Segunda, 26 Março 2018 13:20

Na medida em que o cristão compreende a fé, será mais capaz de responder ao chamado de Deus sem medo. A fé é dom dado por Deus, mas precisa ser celebrado, vivido, experimentado, compreendido, testemunhado e anunciado.

 

Quarta, 12 Junho 2013 19:05

 

O “Dia mundial contra o trabalho de crianças e adolescentes” celebrado hoje, 12 de junho, não pretende ser apenas uma data no calendário, mas sim um chamado a um empenho mais intenso na oposição a tais fenômenos que, como demonstram várias boas práticas já ativas no mundo, podem realmente ser contrastados.

 

No final do mês de abril a Organização Internacional para o Trabalho (ILO, em inglês) publicou o seu último “Relatório mundial sobre o trabalho de menores”, que além de apresentar dados e estatísticas inerentes à matéria, oferece várias análises relativas aos temas relacionados ao trabalho de menores: a vulnerabilidade econômica e a proteção social.

 

Há atualmente cerca de 215 milhões de trabalhadores mirins no mundo, dos quais 115 milhões em condições assemelhadas à escravidão, ameaçados de extorsão por dívidas, e explorados por prostituição e atividades ilícitas, ou empregados em trabalhos muito dispendiosos, e arriscados para a saúde e a segurança. 60% trabalham na agricultura. São 15,5 milhões as crianças e adolescentes empregados no trabalho doméstico. Só um sobre cinco recebe pagamento, os outros trabalham dentro da família, sem remuneração.

 

A situação desses menores depende com frequência da situação das suas famílias: pais pobres, famílias desestruturadas, com baixos níveis de escolarização – todos fatores que aumentam as probabilidades para um menor de ser “vendido” ou ao menos de deixar os estudos e ser destinado ao trabalho desde a infância.

 

O Dia Mundial contra o Trabalho de Crianças e adolescentes 2013 concentra-se no tema do trabalho doméstico e quer lembrar como, se é verdade que uma situação familiar difícil pode favorecer o trabalho de menores, é também verdade que o retorno a uma situação familiar positiva pode salvaguardar o presente e o futuro de crianças e adolescentes.

 

Os especialistas de ILO observaram uma sensível redução de trabalho de menor quando se adotam projetos de proteção social:

 

No Brasil, a adoção do programa “Bolsa Família”, que prevê a doação de uma quantia fixa mensal às famílias com crianças para garantir-lhe a frequência escolar, mostrou uma sensível diminuição do trabalho de menores tanto no campo quanto na cidade; estudos feitos na África do Sul, Botswana, Maláui, Namíbia Tanzânia e Zimbábue, países em que mais de 50% dos órfãos vivem com os avós, têm mostrado um decréscimo de trabalho de menores quando se dá o auxílio-sustento aos idosos.

 

Em vista do Dia Mundial Contra o Trabalho de Menor, as procuradorias missionárias salesianas atuaram em campanhas de solidariedade, que atestam como a Congregação Salesiana é contra qualquer forma de exploração dos menores e a favor do desenvolvimento integral dos jovens em todos os países do mundo.

A procuradoria de Madri, por exemplo, lançou a campanha “Não estou à venda”, para denunciar o dramático problema da exploração de menores; a de Bonn, na Alemanha,  renovou o seu empenho com o projeto, na Índia, da “Kinderbank” (Banco da Criança): banco que permite aos pequenos, que trabalham regularmente, depositar as próprias economias com segurança, oferecendo-lhes ao mesmo tempo uma certidão de identidade civil.

 

InfoANS

Segunda, 08 Outubro 2012 18:24

Neste domingo, 7 de outubro, foi aberta oficialmente  a XIII Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos, no Vaticano, em Roma. O tema do encontro é "A nova evangelização para a transmissão da fé cristã". Participam da assembleia o reitor-mor, padre Pascual Chávez Villanueva e a madre geral do Instituto das Filhas de Maria Auxiliadora (FMA), Yvonne Reungoat. Na reunião dos padres sinodais, chamado para discutir como fazer reviver a proclamação do Evangelho no mundo, participam 15 membros da família Salesiana, com diferentes funções e competências.

 

O padre Luiz Alves de Lima, sdb, participa da Assembleia como assessor. Ele enviará, durante todo o período, notícias à comunidade salesiana. “Estou em Roma, no Vaticano, participando da XIII Assembleia dos Bispos como assessor. Faço parte do corpo de secretários que auxiliam a secretaria geral na redação e confecção dos textos”, explica padre Lima.

 

No primeiro dia da assembleia houve a solene Eucaristia presidida pelo Para Bento XVI, na Praça de São Pedro, que oficialmente deu início ao Sínodo dos Bispos.  Na ocasião a maioria dos delegados das Conferências Episcopais estava presente, aqueles que foram especialmente convidados pelo Papa, e todo o pessoal de serviço. Participaram, também, muitos cardeais, arcebispos, bispos e oficiais da Cúria Romana. As duas horas e meia de celebração podem ser vistas no site: http://player.rv.va/vaticanplayer.asp?language=it&

Segundo nota enviada pelo padre Lima, durante a Eucaristia o Papa refletiu sobre o significado da evangelização, missão principal da Igreja, tanto para os povos não cristãos, como hoje, principalmente para povos de antiga cristandade que estão se afastando da fé. "O Sínodo que se abre hoje é dedicado a essa nova evangelização, para ajudar as pessoas a terem um novo encontro com o Senhor, o único que dá sentido profundo e paz para a nossa existência".

 

O Sínodo dos Bispos é uma assembleia da qual participam representantes dos episcopados católicos de todo o mundo com o intuito de buscar soluções, ideias e contribuições para o bem da comunidade católica.

 

Leia também

Pe. Lima é nomeado oficialmente como especialista para o Sínodo dos Bispos
Madre Yvonne Reungoat é convidada para o Sínodo dos Bispos