estudo. A lista contém também outras informações importantes como, por exemplo, quais são as línguas necessárias, descrições e características do trabalho e do ambiente em que se encontra e as qualidades exigidas aos missionários.

 

Inspetoria Salesiana de São Paulo e InfoANS

Sábado, 03 Novembro 2012 15:12

Síria: os salesianos no olho do furacão

Escrito por

 

Padre Munir El Rai, inspetor salesiano no Oriente Médio, relatou, em setembro, a situação da Síria. Um testemunho de como os salesianos vivem, junto aos jovens a eles confiados, nessa terra assolada pela violência.

 

A situação da Síria está piorando, Alepo, Damasco e arredores são atacados e bombardeados. A falta de combustível, eletricidade, água, pão, gás, gasolina e automóveis, bem como a paralização dos mercados e o desemprego, aumentamainsegurança e o caos. As comunicações eletrônicas tornaram-se difíceis. A situação econômica geral piora a olhos vistos, o que motiva o fechamento de fábricas e outras atividades e o crescimento do desemprego.

Mais de 30.000 pessoas foram mortas, os feridos são cerca de 200.000, com milhares de famílias entre os desabrigados e refugiados. A violência foi desencadeada, com homicídios, sequestros, atos de vandalismo, saques, incêndios nos edifícios governamentais e instalações públicas. A violência devastou e reduziu em pedaços o tecido demográfico e a antiga convivência.

Desde meados de março de 2011, a Síria – que se destaca no mundo pela sua riqueza histórica, sua cultura e o sadio e exemplar pluralismo – está vivendo um caos sem precedentes. Nesse momento não conseguimos ver a luz no fim do túnel. Estamos muito tristes, preocupados e desanimados pelo que está ocorrendo no decorrer desse último ano e meio. Mas mantemos a esperança de que uma solução pacífica será encontrada.

 

Pagina 25 de 26