Segunda, 31 Julho 2017 15:54

Padre Kubíc, testemunha de uma Igreja clandestina

Escrito por  Gian Francesco Romano
Classifique este artigo
(1 Voto)
Padre Kubíc, testemunha de uma Igreja clandestina Foto: Info ANS

O padre Ferdinand Kubíc pertence àquele grupo de Salesianos do Leste Europeu que, devido aos perigos e restrições dos regimes comunistas, teve de realizar a sua própria formação religiosa clandestinamente. Seu pai nunca soube de ter tido um filho sacerdote e sua mãe só teve a certeza na iminência do funeral do marido, pai do padre Ferdinand. Esta é a sua história.

 

Padre Ferdinand, como foi possível realizar, clandestinamente, a sua formação salesiana?

Por oito anos – durante o ano de noviciado, depois durante os cinco de pós-noviciado e enfim os dois últimos, de preparação aos votos perpétuos e ao sacerdócio – nos encontrávamos com os formadores durante os fins de semana: no início, três vezes; depois, duas vezes ao mês. Obviamente esses encontros, por si sós, não bastavam: devia estudar – sempre escondido – também quando estava em casa. Contemporaneamente ensinava numa escola de 2º Grau (Colegial), onde também não se podia sair da ortodoxia do regime (comunista).

Desse modo estudei os fundamentos de todas as disciplinas e prestava os exames durante os encontros que conseguíamos manter. Com essa formação, no fim do regime percebi estar sem nenhum certificado que atestasse o quanto havia estudado. Durante todos esses anos continuei a viver em meio à gente comum.

 

Não se poderia achar uma outra... alternativa?

Havia alguns seminários que podiam operar fora da clandestinidade, mas o número de candidatos admitidos era limitado; e supercontrolados. Sem contar que alguns dos candidatos eram infiltrados. Completado o percurso formativo, recebi as duas ordenações – diaconal e sacerdotal – de uma só vez, à distância de poucos minutos e mesmo sem missa. Na saleta estávamos apenas o bispo dom Ján Chryzostom Korec, futuro cardeal, eu e um outro rapaz que foi ordenado, como eu.

 

Enquanto ensinava nunca teve problemas?

Uma vez me foi perguntado: “O senhor é crente?”. Sabia que se respondesse ‘sim’, aquele teria sido meu último dia de ensino. Tampouco podia dizer ‘não’. Respondi com uma pergunta: “Que quer dizer ser ‘crente’?”. Foi o suficiente.

 

E hoje o que faz?

Continuo lecionando. Hoje – livremente – no ‘Instituto Dom Bosco para o Trabalho Social’, de Žilina, Eslováquia, afiliado à Universidade Santa Isabel.

Fonte: Info ANS

Lido 633 vezes

Deixe um comentário