Segunda, 12 Março 2018 17:52

Síria: “Escrevo-lhes em dias de morte e sofrimento” Destaque

Escrito por  P. Mounir Hanachi, Diretor da comunidade salesiana de Damasco
Classifique este artigo
(0 votos)
Atividades no oratório salesiano de Damasco, fechado há quatro semanas por causa da guerra Atividades no oratório salesiano de Damasco, fechado há quatro semanas por causa da guerra Foto: ANS

O oratório salesiano de Damasco, capital da Síria, entrou na quarta semana de fechamento forçado. É uma situação totalmente fora do normal para um local dedicado à socialização e à educação da juventude, porém necessária. São muitos os sírios que deixaram o país nesses sete anos de guerra. Infelizmente, essa hemorragia de gente e de forças continua. Da obra salesiana na Capital síria, o seu diretor partilha mais uma amarga e dolorosa carta.

 

Caros irmãos e irmãs, sempre lhes escrevo da Síria. Sou o padre Mounir Hanachi, diretor da comunidade salesiana de Damasco. Escrevo-lhes em dias sempre cheios de morte e sofrimento para este povo sírio por causa da guerra.

 

Já estamos quase começando o oitavo ano desta guerra triste e feroz, que tem causado tantos mortos e tantos desabrigados dentro e fora da Síria. Caros Irmãos, a morte continua em Damasco nestas semanas depois do intenso assalto do exército nacional sírio para libertar Ghouta oriental, zona habitada pelos rebeldes há mais de cinco anos. A capital sofreu muito nestes anos pelas bombas e morteiros sobre escolas e casas: são muitas as mortes de crianças e de civis. Civis inocentes. Também nós, Salesianos, tivemos a nossa cota de sofrimento: por isso fomos obrigados várias vezes a fechar as portas do nosso oratório e centro juvenil mesmo perante as mais de 1.200 pessoas, entre crianças e jovens, que buscam por um lugar de serenidade e de paz ao vir aos nossos ambientes.

 

Nas últimas semanas a situação da guerra no Ghouta oriental aumentou. Esta é a quarta semana de fechamento do oratório salesiano: os jovens e crianças ficam fechados em casa, as aulas estão suspensas e a vida, na capital, semiparalisada.

 

Nestes anos perderam-se muitas famílias e muitos jovens: eles deixaram a Síria em busca de refúgio no exterior. Também as famílias remanescentes começam agora a buscar formas de deixar o seu país.

 

Caros irmãos e irmãs, convido-os a rezar pela Síria – berço que foi do Cristianismo – e se lembrem, nestes meses, de Damasco. Que Deus nos dê a sua paz por intercessão de Maria Santíssima Auxiliadora: que Ela acolha sob o Seu manto a nós e aos nossos jovens da Síria.

Fonte: ANS

Lido 2076 vezes Modificado em Quinta, 12 Abril 2018 15:59

Deixe um comentário