Quinta, 31 Agosto 2017 13:17

As Obras Profissionais e Sociais Santa Rita de Cássia (OPSSRC), localizadas na comunidade de Jacarezinho, no Rio de Janeiro, RJ, firmaram uma parceria com a ONG O Pólen, que mantém um projeto em que é possível comprar na internet e ajudar as obras sociais cadastradas, sem gastos adicionais.

 

Quinta, 15 Novembro 2012 13:21

 

Estima-se que mais de 70 mil pessoas morem no Jacarezinho, na capital do Rio de Janeiro. A população enfrenta vários problemas sociais, como a precariedade na saúde pública, a violência e a inexistência de educação pública que atenda a população. É neste cenário que os salesianos se fazem presentes junto aos jovens.

 

Na década de 1950, o padre salesiano Nelson Carlos Del Mônaco visitou pela primeira vez o Jacarezinho, a segunda maior comunidade da capital do Rio de Janeiro e também da América Latina. Lá viu que os trabalhos dos salesianos poderiam ser muito produtivos, sendo que a população necessitava (e necessita) de amparo. O salesiano começou o empreendimento com a ajuda de alguns empresários e, poucos anos depois, estavam prontos o prédio da escola e uma paróquia – única igreja católica no local.

No alto da residência, onde atualmente estão os padres Antônio Maria de Ávila, Dário Ferreira da Silva e Carlos Sebastião da Silva, é possível ver uma parte da comunidade, na zona sul do Rio de Janeiro. A presença salesiana no coração do Jacarezinho leva o título de Obras Profissionais Santa Rita de Cássia, e se divide na Escola Alberto Monteiro de Carvalho e na Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora. A escola conta hoje com 255 alunos e 26 educadores; já a paróquia possui atividades para toda a comunidade, que participa especialmente das pastorais e do Oratório.

A escola passou por uma reestruturação recente, com a construção de um prédio de três andares, instalações, salas de aula e mobiliário novos. Durante a construção, a coordenadora administrativa da escola, Cristiane Gomes, lembra que houve muitas dificuldades, mas que isso nunca esmoreceu os trabalhos: “Quando algum caminhão tinha que trazer os materiais de construção, por exemplo, precisávamos fechar a rua, pois o espaço era pequeno. Nessas situações tínhamos de conversar com os comerciantes, moradores e até mesmo com os traficantes”, relembra.