Sexta, 13 Abril 2018 16:01

Educação para a justiça e a paz com a força profética do Sistema Preventivo

Escrito por  Celene Couto Rodrigues | noviça
Classifique este artigo
(0 votos)

Vivemos em um mundo marcado por profundas transformações no campo da tecnologia que desencadearam mudanças significativas nas relações pessoais, políticas, econômicas, culturais e também com o transcendente. A compressão do espaço pelo tempo coloca em voga um imediatismo relacional, cada vez maior, gestando e reproduzindo uma sociedade em “tensão para o agora”. Bermman afirma que vivemos um momento em que “tudo o que é sólido se desmancha no ar” e, por isso, podemos observar a liquidez das relações, dos sonhos e planos para o futuro.

 

É exatamente esse ponto que toca os jovens. Cronologicamente, a juventude é a fase da vida que se caracteriza por seu jeito específico de falar, se expressar, de se vestir e de agir. Tempo de projetar, sonhar e se arriscar. Os jovens são vistos, de forma geral, como aqueles que querem e podem transformar o mundo. Neles, constatamos grandes ideais, a força física e o tempo para colocar em prática todos os seus anseios interiores.

 

Eles vivem com a leveza e a liberdade pois sabem que para a sociedade, têm o direito de errar, por serem novos e também em formação. Assim, arriscam-se com maior facilidade e tranquilidade para tão somente depois de vivida, avaliar a experiência. No que tange a formação, a vivência de experiências e a avaliação, são direcionados a um itinerário que deve ser percorrido por meio da educação. Apenas a educação permite formar para a sensibilidade social e política e para o despertar das potencialidades de cada pessoa, podendo assim, no momento oportuno, fazer escolhas significativas para a vida.

 

A precariedade do sistema educativo sinaliza, para nós, um olhar mais atento para as “bandeiras” levantadas pelos jovens na atualidade, as causas e motivações pelas quais estão doando suas vidas. Um processo educativo falho resulta em uma sociedade sem sonhos transformados em projetos, e por conseguinte, sem realizações pessoais.

 

Já compartilhando dessa visão, nos anos 1800, Dom Bosco exortava os seus salesianos: “Quereis fazer uma coisa boa? Educai a juventude. Quereis fazer uma coisa santa? Educai a juventude. Quereis fazer uma coisa santíssima? Educai a juventude. Quereis fazer uma coisa divina? Educai a juventude” (EDEBE,2012).

 

A preferência, urgência e escolha de Dom Bosco em educar a juventude se dá pelo fato de enxergá-los como um pequeno grão de mostarda que, ao ser plantado e cultivado, produz grandes frutos. Ele acreditava na força da semente, ou seja, acreditava no potencial dos jovens, para se tornarem bons cristãos e honestos cidadãos e assim transformar e construir um novo mundo com as próprias mãos: a Civilização do Amor.

 

Toque AQUI para continuar a ler.

Lido 1187 vezes Modificado em Segunda, 25 Junho 2018 19:29

Deixe um comentário