“Dá-me as pessoas”

Perguntemo-nos, então, o que seria característico do carisma salesiano a partir desta frase bíblica, Da mihi animas, cetera tolle (Gn 14,21)? O que seria mais próximo possível do coração de Dom Bosco histórico?

Quando Dom Bosco entrou no seminário de Chieri, em 1835, encontrou o lema episcopal do bispo fundador daquele grande centro de estudos, dom Columbano Chiaverotti: Da mihi animas, cetera tolle (Gn 14,21). Aos 20 anos, João Bosco estava empolgado com a vida e com a possibilidade de tornar-se padre. Aquele lema tornou-se parte de sua vida e ele se apropriou do mesmo como meta de toda a sua existência.

Perguntemo-nos, então, o que seria característico do carisma salesiano a partir desta frase bíblica? O que seria mais próximo possível do coração de Dom Bosco histórico? Histórico porque, na busca de apresentar a personalidade do fundador, alguns estudos, anedotas e relatos do cotidiano de Valdocco tornaram-se míticos e até exagerados. Porém, aos poucos, os estudos críticos foram revelando o Dom Bosco real, o homem da região de Piemonte, o homem do campo, o jovem que rompeu condicionamentos sociais, econômicos e até religiosos, que migrou rumo à cidade na busca de realizar um sonho. É a história do pastor dos Becchi que se transformou em mensageiro da Palavra de Deus aos jovens que ele soube ver, amar e chamar para um projeto grande de missão. Esse Dom Bosco do “Dá-me as pessoas” é que pretendo descrever neste artigo.

O Dom Bosco do “Dá-me as pessoas [almas]”foi ousado. Ele deixou o campo, o lugar estreito, e foi em busca do seu ideal de vida, do lugar espaçoso. Migrou para Butigleira, Sussambrino, Moglia, Castelnuovo D´Asti, Chieri e Turim. Ele queria crescer, sair do anonimato; queria cultura para poder conhecer mais a religião; enfim, ele queria ser o que para muitos era impossível. Queria ser um padre diferente.

O Dom Bosco do “Dá-me as pessoas” não teve medo do trabalho. Ele foi um jovem empreendedor, destemido, criativo. Em Chieri, entrou em contato com as pessoas que podiam ajudá-lo a estudar, trabalhar e crescer na sociedade. Conseguiu ganhar o pão de cada dia com honestidade sem recorrer ao roubo e a mentiras;

O Dom Bosco do “Dá-me as pessoas”não teve medo da dúvida salutar para descobrir a vontade de Deus. Desde jovem, buscou a sabedoria de divina para discernir o que seria valioso para ele, como confrontar seus sonhos, como entender os apelos do Senhor; por isto, foi aberto ao senhorio de Deus em sua vida;

O Dom Bosco do “Dá-me as pessoas”deixou-se questionar e inquietar quando viu numerosos jovens abandonados, presos e condenados. Acompanhava o padre Cafasso nas visitas às prisões e participava das experiências daquele padre fervoroso, a tal ponto de apropriar-se de uma delas para justificar sua opção pelos jovens na narrativa emblemática do encontro com Bartolomeu Garelli;

O Dom Bosco do “Dá-me as pessoas”não se contentou em ganhar dinheiro para sobreviver, mas partilhou a vida com meninos órfãos e abandonados, colocando-se com eles em situação de risco. Com eles migrou em busca de um lugar para fixar sua obra e garantir um lugar de acolhida, amizade, estudo, lazer, trabalho e experiência religiosa;

O Dom Bosco do “Dá-me as pessoas”foi operário, mestre, confessor, político, escritor, padeiro, sapateiro; enfim, um padre diferente que tocou na carne daquela juventude empobrecida. Viajou para grandes centros urbanos da época como Roma e Paris, sempre em busca de colaboradores e de dinheiro para manter com dignidade seus jovens e sua obra.

O Dom Bosco do “Dá-me as pessoas”não teve medo de lutar por seus ideais, de defender, de protestar, de organizar campanhas e de dialogar com os poderosos da época na defesa da religião, da verdade e do bem da Igreja;

O Dom Bosco do “Dá-me as pessoas”atraiu jovens corajosos para continuarem sua missão. Ele sabia que tudo aquilo era da vontade de Deus. Ele tinha consciência que o sonho de 1825 não era um pesadelo, mas nasceu do coração de Deus e da bondade da senhora majestosa. Aquele projeto era divino e ele era apenas um instrumento de Deus;

O Dom Bosco do “Dá-me as pessoas”tinha um coração missionário, além fronteiras. Era um homem de coragem que espalhou pelo mundo a presença do carisma recebido de Deus. Ele sabia que a missão está sempre mais à frente e que Deus o esperava nos jovens;

O Dom Bosco do “Dá-me as pessoas”foi fundador de grande envergadura. No tempo certo começou a propor aos jovens um projeto ousado, em um contexto anticlerical e árido. Moldou homens como Rua, Cagliero, Costamagna, e foi sensível à presença da mulher na evangelização. Soube reconhecer no grupo de Mornese uma possibilidade de expansão do seu carisma na educação feminina e não teve medo de reconhecer em Mazzarello o mesmo carisma e a mesma inquietação pela educação e evangelização das jovens;

O Dom Bosco do “Dá-me as pessoas”enfrentou grandes conflitos eclesiais e políticos em uma Turim em transformação. Não aceitou a manipulação dos jovens para as ideologias nacionalistas e não os preparou para os campos de batalha. Para ele, os jovens deveriam ser honestos cidadãos e bons cristãos, mesmo em uma sociedade hostil e anticlerical;

O Dom Bosco do “Dá-me as pessoas”aprendeu que a santidade é um projeto de vida a ser vivido no banquete do Reino de Deus, quer dizer: deixar-se envolver pela primazia de Deus, pois a “vida dos justos está nas mãos de Deus” (Sab 3,1). Portanto, é possível ser santo e este ideal deveria ser apresentado aos jovens com alegria, otimismo, compromisso e união plena com Deus;

O Dom Bosco do “Dá-me as pessoas”foi sensível à educação do jovem e, para tanto, foi capaz de observar e traduzir para eles a preventividade educativa, a religião atrativa, a caridade ativa e o raciocínio construtivo. Foi o homem prático que soube dar respostas concretas aos desafios cotidianos.

Lido 5518 vezes
Classifique este artigo
(0 votos)
Publicado em Projeto de Vida
Pe. João Mendonça

Pe. João Mendonça, SDB, nasceu em Manaus, AM, em 1961. É Salesiano de Dom Bosco desde 1982. Mestre em Educação com especialização em metodologia para a formação religiosa e presbiteral pela Pontificia Universidade de Roma. Pós graduado em Comunicação pelo SEPAC – PUC/SP e Educação Sexual pela Unisal/SP. Durante 4 anos foi coordenador da pastoral da inspetoria São Domingos Sávio/Manaus, delegado inspetorial para a Família Salesiana, vice-diretor da comunidade Santo Tomás, Pio XI – Lapa, Diretor do pós-noviciado de Manaus e atualmente é pároco.

Deixe um comentário