Quarta, 18 Julho 2018 15:02

“Não te esqueças de nós!”

Escrito por 
Classifique este artigo
(0 votos)
“Não te esqueças de nós!” iStock.com

Andando por Damasco e Alepo, o Reitor-mor diz que viu “dignidade, belíssimos e afetuosos sorrisos, esperança, comunhão e fraternidade”. Essas são cidades envolvidas numa guerra que está devastando um país. Por outro lado, no Brasil, mesmo não estando em guerra, vemos uma assustadora violência que faz parte das nossas vidas cotidianas. Nesta edição do Boletim Salesiano, o leitor poderá entrar em contato com várias matérias que tratam desse assunto. Leia o Boletim Salesiano na versão digital em: goo.gl/d7hrE5

 

A Campanha da Fraternidade deste ano nos propôs a superação da violência. Iago Rodrigues Ervanovite, citando uma pesquisa nos mostra dados alarmantes de mortes violentas acontecidas no último decênio: são 533 mil brasileiros vitimados. Porém, chama nossa atenção o fato de que 54% destes são jovens. Muitas pessoas pensam que é “reproduzindo o desejo animalesco de vingança que diminuiremos o mal que assola a sociedade. É combatendo esse desejo (e o discurso de seus interlocutores) que nos tornaremos cada vez mais filhos e filhas de Deus”, diz Iago.

 

O padre Marcos Sandrini trata do tema da religião na superação da violência. “A religião é fascinante porque não pega apenas uma parte da pessoa, mas a pessoa inteira: física, psicológica, social, cultural, econômica, política... Tudo passa pelo seu crivo. Ela é fascinante, mas, ao mesmo tempo, é tremenda porque pode nos levar a fanatismos profundos”, afirma. 

 

Ao mesmo tempo em que jovens estão sofrendo pelas violências, tanto da guerra como de tantas outras formas, veladas ou não, vemos jovens que tentam construir as suas vidas, alimentando uma grande esperança de poderem se realizar como pessoas humanas. Cito o caso de jovens que entraram em uma obra salesiana como educandos e hoje são educadores.

 

Outra atividade para os jovens é a “Rota Juvenil Salesiana – uma visita guiada que levará os jovens e a Família Salesiana a uma intensa experiência de alegria e espiritualidade e a ter um contato direto com a natureza e com a cultura dos povos Xavante e Bororo de Mato Grosso”, diz Fládima Christofari. No norte do Brasil, uma casa acolhe refugiados e pessoas que buscam emprego digno. Algumas Filhas de Maria Auxiliadora “já embarcaram na proposta e, junto com os voluntários, leigos e leigas, começam a dar visibilidade à obra que muito carece de pessoas generosas e solidárias que possam doar uma manhã ou uma tarde por semana a esses irmãos refugiados”, afirma frei Alex, da Casa de Acolhida Santa Catarina.

 

“Os adolescentes e jovens samaritanos estão por todo lado. Homens e mulheres identificados com a sede de Dom Bosco continuam a despertar ações educativas e evangelizadoras”, afirma o padre João Mendonça no seu artigo sobre “o poço salesiano”. Ele nos diz que “é preciso saciar a sede da proximidade. Estar com o outro para conhecê-lo, valorizá-lo e acompanhá-lo em novos empreendimentos”.

 

E o Boletim Salesiano não poderia deixar de falar também daqueles que já deram a sua contribuição para o crescimento do Reino de Deus através de ações concretas em favor de tantas pessoas e jovens. Neste sentido o leitor encontrará uma breve descrição da história do venerável padre Rodolfo Komorek, que viveu grande parte de sua vida no Brasil.

 

Na Síria os jovens disseram para o Reitor-mor: “não te esqueças de nós!”. Este é o brado dos jovens, que sobe de todos os lugares do mundo, conclamando a Família Salesiana a continuar realizando com muita esperança a sua missão, educando e evangelizando a juventude.

Lido 802 vezes

Deixe um comentário