A Bíblia na educação das novas gerações

A Bíblia na educação das novas gerações Ivdesign-iStock.com

Setembro é o Mês da Bíblia. Se há um santo que usou a Sagrada Escritura para a educação dos jovens foi Dom Bosco. Durante sua vida, ele não conseguiu colocar a Bíblia nas mãos dos jovens porque era proibido. Mas isto não foi empecilho para que a utilizasse em sua tarefa educativa.

 

Já em 1847, escreveu um livro intitulado História Sagrada para uso das escolas útil para qualquer estado de pessoas. No prefácio, colocou dois objetivos. O primeiro era “iluminar a mente” dos seus jovens ouvintes e leitores porque, dizia, “a mente é iluminada pelo conhecimento da Bíblia”. O segundo era “tornar bom o coração”. Em síntese, esses dois objetivos visam educar à Bíblia (mente) e educar com a Bíblia (coração).

 

 

Deste estudo ficam duas certezas. A primeira é que a educação é uma tarefa irrenunciável, universal. A segunda é que a Palavra de Deus é luz para toda pessoa que vive neste mundo. A Bíblia tem a missão de tirar as pessoas da superfluidade e da superficialidade da vida e ajudá-las a buscar o motivo central, radical, que as sustenta. Isso não é fácil. Como vivemos na sociedade do descartável, o que tem valor hoje pode não ter amanhã. Será que nossa vida não tem nenhum valor concreto, forte, que a ajude a ser vivida com profundidade, sabedoria e sabor?  

 

Vamos colocar cinco grandes horizontes de vida que a Palavra de Deus projeta para a educação do povo de Deus. “Ensinastes ao vosso povo que o justo deve ser humano” (Sb 12,19). Esta é a meta de toda educação: tornar humanas as pessoas iluminando a mente para tornar bom o coração.

 

Narrativa Bíblica

Vivemos em uma cultura cristã. Nosso povo, nós mesmos, somos cristãos. Nada mais justo que nossa educação aprofunde o que seja ser cristão. Isto é feito levando em conta que também estamos rodeados de outras confissões e religiões. Para que o cristão possa dialogar com os outros, precisa entender a sua fé. Se não nos cuidarmos, daqui a pouco Gênesis é o nome de uma banda de rock; Abraão é o nome de um apresentador de televisão; Natal é só Papai Noel; Páscoa é só coelhinho. Há uma narrativa bíblica que precisa ser conhecida tanto pelos que têm fé na Bíblia como Palavra de Deus como por quem não a tem.

 

Ampliar horizontes

Há situações fortes na vida das pessoas que precisam de aprofundamento. A Bíblia nos ajuda a aprofundar temas como a morte, o nascimento, o crescimento, a dor, a doença, a alegria, a festa. Não basta saber o seu sentido. Participei dos últimos momentos de vida de uma senhora. Antes de falecer ela me disse: “Agora eu entendi que nunca deveria perguntar a Deus o porquê das coisas. Agora eu lhe pergunto o para que dos acontecimentos”. As situações-limite nos ajudam a ampliar nossos horizontes de vida.

 

Tesouros éticos

Todas as religiões têm suas falhas históricas. Algumas, desastrosas. Apesar disso, todas têm tesouros éticos que não podem ser ocultados. Viver o Evangelho é ser mais humano, mais transparente, mais ético. A Bíblia apresenta um ideal moral de vida. “Todo mundo faz assim” não é justificativa para ninguém. É bonito ver um adolescente, um jovem com valores éticos bem definidos de generosidade, de solidariedade e de misericórdia. Mesmo que isto traga “prejuízos” para quem os vive. A Bíblia é uma fonte ímpar de formação da consciência de cada pessoa e de uma comunidade.

 

Pão e beleza

Já dizia o cantor que “a gente não quer só comida”. Toda pessoa precisa de pão e beleza. A Bíblia ajuda as pessoas a olharem o mundo com olhar transparente, generoso, humilde, determinado, justo. Um pedaço de pão é bom. Conquistado e comido na justiça e na dignidade é melhor ainda. “Tempo é dinheiro” diz o provérbio. É necessário, porém, saber “gastar” tempo para apreciar a natureza, uma música, para escutar alguém, para conversar com Deus, para silenciar... “Toda Escritura é divinamente inspirada e proveitosa para ensinar, para repreender, para corrigir, para instruir em justiça” (2 Tm 3,16).

 

Derrubar os ídolos

A grande tarefa da leitura da Palavra de Deus é a de derrubar todos os ídolos. Idolatria é transformar uma criatura em um Deus. Há muitos deuses por aí, exigindo vítimas inocentes, indefesas. Dobrar os joelhos diante das criaturas é apequenar-se, desumanizar-se, ser cruel. Dobrar os joelhos diante de Deus é tonar-se grande, misericordioso, humano. A crueldade que gera dor e sofrimento sem fim para pessoas indefesas é fruto dos grandes ídolos de nossa sociedade. A Bíblia nunca aceitou pessoas que dobram seus joelhos diante de ídolos. Nós dobramos os joelhos (religião), a mente (razão) e o coração (amorabilidade) tão somente ao Deus vivo e verdadeiro.

 

A Bíblia não nos torna pessoas light, incolores, insossas. Pessoas light são fúteis e supérfluas. Caracterizam-se por uma tetralogia desastrosa: o relativismo, o hedonismo, o consumismo e a permissividade. A leitura e a vivência da Palavra de Deus, ao contrário, nos tornam vigorosos, sacrificados, sóbrios e capazes de opções generosas.

 

Padre Marcos Sandrini, SDB,é coordenador de Assuntos Comunitários da Faculdade Dom Bosco de Porto Alegre, RS.
Lido 618 vezes
Classifique este artigo
(1 Voto)
Publicado em Dom Bosco hoje
Marcos Sandrini

Diretor da Faculdade Dom Bosco de Porto Alegre, RS.  

Deixe um comentário

Receba nossa Newsletter

Busque por data

« Outubro 2017 »
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
            1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30 31          

Comentários